//Mundo Macho

  • 13/04 – Dia do beijo

    Por: Edu | Em: Mundo Macho | 13 de abril de 2014

    As primeiras referências ao beijo datam de 2.500 a.C., em colagens nas paredes dos templos de Khajuraho, na Índia.

    O beijo que selava o compromisso de noivado surgiu na Roma Antiga e garantia à mulher os direitos jurídicos determinados pelo Império.

    Mesmo sendo considerados obscenos em algumas culturas, o beijo se firmou através dos séculos como um símbolo da devoção religiosa.

    O beijo em que as línguas se entrelaçam é francês, e a expressão surgiu por volta de 1920.

    Um estudo publicado em 2007 mostra que beijar é uma maneira de trocar, de forma subconsciente e por meio dos sentidos, informações importantes sobre a pessoa à frente para saber se ela é ou não o par ideal.

    Dos 12 pares de nervos cranianos que as pessoas têm, cinco são estimulados quando elas se beijam, enviando mensagens dos lábios, da língua e do nariz ao cérebro, que processa todos os movimentos que acontecem.

    Os lábios são 200 vezes mais sensíveis do que a ponta dos dedos.

    O pai da psicanálise, Sigmund Freud, achava que a origem do beijo está no modo como os bebês se alimentam. Freud considerava o beijo como a busca do seio da mãe nos lábios dos outros.

    Como confirmação da ideia freudiana, a maioria inclina a cabeça para a direita ao beijar, segundo estudo de 2003 publicado na revista Nature. Especula-se que a assimetria resulte do hábito materno de segurar os bebês do lado esquerdo ao amamentar, o que predomina em 80% da população.

    Um beijo apaixonado pode significar a aplicação de uma pressão de 12 quilos sobre os lábios.

    Uma pessoa troca, em média, 24 mil beijos ao longo de sua vida, passando 20.160 minutos (14 dias) da sua vida beijando.