Os fãs da franquia Metal Gear dificilmente vão se contentar com outros personagens agora que a série chegou ao fim, com The Phantom Pain. Ainda assim, quem gosta de games de espionagem ou stealth tem mais uma variedade enorme de opções disponíveis por aí, por mais que nenhuma delas seja igual aos jogos com Snake e suas muitas variantes. Para a coluna desta semana, selecionei aqui cinco das melhores – mas ficamos abertos a sugestões nos comentários, caso você tenha alguma. Confira a seguir:

Hitman: Absolution

Lançado em 2012, Absolution é provavelmente o último game sério, com alguma história, da franquia do Agente 47. No papel do careca assassino, sua missão é desvendar toda uma conspiração em torno do próprio personagem e da filha de uma velha amiga. As missões quase sempre giram em torno de eliminar algum alvo (ou alguns deles) da forma mais discreta e criativa possível, em telas bem “vivas” e repletas de possibilidades. Uma das primeiras fases se passa em Chinatown, e é possível matar cada um dos “chefões” de pelo menos três formas diferentes – com um rifle de sniper, com veneno ou atacando fantasiado, por exemplo. O game tem versões para PS3, Xbox 360, PC e Mac e, ao menos nesses últimos dois casos, dá para encontrá-lo em promoções no Steam frequentemente.

Tom Clancy’s Splinter Cell: Blacklist

A série de espionagem Splinter Cell já tem sete games no portfólio, e Blacklist é apenas o último deles. O protagonista é Sam Fisher, o agora comandante da Fourth Echelon, uma divisão de espionagem norte-americana formada após o fim da Third Echelon dos jogos anteriores. Sua missão é neutralizar uma célula terrorista que ameaça realizar ataques em pontos específicos do mundo – e tudo antes de uma contagem regressiva terminar. O “neutralizar” ali foi usado de propósito, porque no jogo você não precisa exatamente matar os inimigos – a ideia é que você opte por eliminá-los ou por simplesmente “desmaiá-los”. E tudo sempre na surdina e com os equipamentos adequados, como é padrão nos jogos da série. Blacklist saiu em 2013 e ter versões para Windows, PS3, Xbox 360 e Wii U. Se quiser jogar os anteriores, ainda dá para encontrar alguns deles no Steam por preços camaradas.

Dishonored

Também envolvendo um assassino e uma conspiração, a história de Dishonored se passa em um mundo steampunk, com elementos futuristas inseridos em um cenário que lembra a Inglaterra vitoriana. Seu personagem é Corvo, um guarda-costas real que foi acusado de assassinar a imperatriz. Já os vilões, que tramaram contra o protagonista são os líderes de um regime opressor, que usa uma doença que atinge a cidade de Dunwall como desculpa para “gerenciar” a população como bem entende. O objetivo do jogo, portanto, é tirar os ditadores do poder, usando para isso as habilidades sobrenaturais de Corvo, que vão de teletransporte a controle da mente. Os inimigos incluem soldados comuns e unidades enormes, que exigem estratégias mirabolantes envolvendo discrição e golpes letais para serem derrubadas. O jogo é outro que saiu em 2012, com versões para PS3 e PS4, Xbox 360 e One e PCs.

Mark of the Ninja

Obra-prima do side-scrolling – aqueles jogos 2D de visão lateral –, Mark of the Ninja é outro fruto de 2012, que aparentemente foi um belo ano para games de stealth. O nome do jogo já revela quem você controla: um ninja sem nome, com direito a roupas pretas e máscara que deixa apenas os olhos descobertos. Seus inimigos são, ao menos no início, parte de um uma empresa militar privada, que ataca a base do clã de ninjas logo no começo do jogo. A trama toda tem algumas reviravoltas, e para avançar você terá que eliminar uma porrada de inimigos das formas mais criativas possíveis. Destrua as lâmpadas para se esconder na escuridão, ative um alarme para distrair os alvos e espere até que algum dê bobeira para sumir com o corpo. Ou simplesmente tente matá-los rápido o suficiente para não ser notado. O personagem ainda pode liberar alguns poderes extras conforme avança na história, usando para isso a honra acumulada em cada fase. O jogo saiu para Xbox 360, PC, Mac e Linux, não custa muito e rende bastante – gastei umas boas oito horas para fechar a história.

The Chronicles of Riddick: Escape From Butcher Bay

Sabe aquele filme A Batalha de Riddick, com o Vin Diesel? Pois é, ele rendeu uma adaptação para os videogames em 2004, que incrivelmente saiu muito boa. Em Escape From Butcher Bay, você controla Riddick, que no jogo também é interpretado por Diesel, em seu plano para fugir da perigosa prisão espacial Butcher Bay. O game em primeira pessoa é repleto de partes em que a discrição é necessária, mas também é permeado de cenas de ação que exigem um pouco mais agilidade do que de stealth. Escape From Butcher Bay é um pouco mais velho do que os outros da lista: saiu em 2004 para PC e para o primeiro Xbox. No entanto, um remake foi lançado em 2009 junto com a sequência, The Chronicles of Riddick: Assault on Dark Athena – que também é muito bom e tem versões para PC, Mac, Xbox 360 e PS3.

2.129