sunnyleone

Não, amigos, elas não se sentem mal por trocar sexo por dinheiro. Pelo contrário, se sentem melhor e mais confiantes do que a maioria das mulheres. Duvida? É só dar uma olhada nessa pesquisa realizada por universidades americanas e pela Fundação de Assistência Médica à Indústria Adulta.

Os pesquisadores compararam 177 atrizes de filmes adultos a outras mulheres de fora da indústria pornô, que tinham a mesma idade (de 18 a 50 anos), status de relacionamento e pertenciam às mesmas etnias. Eles as entrevistaram para pegar informações sobre comportamento sexual, autoestima, qualidade de vida e uso de drogas. As atrizes voluntárias trabalharam, em média, três anos e meio com pornografia.

E elas parecem ter uma vida mais feliz do que as “mulheres comuns”. Segundo a pesquisa, as atrizes pornôs têm melhor autoestima, gostam muito mais do próprio corpo do que outras mulheres, níveis mais altos de espiritualidade, maior satisfação sexual e melhor qualidade de vida (dormem melhor e têm mais energia).

Como sexo é profissão, não faz sentido ser careta na cama. E é por isso que elas entram na vida sexual um pouco antes, em média com 15 anos, enquanto as outras mulheres perdem avirgindade aos 17. Se essa diferença não é assim tão gritante, o número de parceiros ao longo da vida chama muito mais atenção: as atrizes transam, em média, com 74 homens (e preferem que eles tenham uma experiência mínima de 21 mulheres), enquanto as outras moças, têm só 5 homens na vida (e esperam que tenham tido pelo menos 3 mulheres). E elas se divertem mais com sexo: 69% das atrizes dizem gostar muito da vida sexual e só 32,8% das mulheres comuns dizem o mesmo.

Fonte: Super Interessante