• As verdades que os homens contam: O abraço

    Por: Edu | Em: As verdades que os homens contam | 24 de agosto de 2012

    Bruna andava pela calçada desatenta. Havia até esquecido o que ia fazer fora de casa. Chegando numa esquina, parou e aguardou o sinal de pedestres ficar verde. Olhando para o outro lado, reconheceu um rapaz que esperava para atravessar a mesma rua, mas no sentido oposto. Era Luiz, um amigo de infância, que estudou com ela desde o primário. Surpresa, já que não se viam há uns 6 anos, Bruna resolveu acenar. Luiz a reconheceu e quando o sinal abriu veio em sua direção. Bruna, que nem lembrava mais o que ia fazer na rua, acabara de achar um motivo para não andar mais a esmo.

    – Luiz, quanto tempo!
    – Bruna! Como vai você?
    – Estou bem! E você, como está?
    – Ah, tudo bem, comigo tudo tranquilo.
    – O mesmo bom humor de sempre, não é? Nunca vi você reclamar de nada.
    – É, acho que sim. A vida já é bem dura pra quem é bem humorado, imagina pra quem vive de mau humor.
    – Que engraçado te encontrar assim no meio da rua depois de tanto tempo. Nos conhecemos há quantos anos mesmo, uns 20?
    – Acho que sim, por aí. Desde o primário.
    – Isso mesmo, desde o primário no colégio. Logo que nos conhecemos você queria ser meu namoradinho, lembra? Hahaha!
    – Lembro, claro…
    – Lembro que você fez um cartãozinho à mão, tão fofo.
    – É, é verdade. Era tudo o que eu tinha naquela época.
    – Na sétima série você também fez um cartão, não foi?
    – Fiz, sim. Um cartão junto com um buquê de flores.
    – Acho que eu era meio difícil, não é?
    – Creio que sim. Isso era tudo o que eu tinha naquele momento, mas não foi suficiente pra fazer você gostar de mim.
    – Acho que você foi a única pessoa que estudou comigo desde o primário. Nem imaginava que ainda faríamos o colegial juntos. No final do último ano eu lembro que você me entregou uma carta, dizendo que me amava mas que entendia que a gente não tinha nascido pra ficar juntos, algo assim.
    – Foi exatamente isso. Como eu não tinha nada a lhe oferecer que você quisesse, escrevi aquela carta. Era tudo o que eu podia fazer naquele momento.
    – Desculpa, não queria fazer você se sentir mal com isso.
    – Não precisa se desculpar, na verdade eu lhe agradeço por isso.
    – Como assim, agradecer?
    – A sua honestidade. É melhor ser rejeitado do que estar com alguém que não gosta de você na mesma intensidade. Eu entendi que isso era tudo o que você tinha pra me oferecer naquele momento.
    – Entendo. Mas não precisa agradecer. Segui o meu coração naquela época.
    – Claro, com certeza. Foi a melhor coisa a fazer. Apesar de saber que não tinha chance, eu também segui meu coração. Infelizmente não deu certo, mas me serviu de lição que pra um amor dar certo, tudo o que eu tinha a oferecer, teria que ser tudo o que você precisava.
    – Acho que sim…
    – A propósito, tenho que ir, vou encontrar a Ana.
    – Quem é Ana?
    – Minha mulher.
    – Ah, você casou?
    – Sim, casamos ano passado.
    – Como você a conheceu?
    – Logo que entrei na faculdade. Eu estava triste, no primeiro dia no campus e ela veio conversar comigo.
    – E acabaram se casando.
    – Foi. Descobri que casaríamos na hora em que nos conhecemos.
    – Como?
    – Logo que ela me abraçou.
    – Com um abraço você já sabia que casaria com ela?
    – Sabia. Parece só um abraço, mas era tudo o que ela tinha. E naquele momento, era tudo o que eu precisava.

    E despediram-se. Luiz foi ao encontro de Ana. Bruna continuou andando, a esmo, sem lembrar por qual motivo havia saído de casa. Não fazia diferença. Naquele momento, tudo o que ela queria era um abraço.

  • Links da semana

    Por: Edu | Em: Links da Semana | 24 de agosto de 2012

    Séries: Fotos da terceira temporada de The  Walking Dead

    Lista: Top 20 filmes com temática esportiva

    Vídeo: Nicole Bahls antes da fama

    Pras mina: Como conquistar um homem rico

    Gif: Escola Neymar de teatro

    Vídeo: Tequila pra macho

    Humor: O túnel da amizade

    Vídeo: Ta suviano a xereca?

    Foto: Cachorrão pegando a mina

    Vídeo: Gozando um bom livro

    Fotos: Ensaio Sensual

    Humor: Os mercenários em versão feminina

    Notícia: O que acontece quando Obama quer tomar uma cerveja

    Vídeo: Diferenças entre canalhas e cafajestes

    Foto: Dica de tatuagem para a sua filha

    Humor: homem, macho ou gay?

    Vídeo: Instrumento musical para mulheres

    Imagem: A verdade sobre a identidade dos super heróis

    Foto: Cozinha de macho

    Texto: Transtorno sexual

    Vídeo: Peitos

    Dicas: Masturbação feminina

    Futebol: Promessas de craque que não deram certo

    Vídeo: Se tem homem cafajeste, a culpa é das mulheres

  • Sêmen deixa mulheres mais felizes, aponta estudo

    Por: Edu | Em: Notícias | 23 de agosto de 2012

    O sexo oral é uma prática saudável para as mulheres e ajuda em tratamentos dedepressão, segundo pesquisa da State University of New York. O sêmen possui três substâncias antidepressivas e reguladora de humor, induzindo a afeição maior entre o casal e até um sono mais tranquilo para a parceira.

    O estudo também mostrou que mulheres que fazem sexo regular sem camisinha são menos tristes. As casadas ou em relacionamento sério, que tendem a transar sem preservativos, tem menos sintomas de tristeza do que outras mulheres. A pesquisa ainda ressalva que o simples contato com o sêmen já causa efeitos positivos.

    Os psiquiatras consultaram cerca de 293 mulheres com um questionário sobre a vida sexual delas para chegar às conclusões. O estudo foi publicado no Archives of Sexual Behaviour. Se você precisava de uma desculpa para convencer sua mulher, acabou de encontrar.

    Fonte: Mail Online

  • Americana é acusada de matar namorado com golpes de frigideira

    Por: Edu | Em: Notícias | 23 de agosto de 2012

    Uma americana foi processada pela acusação de ter matado seu namorado com um golpe de frigideira durante uma briga em Elgin, no estado americano de Illinois, segundo a imprensa local, 0 caso ocorreu no sábado (18).

    Nora Peterson, de 34 anos, disse que ela atingiu o namorado Michael Mielczarek, 55, na cabeça com vários objetos, inclusive a frigideira. Ele caiu e bateu a cabeça no chão, o que causou sua morte. Uma autópsia mostrou que Mielczarek morreu de traumatismo craniano.

    Fonte: G1