Apesar de toda a tecnologia pra facilitar a nossa vida sexual (vide aplicativos e sites de namoro) e a incomparável liberdade sexual que temos hoje, nada disso foi suficiente para garantir que nós transássemos mais do que nossos pais ou avós.

Segundo uma recente pesquisa realizada pela pela Universidade Atlântica da Flórida, EUA, jovens dos anos 1960 transavam bem mais do que jovens de 2016. O levantamento indica que, entre pessoas nascidas nos anos 60, a taxa de pessoas sexualmente inativas era de 6%, enquanto que, entre os nascidos entre 1980 e 1990, o índice chega a 15%.

+ Crise faz solteiros trocarem jantares por cervejinha no primeiro encontro

E não só isso: a atual geração é a que menos faz sexo desde os anos 1920! A diferença é que , nos anos 1920, o período da grande depressão econômica americana é o que justifica o contexto para a baixa atividade sexual.

Ainda sem explicação

Os motivos pelos quais a chamada Geração Y transa menos do que os jovens de antigamente ainda não são claros, mas, segundo Ryne Sherman, psicólogo e um dos líderes da pesquisa, o maior acesso à educação sexual, consciência sobre doenças sexualmente transmissíveis e facilidade no consumo de pornografia estariam entre as mais prováveis razões.

Pô, galera! Que decepção!

+ Pornografia na internet aumenta disfunção erétil entre os jovens

Este post tem o apoio de:
Testosterona CAM