Aline e Roberto caminhavam tranquilamente no Shopping. Ao passar em frente a uma vitrine com um vestido muito bonito, Aline não pensou duas vezes antes de entrar. Roberto até que hesitou entrar na loja. Mas fica difícil quando Aline insiste em alguma coisa.

– Querida, quanto custa aquele vestido?

Pergunta Aline para a vendedora, que responde calma e tranquilamente

– É muito caro.

Aline sente-se levemente ofendida. Roberto decide intervir, antes que algo aconteça.

– Vamos, amor, tá vendo? É muito caro.

Aline vira-se para a vendedora com olhar e ignora seu namorado completamente.

– Olha aqui, queridinha. Eu não perguntei se é caro, perguntei quanto custa. Quero saber agora.

Ao que a vendedora calmamente responde.

– Custa mais do que você tem condições de pagar.

Roberto percebe que a esposa está ficando nervosa. Tenta acalmá-la insistindo em ir embora.

– Tá vendo, amor? Deixa pra lá, é muito caro. Esse vestido nem é tudo isso, vamos embora.

Ao que parece, Aline havia esquecido completamente da existência de Roberto.

– Você não sabe quanto dinheiro eu tenho. Você não me conhece. Eu quero saber – Começa a gritar- quanto é a porra do vestido e quero vestir pra ver se fica bom!

– A senhora não pode provar o vestido.

Roberto intervém.

– Vamos embora, amor. Eu costuro um vestido pra você. Vamos passar num armarinho, comprar linha, tecido, vai ficar melhor que essa porra.

Ignorado solenemente. Letícia continua a esbravejar com a vendedora.

– Ah é?? Por que não posso provar?

– Porque você não tem dinheiro. Passou aqui na frente, olhou o vestido, sabia que não tinha dinheiro e mesmo assim entrou. Para fingir que está interessada e que tem a mínima chance de comprar o vestido, vai pedir de várias cores, vai provar todos, e na verdade só está fazendo eu perder meu tempo.

– Aline, essa mulher não precisa saber que somos milionários, vamos embora. Eu compro vinte vestidos desse em outra loja.

– EU QUERO SABER QUANTO CUSTA ESSE CARALHO DESSE VESTIDO. PODE DIZER, QUANTO? 2 MIL? 3MIL? DIZ, DIZ!

– Custa R$30 mil reais, senhora.

Estarrecida e de voz baixa.

– Quanto?

– R$ 30 mil reais, senhora.

Aline parece procurar uma fuga.

– Não se preocupe, tem dele – hesita – fúcsia?

– Sim, temos.

– E verde-limão?

– Com certeza.

– Azul-bebê?

– Em todas as tonalidades de azul, senhora.

– E preto? Amarelo? Magenta? Branco marfim?

– Nós temos esse vestido em todas as cores, senhora.

Todos ficam em silêncio. Roberto começa a puxar sorrateiramente Aline, fazendo expressões mudas para irem embora. Aline olha atônita para a vendedora. Vira-se para Roberto e diz em tom baixo.

– Vamos vender o carro.

286