Descubra o que as garotas do Testosterona CAM estão fazendo agora - 24 horas online

O enredo é bem batido, mas “Paixão Obsessiva“, que estreou dia 20 de abril nos cinemas, mostra de forma caricata uma realidade comum e cruel. Todo mundo já teve um ex-namorado ou uma ex-namorada louca na vida. No filme, Katherine Heigl (“Vestida para Casar”, “Ligeiramente Grávidos”) interpreta Tessa, uma mulher que tem dificuldades em aceitar que seu ex-marido irá se casar com Julia (Rosario Dawson) e faz de tudo para evitar que isso aconteça, começando a ter atitudes agressivas e possessivas, até mesmo com sua filha.

O filme, em si, acaba até arrancando umas risadas. É um suspense dramático bem trash, digamos. Mas chega a deixar preocupado quem está passando por alguma situação semelhante e com a pulga atrás da orelha.

Mulher-pesadelo

A diretora Denise Di Novi (“Amor a Toda Prova”, “Golpe Duplo”) explica o comportamento da personagem: “Perder o marido foi a pior coisa que já aconteceu à Tessa. Então, quando vê que o David realmente ama a Julia, que também está conquistando sua filha, ela surta. Embora ela passe de todos os limites, era importante para mim que você entendesse porque ela age de forma irracional. Quando ela vê a Julia com seu ex-marido e sua filha, como uma família unida e feliz, você pode imaginar seu sofrimento”.

A escritora e educadora sexual Aline Castelo Branco alerta que ciúme não é brincadeira, nem “prova de amor”, e pode levar a consequências mais graves: “Por mais que o ciúmes seja um ponto de discussão no relacionamento, precisamos lembrar que que existem níveis diferentes de ciúmes, que vão desde aquele mais saudável até o patológico. O patológico é caracterizado pela pessoa que passa o dia imaginando que o parceiro está traindo, que passa a seguir, cheirar roupa, olhar o celular. É um ciúmes tão doentio que pode vir com sentimento de querer controlar a vida do outro. Desde a roupa que veste até o que come”.

Dicas para controlar o ciúme no relacionamento

Não é uma situação fácil e nem se resolve da noite para o dia. O tratamento mais comum, segundo Aline, é a terapia: “É necessário trabalhar o psicológico dessa pessoa que tem o comportamento doentio, mas primeiro ela precisa querer mudar. Nenhuma mudança acontece de verdade, se não tiver isso claro na sua mente”. Aline ainda deixou algumas dicas pra você se controlar, se for o seu caso:

– Pratique a arte do desapego e seja responsável pela sua felicidade

– Quanto mais possessiva for, maior a chance do outro querer se ver livre de você

– Ciúmes não é prova de amor. A maior prova genuína do amor é dar liberdade para o outro ir e vir quando quiser.

“Lembre-se: o que o outro faz quando não está com você, não lhe interessa!”, finaliza.

 

Assista ao trailer: