Descubra o que as garotas do Testosterona CAM estão fazendo agora - 24 horas online

Já se passaram mais de seis meses do melhor jogo da história dos esportes. Caso você não tenha ciência do que aconteceu em Houston no dia 5 de fevereiro de 2017, um breve resumo: um time, favorito, teve um primeiro tempo desastroso e no começo da metade final estava perdendo um jogo de futebol americano por 28 a 3, o equivalente a um 4 a 1 aos 10 do segundo tempo no nosso futebol.

Mas eis que o Pelé do esporte começou a doutrinar, o que era azarão antes de começar o jogo e estava com 99,7% de chance de ganhar o jogo no momento do 28 a 3 – o número é científico, não um exagero idiota meu – acabou peidando na farinha, levando o empate e perdendo na única prorrogação da história dos 51 Super Bowls.

Pronto, meu argumento foi justo ou você ainda quer bater em mim?

Muito bem, seis meses se passaram e ainda falta mais um chorinho até o kickoff inicial da temporada 2017 da NFL, que acontecerá no dia 7 de setembro. Lá estarão o New England Patriots, autor do milagre relatado acima, e o bom Kansas City Chiefs. O fim da temporada será no dia 4 de fevereiro, no US Bank Stadium, casa do Minnesota Vikings, no Super Bowl LII.

Quem vai estar lá? Vamos discorrer sobre isso nesta ajuda que te dou para entrar na temporada sabendo tudo.

PS logo no início: o Quinto Quarto, também conhecido como meu site, está fazendo as prévias das 32 equipes, lançando uma a cada dia. Você pode conferir todas as que entraram e acompanhar as que ainda vão entrar. Cada time que eu citar aqui terá um hiperlink para sua prévia.

Você precisa de um quarterback

O futebol americano é um esporte coletivo e cada posição tem sua importância no tabuleiro, com sua determinada técnica, detalhes e condicionamento físico. Tudo muito bonito. Mas a NFL é dos quarterbacks, já que cada vez mais os times investem em ataques aéreos e passam a bola, ao invés de correr com ela. Isso está causando uma série de mudanças no jogo, assim como a predominância de bolas de três está mudando o basquete.

Uma publicação compartilhada por NFL (@nfl) em

E isso fica claro nos últimos Super Bowls. O último teve o MVP (Jogador mais Valioso) da temporada 2016 – Matt Ryan – contra o maior da história na posição: Tom Brady. O penúltimo teve o MVP da temporada 2015 – Cam Newton – contra um dos maiores da história da posição: Peyton Manning. E em 2015? Tom Brady de novo contra o melhor quarterback draftado nesta década: Russell Wilson.

Você pode ter uma defesa sensacional, como o Denver Broncos tinha na conquista do Super Bowl 50, mas uma hora você vai precisar daquele passe magistral de seu QB. Manning, na última gota de seu tanque de gasolina, entregou isso, especialmente na final da AFC contra os Patriots. Até Joe Flacco, mediano na liga, só ganhou seu título pelo Baltimore Ravens em 2012 porque simplesmente incorporou alguma entidade miraculosa, que o fez ter 11 TDs e nenhuma interceptação nos playoffs.

Ou seja, sem QB, sem título nessa NFL moderna. Patriots, Pittsburgh Steelers, Seattle Seahawks e Green Bay Packers são favoritos em Las Vegas para chegar no Super Bowl muito por causa de seus quarterbacks. É claro que há outros fatores importantes, como:

  • Defesa, que o New Orleans Saints do magistral Drew Brees não tem.
  • Linha ofensiva de qualidade, que Seattle não tem,
  • Alguma dose de sorte, que o Dallas Cowboys dos últimos anos não tem

Mas ter um líder de ataque muito acima da média é o principal fator.

Oakland que não será Oakland mas ainda é Oakland

A NFL terá um time em Las Vegas, em um estádio de 2 bilhões de dólares que você pode até ter lido sobre no site do Globo Esporte. Só que o estádio está longe de estar pronto e os Raiders vão continuar na cidade de Oakland, na Califórnia, pelo menos até 2019.

Ou seja, é como você estar casado, dizer para sua esposa que você achou outra mulher, mas que por dois anos ainda quer ficar em casa e dormir na cama de casal, mesmo não existindo a mínima chance de você ficar após os dois anos acabarem.

Outro problema: a torcida de Oakland é historicamente fanática e meio louca, a que mais se aproxima da paixão cega dos sul-americanos por futebol.

E o pior do pior do pior: os anos 2000 para Oakland foram tenebrosos e a torcida ficou junto com o time. Mas nos últimos dois anos, uma série de boas escolhas no Draft e boas contratações fizeram o time virar uma máquina, com Derek Carr de QB, Amari Cooper (foto abaixo) e Khalil Mack jantando os adversários na defesa. E ambos são novos. Ou seja, quando o time fica finalmente bom, o dono deu AQUELE ABRAÇO. Os Raiders ainda não jogaram oficialmente desde o anúncio da saída, portanto isso é algo muito interessante de ver: a reação da mulher traída que ainda precisa lidar com o marido de cueca na casa.

Uma publicação compartilhada por NFL (@nfl) em

Os Cowboys são uma confusão

Os Cowboys foram a surpresa da temporada passada. O time texano perdeu seu quarterback de longa data, Tony Romo, querido pelos companheiros e com uma relação de amor e ódio até injusta, já que todo peso das derrotas caia no seu colo mesmo quando não era sua culpa.

Pois bem, na temporada anterior, quando Romo se machucou, uma série de quarterbacks entraram, foram tenebrosos e os Cowboys naufragaram. Quem esperava um 2.0 em 2016 disso viu Dak Prescott, um calouro escolhido na quarta rodada, sair do nada e liderar o time a 13 vitórias. Ajudou também que outro calouro, esse sim que todos esperavam que fosse o cara, chamado Ezekiel Elliott, se tornasse um dos melhores running backs da NFL logo de cara.

Muito bem, repeteco em 2017? Calma lá: Elliott foi suspenso por seis jogos por causa de uma violação do código de conduta da liga por uma suposta agressão a uma ex-namorada. Só que o jogador já entrou com apelação e o caso está em aberto.

Além desse problema, o time perdeu dois jogadores de sua linha ofensiva brilhante e basicamente toda a secundária na defesa, além de ter dois jogadores de linha defensiva suspensos por violação do código de substâncias da liga. Uma confusão só que pode fazer o time cair de rendimento.

Não vou ficar em cima do muro

Na Conferência Americana os Patriots são os favoritos para vencer novamente. Tom Brady não envelhece, o ataque tem tudo para ser sensacional e a defesa segura as pontas. O time ainda reforçou seu elenco de forma pontual e terá a volta de Rob Gronkowski, melhor tight end da liga mas que já está com alta quilometragem pelas idas ao hospital. Mesmo assim, saindo da linha no snap, nenhum jogador de sua posição sabe o que fazer tão bem como Gronk.

Steelers pelo seu ataque que promete ser espetacular, Raiders apesar da bagunça em Oakland e os Texans correndo por fora, com a volta do super-herói J.J. Watt, disputam a AFC.

Uma publicação compartilhada por NFL (@nfl) em

Já na NFC, os Cowboys tem Dak e uma linha ofensiva ainda brutal, mas todos esses desfalques e distrações pode acabar com as chances do time. Os Packers tem em Aaron Rodgers um milagreiro, mas faltam peças, especialmente na defesa.

A dúvida dos Falcons é se o time conseguirá se recuperar de uma derrota traumática, porque o ataque é algo de outro mundo. Os Seahawks têm a defesa top 3 da NFL e um excelente quarterback, mas eu, você, duas Testosterona Girls e um youtuber na linha ofensiva faríamos melhor que os que estão lá.

Os Giants também tem uma defesa destacável e um dos melhores recebedores da liga em Odell Beckham Jr., mas a linha e também Eli Manning, capaz de ser bestial ou uma besta são pontos de interrogação. Panthers, Buccaneers, Saints, Cardinals, Eagles… todos eles tem pontos positivos, mas também grandes pontos negativos, fazendo da Conferência Nacional algo completamente em aberto, sem um favorito inegável como os Pats na AFC.

Essa é a NFL: são 16 jogos em 17 semanas e mais um mês de janeiro no frio de rachar, com um mata-mata que é só “mata”. Caso você tenha certezas sobre o assunto, vai para Las Vegas e testa sua sorte porque você vai ganhar um belo dinheiro.

Leia também