Descubra o que as garotas do Testosterona CAM estão fazendo agora - 24 horas online

O Brasil é um dos maiores celeiros de lutadores do MMA mundial e, apesar dos principais lutadores brasileiros estarem passando da metade dos 30 anos (Anderson Silva já é um quarentão, Vitor Belfort está chegando lá, assim como Jacaré e Werdum), 2016 acabou revelando uma excelente safra de lutadores jovens que você deveria acompanhar, pois eles podem acabar indo longe no evento, alguns até disputando cinturão.

No post de hoje, eu trago alguns desses lutadores, e de lutadores mais experientes que passaram por grandes mudanças em 2016 e que não são tão conhecidos assim pelo público mais leigo, que você deveria acompanhar de perto, sempre que eles estiverem com luta marcada. Confira:

Vicente Luque

Vicente Luque tem apenas 25 anos e fez a estreia dele no UFC em 2015, perdendo para Michael Graves por decisão. Depois disso, o brasileiro emplacou quatro vitórias seguidas, todas com a tranquilidade de um veterano, seja lutado em pé, seja lutando no chão.

Lutando na divisão dos meio médios (até 77kg), o lutador provavelmente vai encontrar várias pedreiras em 2017, afinal essa é a decisão mais difícil do UFC no momento, mas eu acredito que ele vá se sair muito bem, e terminar o ano, no mínimo, no top 15 da categoria.

Warlley Alves

Warlley Alves foi campeão do TUF Brasil 3 (aquele em que o Wanderley Silva e o Chael Sonnen saíram na porrada no meio das gravações) e emplacou 4 vitórias seguidas desde que entrou no UFC, mas 2016 infelizmente não foi lá o melhor ano da carreira do brasileiro, que perdeu 2 verdadeiras batalhas para Bryan Barberena e Kamaru Usman.

Apesar das derrotas e de também competir no peso meio médio (até 77kg), o brasileiro tem tudo para voltar por cima em 2016, já que possui mãos extremamente pesadas e uma guilhotina mortal. É provável que ele luta 2 ou 3 vezes no ano e volte ao caminho das vitórias.

Thomas Almeida

Thomas Almeida tem apenas uma derrota do cartel dele, para Cody Garbrandt que, não por acaso, tornou-se campeão da categoria dos galos (até 61kg) no dia 30 de novembro ao vencer o então campeão Dominick Cruz, e isso basicamente diz o que você precisa saber sobre o paulista.

Thominhas, como é conhecido pelos íntimos, detém um estilo agressivo em pé, e atualmente é tido como aquele cara que um dia vai segurar o cinturão dos galos. Pode ser que isso aconteça em 2017, não é mesmo?

Rafael Dos Anjos

Rafael dos Anjos já é um veterano do UFC e talvez você já tenha ouvido falar dele, afinal de contas, o brasileiro foi campeão dos pesos leves (até 70kg) em 2015, após vencer o tido como imbatível Anthony Pettis.

Depois disso, dos Anjos defendeu o título dele uma vez contra Donald Cerrone, e acabou perdendo o cinturão para Eddie Alvarez. Após mais uma derrota, nas mãos de Tony Fergusson, dos Anjos decidiu subir de categoria, para o peso meio médio (até 77kg) após relatar dificuldades extremas em cortar o peso para lutar pelos leves (ele chegou a desmaiar antes de uma das últimas lutas dele).

2017 marcará um recomeço para Dos Anjos, numa categoria de peso onde ele não luta desde que começou no esporte. Como será que ele vai sair-se nela? Eu estou bem curioso para descobrir.

Junior Cigano dos Santos

Cigano já foi campeão do UFC e lutou pelo cinturão mais duas vezes, então por que ele está aqui? 2016 marcou um recomeço para Cigano. Após perder o cinturão para Cain Velasquez e não conseguir batê-lo na terceira luta, o peso pesado (até 120kg) venceu o então campeão da divisão, Stipe Miocic, mesmo estando com uma lesão no joelho que prejudicou a mobilidade dele na luta.

Por causa dessa lesão, muitos analistas de fora consideraram que os melhores dias de Cigano já tinham passado, afinal ele parecia lento durante a luta e, pela quantidade de porradas que ele absorveu no confronto, não iria demorar muito até o queixo de aço dele ir pro espaço e ele começar a colecionar nocautes.

Após essa luta, Cigano enfrentou Alistair Overeem e acabou sendo nocauteado, meio que confirmando as previsões. Uma cirurgia e recuperação depois, Cigano enfrentou Ben Rothwell, e mostrou uma mobilidade e agilidade que não apresentava há tempos, além de protagonizar um momento THIS IS SPARTA na barriga do peso pesado:

2017 provavelmente marcará mais uma disputa de cinturão pelo brasileiro, ou pelo menos lutas que encaminhem ele na fila dos desafiantes e, depois de algumas lutas nada empolgantes da parte dele, eu estou pronto para ficar ansioso por outra luta do catarinense.