As configurações de paquera foram completamente atualizadas no mundo online, de acordo com uma revista feminina pra lá de conceituada. O site, que é a maior rede social profissional do mundo, está fazendo as vezes de um OkCupid, um Par Perfeito, um sei lá – tem uma pá de plataformas pra paquerar, né? Agora juntaram tudo num lugar só: lá no LinkedIn, sim, as pessoas estão usando o LinkedIn pra pegação!

 

Pegação no LinkedIn

Aparentemente, a tal rede social tem servido para diversos fins, além do profissional. Claro. Traição é a razão mais óbvia para os safadinhos que subverteram a função principal do site. Veja bem, você não precisa de Tinder onde qualquer amiga da sua patroa pode ver sua fotinho no cardápio de homens aí pra jogo. É inocente. É profissional. É compreensível que você esteja nessa rede social para mudar de emprego. Certo?

Mas fora os traidores, solteirões também curtem o LinkedIn para fins de pegação.

De acordo com a revista supracitada, tem quem receba nudes picantes de machos desconhecidos, pois… bem… pois, o site serve para criar laços profissionais com conhecidos ou não. E alguns laços viram sexuais. Estreitar laços também é importante no LinkedIn. Pessoas que por algum acaso não se conheciam pessoalmente, por contatos estritamente profissionais no site, acabam namorando sim. Mas é consequência, né? Para isso basta estar vivo.

E por que o LinkedIn?

Bom, deduz-se que ninguém vai negar pedidos de amizade como se faz em Facebook ou Instagram. Afinal, você necessita criar laços profissionais. Só que tem gente se aproveitando dessa plataforma…

Limites (ou não)

Conforme apontou a revista, há um probleminha (ou não) nesse update de uso do LinkedIn. Hoje, não tem como avaliar o interesse de ninguém (sexual ou profissional) e pessoas completamente desinteressadas em sacanagem com desconhecidos se sentem imensamente invadidas.

Bom ou ruim, parece que flertar no LinkedIn já é inevitável.