Quanto mais velho, melhor. Sabemos que o envelhecimento deixa o uísque mais saboroso. Mas você já imaginou como será o sabor de um bom uísque no futuro?

Na tão aguardada sequência Blade Runner 2049, que estreia nesta quinta-feira (05/10), Johnnie Walker colaborou com o cineasta Denis Villeneuve em uma versão de edição limitada: Johnnie Walker Black Label The Director’s Cut (versão do diretor).

O uísque presta homenagem ao filme visionário 1982 de Ridley Scott, Blade Runner, que foi ambientado em 2019 e deu ao público um visual parecido com um Johnnie Walker Black do século 21 em uma garrafa geométrica. Agora, Villeneuve e Master Blender, Jim Beveridge, voltaram para o futuro para produzir um Black Label a partir de 2049.

O nome é uma piada maliciosa para os fãs do Blade Runner. Já que em 1992, a Warner Bros. lançou uma nova versão do clássico – The Director’s Cut – para grande aclamação. (Ironicamente, não teve a benção ou entrada de do diretor Ridley Scott). Em 2007, para o 25º aniversário do filme, Scott lançou The Final Cut, que considerou a versão definitiva do filme.

O primeiro filme tinha uma garrafa Johnnie Walker Black, que captava bem o ambiente de Blade Runner. A sequência capta o complexo e misterioso mundo de 2049, contudo não é apenas uma reembalagem da garrafa.

A garrafa está sim de cara nova, mas o sabor também é outro. A mistura vem com 49% de ABV – em comparação com os 40% do Black Label.

O Johnnie Walker Black Label The Director’s Cut pode ser visto em na posse do veterano, Harrison Ford (Deckard) e o novo rosto de Hollywood, Ryan Gosling.

Apesar da edição ser limitada a apenas 39.000 garrafas, o uísque tem preço moderado: cerca de 90 dólares.

Leia também