//Pensamentos Machos

  • Por que a vagina tem tantos apelidos?

    Por: Andre Filho | Em: Pensamentos Machos | 03 de agosto de 2015

    calcinha
    A vagina – quem não conhece, procure no Google – é uma palavra universal, sobre uma paixão universal. Porém, na fértil mente deste que vos escreve, ficou a questão: porque e daonde vieram tantos nomes dessa nossa grande amiga?

    Buceta, Xoxota, Periquita, Perseguida, Perereca, Pepeca, Florzinha, Pérola, entre outros tantos milhões de nomes. Claro que existem diferenças na origem de todos, muitos são usados pela mãe, quando a filha ainda está se descobrindo, e sentem a necessidade de eufemizar com nomes bonitinhos. Outros tantos, são formas escrachadas e um tanto esdrúxulas que os homens se referem à nossa razão de viver. Não que nós vivamos em razão da periquita. Mas, nós nascemos dali. A mente de vocês é muito maliciosa, não me deturpem.

    Em meus parcos pensamentos, cheguei a algumas – muitas vezes falhas – conclusões do porquê de existirem tantos nomes para descrevê-las. Um ou cinco, tudo bem. Mas existem bem mais de 100 nomes para vagina. Desde apelidos, até nomes postos pela sociedade como universais.

    Consigo enxergar alguns motivos: o primeiro seria o sexo como tabu. Como até hoje acontece. Se faz necessário eufemizar o sexo, e não só entre crianças, muitas vezes, entre os próprios adultos, pelo assunto ainda ser algo guardado a sete-chaves. E aqui estou apenas fazendo uma observação e nenhum julgamento. É fácil perceber isso, quem tem essa visão de tabu, suaviza a palavra com nomes mais amigáveis.

    Em segundo lugar, creio eu: personalidade. A Vagina, em nosso imaginário, cria personalidade própria e ganha o nome conforme o enredo o peça. Vai de pessoa para pessoa, e a forma como trata e respeita a outra. Tantas vezes é com carinho e poesia. Muitas vezes é invasivo, desrespeitoso e devemos ter todo cuidado com isso. Afinal, também existem trocentos nomes para o nosso órgão sexual e tenho certeza que você não gostaria de receber o mais broxante possível. Vale ressaltar que, muitos apelidos para pepeca a rebaixam e quase nenhum apelido para pênis o faz menos imponente. Ou seja, ainda tem o machismo velado na hora de apelidar nossos órgãos. Isso quer dizer que, dá pra fazer toda uma análise do caráter do homem, da feita que ele resolve se referir a sua vagina. É só ficar de olho.

    A última razão, e essa eu puxo para mim, é que a palavra vagina não tem poesia. Infelizmente. É um nome técnico, correto e perfeito para ser usado em determinadas situações. Mas não consigo imaginar grandes textos de nossa literatura, descrevendo e admirando tão perfeitamente as mulheres, usando uma palavra muito técnica, sem a suavidade e poesia necessária que faça o leitor transcender. Mas, existe um nome correto? Contanto que não ofenda ou não fira eticamente ninguém, não. Eu, pessoalmente, prefiro usar o nome que tanto Gabriel Garcia Marquez e Shakespeare usam em suas obras. Simples e direto. Poético na medida certa. E humana, como ela o é.

    andre
  • Síndrome do “Eu já sabia” – Ou: como a preguiça nos tornou ignorantes

    Por: Fran Vergari | Em: Pensamentos Machos | 29 de junho de 2015

    Estudos de uma Universidade francesa concluíram que a maioria das pessoas não se importam com a veracidade e procedência de informações que atendam, ou, contemplem suas necessidades, desde que as mesmas pareçam vir de fontes confiáveis, como uma Universidade francesa.

    O pensamento é rápido, simples e preguiçoso. Por que eu estudarei e me aprofundarei em um assunto e tentarei tecer uma teia de raciocínio para provar ou chegar no meu ponto, se alguma “autoridade” já deu seu parecer? Técnica antiga usada na Publicidade, o fato de usar autoridades economiza em tempo, palavras e argumentos. Afinal, com tantos milhões no bolso o Neymar usa a famosa cueca que aparece em campo, quem sou eu para dizer que não é uma marca boa? O que as pessoas não param pra pensar é que: se 9 entre 10 dentistas recomendam tal creme dental, talvez aquele que sobrou não tenha sido procurado para receber o cachê da empresa.

    Mas isso é outra história. O problema real é que informações importantes para a sociedade foram deturpadas por aí, a torto e a direito, utilizando-se de Instituições e veículos consagrados, para que a informação ganhasse um “que” de verdadeira. Pesquisas, estudos e teses que nunca foram mencionadas, são confirmadas e celebradas por cientistas e especialistas que ninguém sabe o nome, mas sabem que aquilo os agrada e por que não compartilhar?

    Ou seja, vivemos na cultura do “Eu disse” ou “Eu já sabia” onde as pessoas, quando se deparam com “estudos” e “pesquisas” que ratificam teses que elas defendiam, passam adiante duas vezes antes de pensar. Não precisa ter link, não precisa ter o nome do pesquisador responsável, basta dizer aquilo que ela queria ler. “É a era da informação!”; “Temos tudo na ponta dos dedos!”. Realmente, temos muita coisa disponível, mas apenas o discernimento será capaz de separar o que é útil das milhões de teorias conspiratórias, estudos sem pé e nem cabeça, e a plena certeza de que tudo é um plano da Globo para que nós sejamos manipulados.

    Talvez aquele estudo nunca tenha sido realizado. É bem provável que aquela pesquisa que você compartilhou semana passada, não tenha passado de uma piada. Não acomode-se de ter todas as “respostas” na mão através do Google. Até porque, antes de apertar o botão “Buscar”, você precisa saber o que vai perguntar, e isso ninguém te dará de graça. Somente a sua experiência de vida fará com que você se faça as devidas perguntas para buscar as suas respostas, tirando isso, é só informação inútil e inventada por alguém que quis provar algo através de um suposto estudo de uma Universidade francesa.

    Texto originalmente publicado no blog do André, E Coisa & Tal.

    andre

  • A importância do controle remoto na vida de um homem

    Por: Edu | Em: Pensamentos Machos | 25 de junho de 2015

    controle
    Em tempos longínquos, se algum pobre mortal quisesse mudar o canal de seu televisor, era um sacrifício. Um ritual masoquista, consistia no abandono da confortável poltrona na qual o telespectador estava instalado, um percurso distante até o televisor, passando pela mesinha-de-centro (fatal para os dedos mindinhos do pé), culminando com uma precisão cirúrgica e paciência ímpar rotacionando, o falecido, “sintonizador de canais”. Graças a uma intervenção Divina, um gênio inventou o controle remoto.

    Uma revolução! A invenção do controle remoto foi a conquista primordial para o sedentarismo completo. Não seria mais necessário todo o masoquismo supra-citado. Uma vitória! Os primeiros controles, claro, não tinham muitas funções, trocavam de canal e oscilavam o volume da TV. E quem disse que era preciso mais? A sensação de se ter um controle era maravilhosa, parecia bruxaria, era só apertar um botão e voilá!

    O controle se tornou um símbolo da masculinidade. Macho que é Macho tem e sempre terá o controle em suas mãos, em todos os sentidos. E puseram diversos canais na TV, e diversos botões no controle. Entre eles, um botão chamado “Last” uma invenção e tanto, quando apertado volta imediatamente pro canal anteriormente visto. Ideal para homens casados, que alternavam entre um documentário sobre pinguins gentoo, e um ritual de acasalamento humano, desses bem explícitos, entre uma ida ou outra da esposa à cozinha. O paraíso!

    Hoje em dia os controles têm diversas funções. Pausam a programação ao vivo, voltam, compram, fazem tudo. Existem os Universais, que controlam muitos equipamentos ao mesmo tempo, pra ligar a TV, o DVD, e desligar o som, só é preciso um controle. Falta fazerem um que faz a mulher ir pegar cerveja bem gelada no fundo do frezeer. Isto sim, ia ser de uma utilidade tamanha!
    Este sim é um objeto que merece uma estátua, já salvou várias vidas e com certeza alguns casamentos. Se o cachorro é o melhor amigo do homem, e o wiskhy é o cachorro engarrafado, como dizia Vinicius. Este objeto é o cachorro eletro-eletrônico!

    Texto originalmente publicado no blog do André, E Coisa & Tal.

    andre

  • O ovo frito

    Por: Edu | Em: Pensamentos Machos | 24 de setembro de 2014

    ovo
    Grande elemento em nossa história, um verdadeiro marco na vida de qualquer um que já tentou desbravar os territórios da cozinha. O melhor amigo culinário do homem e eu nunca li uma homenagem a este que sempre será nosso primeiro pensamento e o nosso último refúgio, o ovo frito.

    O ovo frito, vale ressaltar, é o nosso grito de independência. Os homens das cavernas tornavam-se homens quando podiam caçar e se alimentar. Com o desuso da caça, restou-nos tornamo-nos verdadeiramente homens quando nos alimentássemos sozinhos. E o ovo exerceu, todos esses anos, bem antes da invenção do miojo, o papel de primeiro alimento que nós mesmos preparamos. O ovo ratifica o homem.

    Não somente por esse papel, o ovo dispensa frescuras e terecotecos para sua preparação. Apenas cumprindo sua missão de alimentar-nos, não se preocupa com temperatura e banho-maria, por isso foi tão importante em todas as guerras e situações periclitantes da humanidade. Ou vocês acham que Winston Churchill tinha tempo e paciência para aguardar um porco assado com canela ficar pronto?

    Além de ser um salvador de vidas! Quantos de nós, ao nos depararmos com os bolsos vazios e a barriga na mesma, tivemos a brilhante ideia de fritar um ou dois ovos, acrescentar farofa e comer um manjar dos deuses? O ovo não tem preconceito, aos olhos dele, todos somos chefs.

    Infelizmente, a agonia da sociedade em procurar e perseguir nossos algozes tornou-o um vilão. Banido da vida de muitos, em uma grande demonstração de ingratidão. Hoje só se pode comer partes do ovo e não em sua plenitude. Faz mal. Ora essa! Faz mal para os hereges! Para os falastrões que não entendem tamanha importância. Quantas vezes você acha que Napoleão Bonaparte pararia para separar o que ele iria comer do ovo?
    Porém, mesmo contra todos esses pecadores que tanto insistem em demonizá-lo. Sempre haverá uma frigideira na mão de um batalhador, aquecendo a manteiga a espera do ovo. Sem se importar com banalidades, pois como os chefes de estados citados, também travamos as nossas guerras e contra a fome eis a nossa principal arma.

  • Nem toda nudez será castigada

    Por: Edu | Em: Pensamentos Machos | 01 de setembro de 2014

    selfie
    O interesse pela nudez feminina é geral. Homens querem ver mulheres nuas, as mulheres querem ver outras mulheres nuas, nem que seja pra ter um comparativo com o seu próprio corpo. A grande verdade é que a internet é feita de pornografia, ocasionalmente fotos de gatos e vídeos engraçados, e só.

    Com o advento do celular com câmera e fácil acesso à internet, ficou muito fácil não apenas assistir pornografia online, como fazer suas próprias fotos e publicar na grande rede social de computadores, ou então compartilhar no whatsapp com seu namorado ou peguete.

    Não existe absolutamente nada de errado nisso, tanto em postar suas fotos sensuais, quanto em compartilhar com alguém suas poses íntimas. Eu acredito que no fundo, tudo mundo tem um viés exibicionista, e isso, inclusive, faz parte da vida sexual de um casal. É normal do ser humano querer se sentir desejado, o instagram ta aí cheio de selfie pra não me deixar mentir. A foto sensual nada mais é do um selfie mais ousada.  Basta ver que aqui mesmo no blog, postamos quase que semanalmente galerias de fotos que as leitoras nos mandam. Uma pessoa pode ter orgulho de um texto que escreveu, mas outra não pode ter orgulho de ter um corpo bonito?

    O que acontece é que a sociedade é bastante hipócrita, todo mundo pode ver, comentar e ter uma opinião formada sobre a nudez alheia, mas não pode assumir que gostaria de aparecer também, mas não tem coragem porque não se sente atraente, e que se tivesse um corpo padrão Fifa de qualidade, estaria ai postando foto quase todo dia.

    Aí quando vazam fotos de famosas na internet vira aquele alvoroço. “Menina, você viu a Jennifer Lawrance? Que babado”. Surgem os moralistas pra dizer que as mulheres precisam se valorizar mais, surgem as feministas com os peitos de fora, mas elas estão em todas então não conta. Surgem as recalcadas que estão com inveja do corpo da gostosona que caiu na net, quando na verdade, a famosa que apareceu pelada é só mais uma mulher nua em meio a milhões que você encontra em sites pornográficos. Então você escuta um “Nossa, eu jamais me submeteria a esse tipo de exposição”, pode ser que não faça isso, mas quem garante que ela não seduziu um professor pra ter uma nota melhor no fim do semestre? Qual a diferença entre os valores aqui?

    Curioso é que o mesmo tipo de pessoa que acha que o Testosterona é um blog machista, é quem mais gosta de julgar o comportamento das mulheres. É claro que é preciso tomar cuidado na hora de escolher com quem vai compartilhar suas fotos na internet, mas também é preciso parar de se castigar toda nudez

  • Nem todo homem é filho da puta!

    Por: Edu | Em: Pensamentos Machos | 27 de agosto de 2014

    filhodaputa
    Da mesma forma que as mulheres são constantemente julgadas pela sociedade, por querer a mesma liberdade sexual que os homens já tem, e poder sair ou transar com quem bem quiser, os homens também sofrem com um pré-julgamento que todo mundo faz. Todo homem não presta!

    Generalizações nunca funcionam, e obviamente existem homens que são cafajestes sim, bem como existem mulheres que também são. Mas o que estamos analisando aqui? Não ligar no dia seguinte de um sexo casual é ser um FDP? Sair com diferentes mulheres ao longo do mês é ser um canalha? “Ah, aquele ali não presta!, ele pega todas, viu!”

    Não estou isentando minha raça de uma culpa que certamente temos, por muitas vezes, mentir, desejar a mulher do próximo, não querer compromisso sério, ou mesmo querer comer todas as mulheres do planeta. Mas até ai, desde que isso esteja bem claro e definido, isso não faz de nós homens, necessariamente a pior espécie do mundo. Muitas vezes as mulheres esperam atitudes nossas que não teremos, e mesmo quando somos claros e objetivos, elas ainda acham que podem nos mudar. O que acontece? As mulheres idealizam um modelo de homem ideal e tentam nos transformar nele.

    É muito fácil chamar todo homem de FDP, e a partir daí culpar a espécie masculina por qualquer desilusão amorosa que se tenha, afinal, HOMEM É SEMPRE FILHO DA PUTA MESMO NÉ! Não, não é! Existe o cara que vai mentir pra levar a mulher pra cama e vai sumir, mas existe o cara que não quer mentir e quer levar a mulher pra cama do mesmo jeito. Ele ser sincero quanto a sua vontade de não querer um relacionamento sério faz dele um filho da puta? A escolha de transar com ele em ambos os casos continua sendo da mulher.

    Você saiu com um cara e ele foi um completo babaca? Nunca mais saia com ele, é simples, parte pra outro e a vida segue. Seu namorado te traiu? Não é o fim do mundo, largue o rapaz e recomece.

    Todo homem acaba sendo um belo de um filho da puta em algum momento da vida, de forma consciente ou inconsciente. Mas ao longo do tempo acabamos aprendendo que não precisamos ser assim. Muitas vezes esquecemos datas comemorativas, ou não ligamos no dia seguinte, ou até mesmo damos aquela sumida de alguns dias, e nem sempre isso é por mal, apenas esquecemos, porque somos desligados mesmo. Cortem o drama.

    Essa auto vitimização da mulher faz com que cada vez mais babacas se aproveitem de vocês, quando na verdade basta ter um olhar um pouco mais atento pra descobrir quando o homem é um FDP de fato ou quando ele é um cara normal, que quer sim te comer, mas que não necessariamente seja um completo babaca.

  • Ser Homem…

    Por: Edu | Em: Pensamentos Machos | 15 de julho de 2014

    homem
    Ser homem não é apenas pertencer a um gênero, possuir um par de bolas, cuspir no chão e arrumar briga na rua. Ser homem é mais do que não perguntar o caminho quando está perdido, desejar uma mulher com todas as suas forças quando ela aparece com um vestidinho curto, mesmo que “ela” seja uma total desconhecida. Ser homem é um estilo de vida, estilo este que não optamos ou escolhemos, apenas somos.

    Homem não fica tentando entender o inexplicável, ele não quer saber porque ele é impaciente no trânsito, impulsivo, tarado, ao contrário das mulheres, nós vivemos de bem com a vida, sem aquela ânsia de julgar tudo importante, urgente. Um pedaço de pizza cai no chão, nós pegamos e comemos, sem stress. Seu amigo deu mancada com você, basta xingá-lo e 15 minutos depois vocês estão no bar falando de mulheres, não existe aquela carga emocional e todo aquele drama que as mulheres fariam na mesma situação.

    Se você parar pra pensar, o homem é um ser um tanto quanto arcaico, ele não entende aquelas  dicas que a mulher dá quando está brava com ele, pelo simples fato de que se ele tem algum problema ele vai e fala, porque ele simplesmente não entende esses joguinhos e frescurinhas que as mulheres fazem, e neste ponto precisamos reconhecer que as mulheres também são assim por natureza, e é exatamente aí que reside o grande lance da coisa, somos o extremo oposto das mulheres e é por isso que a vida tem graça, principalmente pra nós, é claro.

    Às vezes tenho a impressão de que Deus quando criou os homens e as mulheres, ele foi um tanto quanto injusto, a parte boa ficou toda com os homens. Enquanto nós somos atraídos por elas, justamente por que elas são lindas, se cuidam, estão sempre cheirosas, e não se esqueçam, mulheres têm aquela necessidade natural de se sentir útil, de cuidar da gente. Enquanto elas gostam de nós, mesmo desleixados, sujos, falando palavrão, tendo a mente pervertida, e sendo infantis, sim, claro que somos infantis, e qual é o problema disso? Foda-se!

    O homem é limitado, passa mais da metade do dia dele pensando em sexo, mulheres, futebol, mais sexo, mais mulheres, mais futebol… Mas é exatamente essa forma simples de pensar e agir que faz com que a nossa vida seja mais tranquila do que a das mulheres, enquanto elas se preocupam com o seu próximo corte de cabelo, menstruação atrasada, suas dúvidas sobre si mesma, todos os problemas do mundo, nossa principal preocupação é saber se aquele atacante bom do nosso time joga no domingo.

    Enfim, ser homem não é apenas pertencer a um gênero…

  • O homem sabe de tudo!

    Por: Edu | Em: Mundo Macho, Pensamentos Machos | 01 de julho de 2014

    consertar
    O homem é capaz de qualquer coisa até que o mesmo se prove o contrário. Não importa se ele nunca foi ao lugar que vocês estão tentando ir. Nem se a resistência do chuveiro queimou. Ou se os botões do microondas pararam de funcionar. Ele sabe chegar, ele sabe trocar e sabe consertar. Até o momento em que ele perceba que não.

    É um processo, entenda. Nossos ancestrais resolviam tudo na época das cavernas, sem Google, sem perguntar ao vizinho. Era na mais pura base do instinto e da confiança em si. Não podemos deixar que, nas nossas cavernas atuais, uma mera bifurcação nos tapeie e faça-nos seguir perdidos na estrada. Parar para perguntar? Jamais! Vai contra toda a nossa essência. Afinal, o importante é chegar, se demorar 1 ou 5 horas, é experiência.

    Tudo que pedimos, mulher, mãe, namorada, amigos, filhos, é que vocês dêem o tempo que precisamos. Gritar e espernear dizendo que não temos o controle da situação, cuja qual é uma honra controlar, só atrapalhará todo o processo e nos deixará furiosos e com a moral abalada. Pra que chamar um eletricista, se eu tenho mãos, escada, status de macho alpha e pleno funcionamento cerebral? Trocar a resistência do chuveiro é moleza.

    Quando damos sorte e realmente conseguimos resolver a questão, preparem-se que durante toda a semana não haverá outro assunto, apenas serão exaltados o nossos feitos milagrosos perante o insolente microondas que custava a funcionar. E como fomos impiedosos ao aplicar toda nossa sabedoria na resolução desse problema. Um novo homem ressurge nesses momentos, e nem mesmo um forno com defeito nos deterá.

    A hora da verdade chega. Vocês não precisam se preocupar. Um dia a investida não dá certo: a comida queima e o ar-condicionado que não gela sorri triunfante. É quando percebemos que não somos capazes de tudo. Quando abaixamos a cabeça e pensamos em uma solução, para colocar a culpa no cachorro, na crise da Ucrânia, em qualquer coisa, menos na nossa incapacidade de controlar aquela situação. Cabisbaixo e, muitas vezes, secretamente, pedimos ajuda, como quem se rende perante um exército mais poderoso. Perdemos a batalha.  Enquanto o marceneiro conserta a prateleira, ou o técnico instala o novo chuveiro, fitamos com seriedade o objeto que nos causou aquele constrangimento e deixamos uma certeza, ele ganhou o pior dos inimigos.