• Ashley Madison prova que infidelidade dá diinheiro e vai para a Bolsa

    Por: Edu | Em: Notícias | 01 de julho de 2015

    ashley-madison
    O Ashley Madison, o maior site de relacionamentos extraconjugais do mundo, está pensando em abrir seu capital para conseguir levantar o equivalente a cerca de R$ 440 milhões para explorar a crescente demanda por seus serviços. Mesmo com 50% do seu tráfego proveniente dos Estados Unidos, a empresa por trás do site cujo lema é “a vida é curta; tenha um caso” pretende realizar sua oferta pública inicial (IPO) em Londres, uma vez que outros países possuem “padrões morais mais elevados”.

    “A Europa é a única região onde temos chances reais de fazer um IPO [devido à sua atitude mais liberal em relação ao adultério]”, explicou Christoph Kraemer, chefe de relações internacionais do Ashley Madison. “Nós não somos mais um nicho, mas tem sido difícil encontrar apoio para abrir nosso capital na América do Norte”.  O site de infidelidade teve uma receita de US$ 115 milhões no ano passado, sendo a maior parte desse capital proveniente de cobranças aos usuários do sexo masculino, que, em seguida, usam os créditos obtidos para conversar com mulheres. Atualmente, a empresa estima valer em torno de US$ 1 bilhão.

    Essa é a segunda vez que o site tenta ser listado na Bolsa de Valores. Em 2010, a empresa lançou um IPO em Toronto, no Canadá, mas a tentativa foi frustrada devido à falta de investidores. Essa falha não é muito surpreendente, considerando o histórico de reações dos investidores dos Estados Unidos e Canadá em relação às ações de empresas ligadas a atos considerados imorais, tais como adultério, pornografia ou obscenidade.

    Um dos casos mais famosos é o do site de namoro online FriendFinder Networks, que foi renomeado a partir do Penthouse Media Group. Em 2010, o IPO do FriendFinder foi classificado como um dos maiores fracassos da história da tecnologia. Na ocasião, a empresa esperava arrecadar US$ 220 milhões, mas seu IPO acabou sendo arquivado e ela faliu em 2013.

    Se depender dos executivos do Ashley Madison, o destino do seu site será bem diferente. “Neste momento, o nosso foco é fazer o nosso dever de casa em Londres. É a nossa prioridade e a nossa segunda tentativa de IPO tem que dar certo. Nós não queremos repetir o que aconteceu na primeira vez”.

    O Ashley Madison afirma ser o segundo maior site de encontros do mundo, atrás apenas do Match.com. Atualmente, ele conta com 36 milhões de membros em 46 países ao redor do mundo. No Brasil, o Ashley Madison possui mais de 2 milhões de usuários inscritos.

  • Oposto do Tinder, aplicativo para celular ajuda o usuário a terminar o namoro

    Por: Edu | Em: Notícias | 01 de julho de 2015

    binder
    O aplicativo Tinder pode ter revolucionado um pouco a forma como as pessoas se conhecem na internet, mas um novo app acaba de chegar ao mercado inglês para fazer exatamente o contrário de seu precursor: romper o relacionamento. Binder, um trocadilho que mistura Tinder com bin, que em inglês significa lata de lixo, promete tirar a pressão de se terminar uma relação.

    Desenvolvido primeiramente para sem coração, o programa funciona assim: primeiro é preciso cadastrar o sexo, nome e telefone da pessoa com quem o usuário está se relacionando. Quando ele quiser terminar tudo, é só deslizar para a direita e escolher o motivo em uma lista brutal com coisas como “nosso namoro é tão deformado quanto a sua barba” ou “não sou eu, é definitivamente você o problema”.

    binder2

    Já o que está levando o pé pode receber a notícia por mensagem de texto ou telefonema que toca uma das mensagens de voz pré-gravadas pelo Binder, que são tão malvadas que chegam a ser engraçadas. Em uma das mais ‘pesadas’, ele chega a cantar uma paródia da música Radio Gaga, do Queen, em que a letra fala: “Seu namorado não te ama mais, ele odeia a sua cara, ele acha você uma chata. Ele chega a ficar enjoado só de ver você por perto”. Tudo isso com um sotaque escocês bem carregado, já que o aplicativo foi inventado por uma marca de cerveja da Escócia.

  • Tributo a Breaking Bad recriado no GTV V

    Por: Edu | Em: Vídeos | 30 de junho de 2015

    breaking-bad
    Certamente Breaking Bad é uma das séries que deixou mais saudade, e ainda rende alguns tributos legais e engraçados feitos por parte de seus fãs. Um maluco que também gosta muito GTA, e obviamente da série do nosso amigo Walter White, recriou as melhores cenas da série no ambiente do jogo. Tudo isso foi possível graças ao editor disponibilizado pela RockStar, que já tem permitido a criação de diversos filmes, mods e variações do GTA V, que certamente trarão uma longevidade imensa ao game. Confira o Grand Theft Heisenberg:

    Vi no Byte que eu gosto

  • O complexo dos pares ou o “eu nunca ganho no poker com JJ”

    Por: Edu | Em: Mundo Macho | 30 de junho de 2015

    jacks
    Existe um lance curioso quando começamos a entender um pouco melhor o poker. E isso é fruto de nossa fértil imaginação. Deve ter alguma mão específica que você diz que é impossível vencer, seja ela o famigerado par de J ou KK, QQ, AK, AJ, KQ… a lista de possíveis mãos vai longe. Ainda assim, você não faz o óbvio que seria dar fold com essa mão. Sabe por que? Porque no fundo você sabe que essa sua “mão de azar” pode vencer. E é hora de tirar esse mito da sua cabeça.

    O cérebro humano trabalha oscilando entre dor e prazer. O comportamento que gera prazer tende a ser repetido e o que gera a dor tende a ser evitado. É a forma como o ser humano funciona e não tem absolutamente nada de errado nisso. O problema é que a memória da dor é muito mais viva em nosso cérebro do que do prazer. Quando perdemos com uma determinada mão a dor é muito mais intensa do que o prazer que sentimos ao vencer com elas. E não sou eu dizendo isso, hein? Psicólogos descobriram depois de pesquisas que o cérebro humano tende a sentir duas vezes mais a dor de perder do que o prazer de vencer. Essa sensação faz a gente sentir um pouco de receio ao receber aquela mão “amaldiçoada”.

    Quando um AA enfrenta 5 mãos aleatórias ele tem 49% de chance de vencer. Isso faz dessa mão algo ruim? Claro que não! Se você enfrentar essa situação 100 vezes no poker você vence quase metade delas. E você faz isso colocando apenas 1/6 do dinheiro do pote. Pense num pote com $300 onde você coloca apenas $100. Não é algo que você pode desperdiçar no poker, sob nenhuma hipótese. Como você não pode escolher somente as mãos que você vence para enfrentar, vai acabar perdendo algumas vezes com essa mão também.

    Considerando a 10 melhores mãos do poker nesse momento, temos que pensar de uma única forma: jogar com cada uma dessas mãos da melhor maneira possível, tentando construir potes rentáveis. Ao perceber que pode estar batido, cautela total e desprendimento são a solução. Você não precisa morrer com seu JJ em apenas uma mão, pode considerar fugir e viver para aproveitar a próxima situação favorável. Não dá pra perder ótimas oportunidades mas não dá para afundar junto com o navio também. Foco total!

    Lembra a última vez que você perdeu com aquela mão que você odeia? Esqueça dessa última vez. ESQUEÇA! Não existe uma mão premium entre essas 10 melhores possíveis que se enquadre no ponto de fazer com que você perca sempre. Esqueça desse pensamento pois ele está te afastando das fichas que você poderia ganhar e isso é ruim. Quebre esse pensamento agora mesmo e volte a jogar cada mão da forma que ela merece, com responsabilidade e atenção total aos detalhes. Você voltará a vencer com essas mãos dessa forma.

    Ok, eu sei que vai ser difícil conseguir, ser desprendido no poker é complicado e leva algum tempo. Mas quando conseguirem, podem voltar aqui para me agradecer. E nos vemos na semana que vem!

  • Vídeo mostra a reação de homens ao descobrirem que serão pais

    Por: Edu | Em: Vídeos | 29 de junho de 2015

    Já parou para pensar qual seria sua reação ao descobrir que vai ter um filho ou uma filha? Para homenagear os homens que em breve serão pais, uma campanha está sendo divulgada nos Estados Unidos, já que o Dia dos Pais é comemorado em julho no país. O vídeo traz imagens reais de uma experiência única na vida de um homem: o exato momento em que eles descobrem que serão pais. Veja o vídeo encantador abaixo:

  • Síndrome do “Eu já sabia” – Ou: como a preguiça nos tornou ignorantes

    Por: Fran Vergari | Em: Pensamentos Machos | 29 de junho de 2015

    Estudos de uma Universidade francesa concluíram que a maioria das pessoas não se importam com a veracidade e procedência de informações que atendam, ou, contemplem suas necessidades, desde que as mesmas pareçam vir de fontes confiáveis, como uma Universidade francesa.

    O pensamento é rápido, simples e preguiçoso. Por que eu estudarei e me aprofundarei em um assunto e tentarei tecer uma teia de raciocínio para provar ou chegar no meu ponto, se alguma “autoridade” já deu seu parecer? Técnica antiga usada na Publicidade, o fato de usar autoridades economiza em tempo, palavras e argumentos. Afinal, com tantos milhões no bolso o Neymar usa a famosa cueca que aparece em campo, quem sou eu para dizer que não é uma marca boa? O que as pessoas não param pra pensar é que: se 9 entre 10 dentistas recomendam tal creme dental, talvez aquele que sobrou não tenha sido procurado para receber o cachê da empresa.

    Mas isso é outra história. O problema real é que informações importantes para a sociedade foram deturpadas por aí, a torto e a direito, utilizando-se de Instituições e veículos consagrados, para que a informação ganhasse um “que” de verdadeira. Pesquisas, estudos e teses que nunca foram mencionadas, são confirmadas e celebradas por cientistas e especialistas que ninguém sabe o nome, mas sabem que aquilo os agrada e por que não compartilhar?

    Ou seja, vivemos na cultura do “Eu disse” ou “Eu já sabia” onde as pessoas, quando se deparam com “estudos” e “pesquisas” que ratificam teses que elas defendiam, passam adiante duas vezes antes de pensar. Não precisa ter link, não precisa ter o nome do pesquisador responsável, basta dizer aquilo que ela queria ler. “É a era da informação!”; “Temos tudo na ponta dos dedos!”. Realmente, temos muita coisa disponível, mas apenas o discernimento será capaz de separar o que é útil das milhões de teorias conspiratórias, estudos sem pé e nem cabeça, e a plena certeza de que tudo é um plano da Globo para que nós sejamos manipulados.

    Talvez aquele estudo nunca tenha sido realizado. É bem provável que aquela pesquisa que você compartilhou semana passada, não tenha passado de uma piada. Não acomode-se de ter todas as “respostas” na mão através do Google. Até porque, antes de apertar o botão “Buscar”, você precisa saber o que vai perguntar, e isso ninguém te dará de graça. Somente a sua experiência de vida fará com que você se faça as devidas perguntas para buscar as suas respostas, tirando isso, é só informação inútil e inventada por alguém que quis provar algo através de um suposto estudo de uma Universidade francesa.

    Texto originalmente publicado no blog do André, E Coisa & Tal.

    andre