Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 começaram em Pyeongchang, Coréia do Sul,  e parece que os atletas estão fazendo muito mais do que competir – eles estão transando muito.

Muitos repórteres especulam em entrevistas com os atletas sobre como é esse aspecto que a competição traz. Reunir milhares de pessoas em hospedagens confortáveis e cheias de tensão devido as competições.

Aparentemente, o fabricante de preservativos da Coréia do Sul, a Convenience Co., está doando 100 mil preservativos para os atletas. Além disso, Associação Coreana para a Prevenção da Aids está doando mais 10 mil, para um total de 110 mil camisinhas.

E com um pouco mais de 2.000 atletas que participam dos jogos, isso é suficiente para que cada pessoa tenha 50 maratonas olímpicas de sexo, ou tenha algumas “rapidinhas”. Mas, considerando que nem todos usam preservativos, é seguro assumir que a quantidade de sexo que esses atletas olímpicos estão tendo provavelmente é mais do isso. Especialmente quando você se lembra de que os atletas nos jogos de Londres de 2012 passaram por todo o seu fornecimento de 100 mil preservativos na primeira semana.

Jogos olímpicos e sexo

E enquanto as Olimpíadas de Inverno de 2018 estão quebrando o recorde de preservativos disponibilizados em qualquer um dos Jogos de Inverno, é bom lembrar que foram vendidos 450 mil preservativos nas Olimpíadas de Verão de 2016 no Rio, com média 42 por atleta. No Rio de Janeiro a média foi de sexo vezes por dia, para cada atleta.

É natural que esses atletas de elite tenham uma alta libido e, com concorrentes incrivelmente como a esquiadora Lindsey Vonn, a snowboarder Silje Norendal e outras, não é difícil de entender.

Algumas musas dos Jogos Olímpicos de Inverno

 

💋 from Pyeongchang

A post shared by Madison Chock (@chockolate02) on

Com informações da Maxim