//Mundo Macho

  • Instagram proíbe hashtag que valoriza mulheres com curvas

    Por: Fran Vergari | Em: Notícias | 22 de julho de 2015

    Mais uma do Instagram. Dessa vez, acusados até de promover a gordofobia, a rede social baniu a hashtag “#curvy” (curvilínea), que era usada por mulheres com curvas, em sua maioria consideradas acima do peso, para demonstrarem orgulho de seus corpos.

    O Instagram alegou que a hashtag era usada para exibir conteúdo sexualmente explícito (o que é proibido por lá), justificando que milhares de fotos pornográficas eram associadas a ela. Um ponto apontado na repercussão do caso na internet foi que hashtags como #skinny e #thin ainda funcionam e que elas, além de também reunirem nudez, exibem perfis que as utilizam para encorajar a anorexia e bulimia. Tanto que, quando você buscar por essas hashtags, aparece uma mensagem alertando que “as imagens podem apresentar conteúdo explícito” e direcionam a um link caso você queira informações ou apoio sobre distúrbios alimentares.

    testosterona_girls15
    O mais estranho é que existem outras várias hashtags com fotos muito “piores” e foram banir logo a que era usada justamente para a valorização e empoderamento da mulherada. Algumas como #toplesstuesdays  e #titsfordays

    Política de restrição
    Não é a primeira vez que o Instagram causa polêmica com sua rígida política de restrição (que muitas vezes não entendemos). Teve o caso da escritora que aparecia deitada na na cama com o pijama sujo de sangue pela menstruação, em março desse ano; a gordinha que postou foto de lingerie e teve a conta deletada em julho de 2014 (devolveram a conta, mas a foto não); a cantora Rihanna postou a foto da capa de uma revista em que ela estava com os mamilos de fora e teve a conta deletada em maio de 2014 (ela só voltou à rede social seis meses depois); váááários casos de topless básicos e até meros pelos pubianos já foram motivo de caos no Instagram (relembre 10 aqui).

    As mulheres reagiram
    Com essa proibição, blogueiras e modelos plus size começaram a se mobilizar e postar fotos de suas curvas usando hashtags alternativas, como #curvee (#curva), #bringcurvyback (#tragacomcurvasdevolta), #everybodyisbeautiful (#todomundoébonito), e outras, para promover a beleza das gordinhas ou de qualquer mulher que se ame com as curvas que tem.

    Aproveitando o episódio, lembramos que o Testosterona valoriza a beleza de todas as mulheres e tanto somos a favor das curvas que criamos uma hashtag para as leitoras participarem e apoiarem a causa. As fotos enviadas pelo Twitter com #QuartaDasCurvas estarão no próximo post de leitoras do Blog!

  • Homem é atacado pela esposa após quebrar promessa de não assistir mais pornô

    Por: Edu | Em: Notícias | 21 de julho de 2015

    Delia-Priem-main
    Uma mulher foi presa por supostamente ter golpeado seu namorado, no momento em que ele quebrava a promessa de parar de assistir pornô online. Ela colocou uma câmera escondida e flagrou o namorado assistindo aos vídeos. O relatório policial informa que ela se sentiu irritada ao saber que ele ainda continuava assistindo a vídeos pornô, mesmo depois de ter prometido parar. Ele tinha jurado que não iria mais ver os filmes, mas a polícia de Pinellas County, Flórida, disse que a atração a mulheres nuas é demais para ele resistir.

    De acordo com os policiais, Priem acordou Anthony com um tapa no rosto em torno de 02:40 e o empurrou, em seguida, começou a atirar coisas ao redor do quarto, Howard não foi atingido por nenhum objeto. Priem foi presa sob a acusação de agressão doméstica contravenção e passou 12 horas em custódia para prestar depoimento.

    Fonte: The Mirror

  • Mulheres inteligentes bebem mais, aponta estudo

    Por: Edu | Em: Notícias | 20 de julho de 2015

    cerveja-mulher
    Universitárias consomem mais bebidas alcoólicas do que mulheres com menor grau de instrução, sugere uma nova pesquisa da London School of Economics, realizada na Grã-Bretanha. De acordo com o estudo, as mulheres cultas também são mais propensas a admitirem problemas envolvendo o abuso do álcool.

    Uma relação semelhante entre o grau de escolaridade e o consumo de bebidas alcoólicas também foi identificada entre os homens, entretanto ela é bem menos influente do que o que ocorre com o público feminino. Os pesquisadores acompanharam milhares de pessoas, de ambos os sexos, nascidos em uma mesma semana de 1970, na Grã-Bretanha. O relatório concluiu que quanto mais culta for uma mulher, maior as chances dela beber semanalmente.

    Os estudos afirmaram, ainda, que quanto maior o grau de instrução escolar, maior a tendência de um profissional do sexo feminino admitir problemas de dependência com relação ao álcool. Os testes foram feitos anos antes dos voluntários chegarem à vida adulta, enquanto ainda estavam na fase escolar. As adolescentes que registraram notas mais altas no colégio, de acordo com a pesquisa, mostraram ter até 2,1 mais chances de beber no dia a dia do que alunas de desempenho inferior.

    mulher-cerveja
    Francesca Borgonovi e Maria Huerta, responsáveis pelo estudo, disseram que há uma série de explicações para a relação entre os estudos e a bebida. Elas afirmaram que as mulheres de maior grau de escolaridade tendem a ter filhos mais tarde, o que posterga a responsabilidade da maternidade. Essas profissionais geralmente cresceram em uma família classe média e testemunharam seus pais beberem ao longo da infância, completaram Borgonovi e Huerta.

    Segundo a pesquisa, mulheres com qualificações educacionais mais elevadas são 71% mais propensas a beber durante a semana do que o público feminino que não tem acesso ao ensino superior ou a carreira acadêmica. O estudo mostra que mulheres cultas têm um estilo de vida diferente, que as expõem ao consumo de álcool. As conclusões da pesquisa realizada pela London School of Economics foi publicada na revista especializada Social Science and Medicine.

    Via: Telegraph