O consumo de conteúdos pornográficos na internet é um dos maiores responsáveis pela altíssima quantidade de dados que são trocados entre servidores e usuários todos os dias. Sites de downloads, páginas especializadas em fotografias ou vídeos adultos, redes sociais e canais de streaming fazem essa engrenagem girar a todo instante.

Você fazia ideia de que uma única empresa é responsável pelos maiores sites especializados nesse tema? É verdade… Uma única companhia detém os direitos e acumula o tráfego das páginas mais acessadas do mundo pornográfico. Afinal de contas, quem é essa empresa e o que ela representa para a indústria da internet e da produção adulta?

O nome “MindGeek” não remete a nada que seja pornográfico. O site da empresa também não — pois apenas fala sobre o poder dos sites que são gerenciados e sobre a quantidade de impressões que os anúncios veiculados neles representam. Apesar disso, é sabido que a holding é dona de alguns dos maiores sites de streaming de pornografia do mundo, incluindo YouPorn, Pornhub, Tube8, XTube, RedTube, ExtremeTube e SpankWire.

mindgeek

De acordo com a página do MindGeek, isso representa mais de 100 milhões de visitantes todos os dias. Especialistas em tráfego de dados online afirmam conteúdos pornográficos representam 35% das transmissões do mundo — sendo que quase 30 mil usuários estão acessando conteúdo desse tipo a cada segundo. Somando o alto tráfego e a influência da MindGeek, é possível inferir que há muito dinheiro envolvido.

Você já viu que a MindGeek cuida dos maiores sites. Também já soube que ela é responsável por grande parte do tráfego de dados da internet mundial. Logo, você pode imaginar que os anúncios veiculados nos sites da empresa fazem com que muito dinheiro de publicidade vá para a conta da MindGeek. E sabe para onde foi parte dos recursos obtidos nisso tudo? Para a aquisição de produtoras.

Segundo o TorrentFreak, a MindGeek investiu pesado na compra de produtoras de conteúdo digital. Isso inclui Brazzers, Digital Playground, Mofos, MyDirtyHobby e Twistys, que também são algumas das maiores fornecedoras de conteúdo para os sites controlados pela mesma empresa.

Atores e atrizes que participam de vídeos criados para o mercado online recebem também pelo alcance de seus trabalhos. O problema é que os materiais pirateados não contam para esse pagamento. Mas como denunciar uma empresa por pirataria (na não retirada de vídeos do ar) se é o dinheiro conseguido a partir da pirataria que permite que os salários sejam pagos (ainda que menores do que o devido)?

Ainda de acordo com o TorrentFreak, há muitas atrizes que evitam falar sobre o assunto. Uma fonte não identificada revelou ao site: “Alguns me chamam de hipócrita por trabalhar para a MindGeek, mas, como atriz, boicotar essas companhias não vai tirar nenhum tempo, dinheiro ou nada deles. Se eu disser ‘não’, ainda existem centenas de outras loiras que aceitarão o trabalho”.

Com isso, a MindGeek continua fazendo mais e mais dinheiro. A empresa vende conteúdos Premium para um público, entrega pirataria para outro e recebe ainda mais pelos anúncios veiculados nesse mercado. Com cada vez mais poder econômico, o monopólio que a companhia possui sobre transmissão, produção e controle do mercado pornográfico só aumenta.

Fonte: TechMundo