Home Contos Eróticos Conto erótico: A exibida no carnaval

Conto erótico: A exibida no carnaval

Seja bem vindo à sessão de Contos Eróticos do Testosterona. O conto erótico dessa semana, intitulado A exibida no carnaval, foi enviado por uma das nossas leitoras no Instagram, a Bella.

A exibida no carnaval

Finalmente chegou o carnaval a minha época favorita do ano, eu gosto das músicas e das festas, além de usar as fantasias. O ano passa e eu sempre penso em quando chegar o carnaval como vai ser. O que eu usarei e em que blocos vou sair por aí . A vontade de me exibir é muito grande, sair nua e livre por aí.

O carnaval permite esta liberdade toda, não é novidade as mulheres nos desfiles da escola de samba só com purpurina pelo corpo. Que inveja, quisera eu sair assim também. Agora também nos blocos de rua eu já vejo muitas meninas saindo assim também. Eu gostaria tanto de me exibir desta maneira, só que eu tenho medo que meus pacientes percebam que aquela foliã nua e feliz é a médica deles.

A exibida no carnaval

Aos poucos eu vou me solto, em um ano usei uma blusa decotada em que aparecia os mamilos em um sutiã transparente. No outro ano eu viajei e no pré carnaval eu usei um adesivo para cobrir os mamilos. Foi uma delícia tirar o top no meio da rua e ficar com os meus seios no vento, e livres. Recebi alguns olhares de admiração e alguns poucos de desejo. É coisa que não tem como evitar um corpo bonito realmente desperta isto, nem todos conseguem ver a nudez ou quase nudez com esta naturalidade. Em algumas horas gosto de passar invisível e em outras se forem pessoas interessantes sinto tesão com os olhares de gula que eu provoco. 

E chegou o carnaval, já estava com as minhas fantasias todas preparadas, todas com os seios livres sim, um adesivo já basta. E assim eu fui curtir a folia. Esta coisa de sair com os seios de fora já é tão comum por aqui que eu não vejo necessidade de voltar a me cobrir como antigamente. O máximo da ousadia foi sair com o corpo todo pintado no Centro da Cidade. Liberdade extrema, muitos olhares curiosos, muitos pedidos de fotos, a pintura estava bonita e eu também. No meio da rua um moreno lindo com jeito de surfista fala para mim: 

 – Você além de linda, tem os seios mais bonitos que já vi.

Eu sorri, só que um amigo puxou ele e quando vi, ele já estava em um beijo triplo com uma menina e mais este amigo, que tesão e vontade de ser uma daquelas bocas. A buceta molhou na hora também e fui embora dali pensando no moreno. Seria uma maneira deliciosa de terminar o carnaval uma festa só nos dois.

O carnaval acabou e eu voltei a minha vida e rotina de jaleco branco no hospital. Os meus plantões na Clinica Médica eram na terça e quinta feira e nos outros dias eu terminava a minha residência em Cirurgia geral. Os dias passam sem muita novidades, um peguete ou outro por ali, nada que me desperte muito o tesão, tem épocas que a buceta pisca e não tem ninguém para vir aqui me chupar. Era uma quinta feira e já era o fim do dia, eu estava terminando os meus atendimentos, até que bateram na porta da minha sala.

 – Posso entrar ?

 – Pode sim , eu disse.

Era um representante de vendas querendo expor seus medicamentos, ele chegou todo simpático e não teve como dizer que estava indo embora. Quando eu o vi achei que era algum conhecido. Não lembrava de onde. Será que era amigo do meu irmão da faculdade? Não lembro de onde mesmo. Enquanto ele falava dos medicamentos eu pensava, ele me deu as amostras e eu carimbei a sua visita. Eu já arrumava a minha bolsa para ir embora e ele voltou a minha sala.

 – Oi Dra, estava pensando de onde te conheço ? Era você em Santa Teresa no carnaval na terça feira? Era uma mulher linda toda pintava e com um corpo escultural.

 Lembrei, era o moreno no bloco .

 – Eu estava lá mesmo, acho que lembro de você também, eu disse. 

– Eu te procurei o bloco todo você sumiu, queria muito ter te dado um beijo . Ele chegou de um jeito de mansinho que eu não pude resistir, me encostou na mesa de consultas e me deu um beijo tão gostoso que o resultado foi imediato. Eu fui amolecendo, as pernas ficando mais abertas e sentindo a pressão do corpo dele. O pau já me sarrava pela roupa e eu ia melando a minha calcinha toda. Ele desceu a mão e abriu minha calça e eu bem deixei. Eu estava morrendo de vontade de sentir a língua dele na minha xoxota . A minha calça já estava no chão e ele abaixou, abriu as minha pernas e passou a língua na minha virilha. Eu puxei a calcinha mais para o lado e falei: 

– Mete a língua aqui , chupa minha peludinha 

E assim ele fez, me beijou de língua e eu sentindo aquela língua afiada puxando os meus lábios e lambendo meu grelhinho, lambuzei a sua cara toda com o meu mel . Estava tão bom, só que eu gosto mesmo é de pau dentro dentro. Fiquei louca para sentir aquela pica dentro de mim, levantei a sua cabeça e falei:

 – Me fode gostoso , bota a camisinha vai.

Eu estava com tanto tesão e nem lembrei de trancar a porta da sala, aquela situação toda só aumentou o meu tesão. Ele metia com força, um pau grosso e bonito com uma curva para cima que cutucava o meu ponto G. Eu rebolava gostoso enquanto estávamos naquele vai e vem delicioso. Meu corpo começou a formigar e eu não ia resistir muito tempo, fui sentindo aquela onda me arrastar e eu gozei com ali.

O orgasmo foi forte e eu quase escorreguei da mesa. O gato me beijou e ficou tocando uma punheta para gozar também, passou uns 2 minutos e foi a vez dele gozar. Ele se aproximou de mim e eu chupei o restinho do seu leite. Nós colocamos a roupa, pois era a hora de ir embora. Que moreno gostoso me pegou de jeito, me deu outro beijo no pescoço e disse:

 -Adorei linda, no próximo mês eu volto para nova visita. 

Quem disse que paixão de carnaval termina na quarta feira de cinzas?

Texto: Bella

Mais posts pra você

COMENTE JÁ