Descubra o que as garotas do Testosterona CAM estão fazendo agora - 24 horas online

Enquanto uns comemoram, outros vivem a frustração de assistir a Copa do Mundo pela TV. Basicamente, as Eliminatórias são assim.

A dois meses do fim do ano, o quadro de participantes para o Mundial da Rússia começa a se consolidar. E como sempre acontece, alguns gigantes resolvem prolongar o sofrimento de seus torcedores. É o caso, neste momento, de Argentina e Holanda, vice e terceiro colocados da Copa de 2014, respectivamente. Sim, amigos, podemos não ver Messi e Robben nos campos russos.

Aproveitando a tensão dos últimos momentos de Eliminatórias pelo mundo, escalamos uma seleção só com atletas que neste momento tirariam férias entre 14 de junho e 15 de julho.

Diz pra gente o que achou desse time! Daria trabalho na Copa?

Goleiro – Oblak (Eslovênia)
Depois de fechar o gol do Benfica, Oblak foi contratado pelo Atlético de Madri em 2014 e fez a torcida colchonera rapidamente esquecer de Courtois. Uma pena que sua Eslovênia tenha ido tão mal no qualificatório.

Oblak (Reuters)

Lateral direito – Hysaj (Albânia)
Titular do Napoli, Hysaj apareceu definitivamente para o mundo em 2016, quando debutou junto com a sua Albânia em uma fase final da Eurocopa.

Zagueiro – Matip (Camarões)
Zagueiro seguro e ótimo no jogo aéreo, Matip fez boa carreira no Schalke antes de se transferir para o Liverpool a pedido do técnico Jürgen Klopp. Não poderá disputar sua terceira Copa consecutiva graças à péssima campanha de Camarões na Eliminatória africana.

Zagueiro – Otamendi (Argentina)
Apelidado de “Otamito” pela torcida do Atlético-MG durante sua curta passagem pelo clube alvinegro, Otamendi é hoje um dos intocáveis de Guardiola no Manchester City.

Lateral esquerdo – Alaba (Áustria)
A boa geração austríaca não foi suficiente para beliscar uma vaga no Grupo D. Um dos artífices desse time é Alaba, que no Bayern joga de zagueiro e lateral esquerdo e na seleção atua como meia avançado. Técnico e competente na bola parada, Alaba é o maior talento que a Áustria viu nascer nesta década.

Meia – Sahin (Turquia)
A Turquia até chegou perto de uma vaga na repescagem, mas acabou ficando pelo caminho. Sendo assim, não teremos os passes verticais e a ótima visão de jogo de Sahin.

Meia – Mkhitaryan (Armênia)
Mkhitaryan é um ponto totalmente fora da curva na seleção armênia. Seus companheiros parecem estar sempre um tom fora do ritmo em relação ao seu camisa 18.

Mkhitaryan (AFP)

Meia – Jovetic (Montenegro)
Se Montenegro chegou até a última rodada do classificatório europeu em condições de brigar por uma vaga na repescagem, deve isso a Jovetic. O meia carrega a novata seleção montenegrina nas costas há pelo menos quatro anos.

Meia – Robben (Holanda)
Holanda fora da Copa é sempre motivo de tristeza para quem gosta de bom futebol e aprecia o estilo holandês de tratar a bola. Essa certamente é a última chance de ver o craque Robben em um Mundial.

Atacante – Aboubakar (Camarões)
Vice-artilheiro do Campeonato Português, Aboubakar é o maior talento ofensivo de Camarões. Forte e com grande poder de conclusão, não terá a chance de emplacar sua segunda Copa.

Atacante – Messi (Argentina)
Um dos dez maiores de todos os tempos do futebol pode muito bem ficar de fora da Copa do ano que vem. E isso com uma seleção que esbanja talento do meio pra frente. Azar da Copa em não ter Messi, que já deu sinais de desgaste na seleção argentina e não deve ter fôlego para chegar bem no Catar, em 2022. Que pena…

Messi (Reuters)