Se em julho temos em Dia dos Namorados, agosto – um dos meses mais longos do ano, segundo a sabedoria popular – traz o Dia dos Solteiros. Em 2015, a data foi convenientemente celebrada no último sábado, dia 15. E aproveitando a deixa e o tema, selecionei aqui cinco games ótimos para jogar quando você está sozinho e numa boa no sofá de casa, com bastante tempo para aproveitar e mergulhar de cabeça. Veja aí:

footballmanager
1 – Football Manager

FIFA e Pro Evolution Soccer têm lá seu valor no modo singleplayer, mas é Football Manager o que brilha mais no aspecto imersão – tanto que clubes já até contrataram gente só pelo que faziam no game. O jogo é bastante popular, e é até besteira explicar, mas vamos lá: a ideia dele é tornar você técnico faz-tudo de um time de futebol, o tal “manager” que o pofexô Luxemburgo diz ser. Você precisa não só contratar jogadores confiando no seu próprio tato, mas também recrutar uma comissão técnica e ficar esperto para os talentos que os olheiros sugerem. Alguns deles têm potencial para superar Messi, Cristiano Ronaldo ou Paulo Henrique Ganso – e custam menos de um décimo do preço de cada um deles. Com isso, é partir para a disputa do campeonato, fazer boas campanhas (ou não) e trocar de clube vez ou outra. Football Manager 2015 está à venda no Steam por 70 dinheiros, e a edição 2016 deve sair em breve. Versões para Android e iOS, ambas pagas, também estão disponíveis. Alternativas mais baratas incluem os velhos Championship Manager, Elifoot e Brasfoot.

supermariogalaxy
2 – Super Mario Galaxy

O clássico absoluto do Wii já tem alguns anos, mas praticamente não envelheceu. Seu maior “charme” é a temática espacial: fugindo dos jogos “padrões” do personagem bigodudo, Galaxy coloca o encanador Mario para viajar por algumas galáxias, como o próprio nome do game sugere. Você visitará planetas grandes e pequenos, com diversas formas diferentes, e precisará se acostumar a controlar o protagonista de cabeça pra baixo vez ou outra. Tudo embalado por uma trilha sonora orquestrada que por si só é uma obra de arte. O jogo saiu para o Wii em 2007, e sua sequência, lançada originalmente em 2010, é tão boa quanto e chegou também à loja virtual Wii U mais recentemente.

elderscrollsskyrim
3 – The Elder Scrolls V: Skyrim

A sugestão aqui vale para quase qualquer outro RPG, na verdade. Mas fiquemos com Skyrim, que saiu em 2011 e pode ser encontrado por 40 reais (e às vezes até por menos) no Steam e em promoções para os velhos Xbox 360 e PS3. Com um mapa gigantesco e algumas centenas de missões, o jogo coloca você no papel do Dovahkiin, uma espécie de “escolhido” que é capaz de usar os poderes dos dragões – que são alguns de seus principais inimigos na história. Como um guerreiro (ou arqueiro, ou mago) solitário, você enfrentará dragões mais fracos, dragões mais fortes, dragões ressuscitados e até mais de um dragão por vez caso você dê azar como eu e outros jogadores. Conforme você avança, os monstros começam a surgir quase sempre do nada e a destruir tudo ao redor. E como se os répteis voadores cuspidores de fogo (ou gelo) não fossem suficientes, as lutas também poderão ser contra mortos-vivos, trolls, humanos e gigantes (embora brigar com esses aqui esteja longe de ser recomendável). Se estiver procurando uma alternativa mais moderna, o também excelente e ainda mais gigantesco The Witcher 3 está aí desde maio, com versões para PC, PS4 e Xbox One. Ambos devem render pelo menos umas 100 horas de jogo, chutando baixo.

fez
4 – Fez

À primeira vista, Fez não parece um jogo dos mais extensos. O game de aventura com visão lateral é colorido e tem uma arte bem peculiar, é verdade, mas começa “sem sal”, com seu personagem preso a um mundo bidimensional. Mas basta avançar um pouco para liberar um comando que permite girar o mapa completamente, o que abre toda uma dimensão a ser explorada. Com o poder de ver o mundo tridimensionalmente, novas portas aparecem, e fica fácil se perder pelo extenso universo do jogo. E justamente por isso você não vai querer ser interrompido na busca pelos pedaços do hexaedro que controla o espaço-tempo. Fez está disponível no Steam por 17 reais e não exige um PC muito potente para rodar. Na verdade, quase qualquer notebook lançado de 2010 para cá deve rodá-lo.

thewalkingdead
5 – The Walking Dead

Só para deixar claro: não estou falando daquele jogo de tiro horrível. O Walking Dead aqui é adventure “aponte e clique” da Telltale, dividido em duas temporadas de cinco episódios cada, todos já lançados. A história tem com personagens centrais o “quase-preso” Lee e a pequena Clementine, que ele encontra acuada na própria casa. Os dois se unem a um grupo de outros sobreviventes do apocalipse zumbi, e na primeira temporada inclusive conhecem o velho Hershell, que também aparece na série. A ideia do jogo é deixar as escolhas em suas mãos, e por vezes cabe a você escolher quem fica vivo e quem morre. Nos primeiros cinco episódios, esse conceito é mais para iludir você, e o final pouco será afetado. Já nos cinco seguintes, é você quem define o desfecho – mesmo. A terceira sequência de capítulos deve sair no ano que vem. Caso você já tenha zerado as duas anteriores, vale checar o The Wolf Among Us, o jogo do Game of Thrones, o Tales From The Borderlands e o Life is Strange. Os três primeiros são da mesma Telltale do TWD, e os três últimos ainda estão com temporadas rolando.

gustavo

1.137