Testosterona Corp.

Nada de “escrito nas estrelas” ou “amor à primeira vista”, a verdade é que os opostos se atraem mesmo. Pode soar estranho, mas cientistas explicam que a atração entre os sexos opostos estaria diretamente relacionada aos seus anticorpos.

O desejo que sentimos, e que as vezes é avassalador, pode estar relacionado com um termo médico nada sexy – o antígeno leucocitário humano (na sigla em inglês HLA). Em outras palavras, a explicação para essa atração sexual entre pessoas de sexo diferente estaria no nosso sistema imunológico. Um estudo publicado na revista científica Nature chegou à conclusão de que procuramos parceiros sexuais que tenham HLA muito diferente do nosso próprio.

parceiro-sexual

Traduzindo

O HLA também é conhecido como Complexo Principal de Histocompatibilidade (em inglês MHC), um sistema que permite ao nosso corpo identificar células perigosas, vírus e bactérias. Ou seja, é a base sobre a qual o organismo humano desenvolve o seu sistema de defesa.

Questão de evolução

O HLA “está relacionado à sexualidade e ao desejo de procriar“, dizem os pesquisadores da Universidade de Dresden, na Alemanha, que analisaram o comportamento sexual de 254 casais.

Os cientistas descobriram que quanto maior a diferença entre os antígenos leucocitários de um casal, maior o desejo e também a satisfação sexual. Isso, segundo eles, estaria relacionado com a sobrevivência da espécie humana.

+ 25 lugares estranhos em que os leitores do Testosterona já transaram

+ Sexo casual: coisas que as mulheres esperam que você faça

Atração e cheiro

Mas como nosso instinto sexual distingue um HLA diferente? Uma coisa é certa, o desejo sexual não precisa ser testado em laboratório para ser detectado. O nosso corpo decifra antecipadamente – e muito antes de qualquer suspeita consciente – o que temos bem diante do nariz.

“Os peixes, as aves e os mamíferos preferem parceiros com um código genético distinto, identificados por sinais olfativos”, afirma o estudo publicado na Nature. Embora os cientistas ainda discutam como o HLA define o cheiro do nosso corpo, há provas de que certos componentes do odor podem ser encontrados em secreções como o suor e a saliva.

Além disso, sabe-se que os neurônios olfativos identificam o antígeno leucocitário humano (HLA) sem que tenhamos qualquer consciência. O estudo não menospreza a capacidade humana de domar o próprio instinto sexual, mas lança luzes sobre a importância do sistema imunológico no nosso comportamento sexual. E traz uma explicação científica para reforçar a popular ideia de que os opostos, sim, se atraem.

Com informações da BBC