O icônico e versátil narrador de futebol americano (e de tantos outros esportes) participou de um encontro para debater cobertura esportiva e, fã do blog que é, conseguiu um tempinho para bater um papo comigo sobre as chances de vermos NFL na TV aberta, dicas para quem quer entender o esporte e ainda deixou no ar a especulação sobre Metallica no Super Bowl L..

everaldo-marques1

– Oi, Everaldo! Tudo bem? Eu sou a Francini, colunista do Testosterona, e…
– Nossa! Que legal! Você trabalha com o Edu? Sou fã dele.
– Sim, inclusive tô aqui falando com ele no Whatsapp, avisei que ia tentar falar com você…
– Tá com ele aí? Me dá aqui o celular.

Foi assim que começou minha conversa com Everaldo Marques, narrador de futebol, NFL, basquete e, segundo ele mesmo, “do que mais aparecer”, pelos canais ESPN. Convidado para participar de uma mesa de debate sobre Cobertura Esportiva na Faculdade Cásper Líbero, contou alguns dramas e glórias da profissão aos estudantes de jornalismo.

Com os brasileiros tomando cada vez mais gosto pelo futebol americano, a NFL virou a aposta da ESPN no Brasil. A emissora, que transmite partidas da NFL no Brasil desde os anos 90 e registrou aumento de quase 30% da audiência nos últimos dois anos e no Super Bowl deste ano ficou com o primeiro lugar em audiência entre as emissoras a cabo.

Outra opção para acompanhar o cameponato é pelo Esporte Interativo, na TV aberta, que transmite alguns jogos desde 2012 e afirma ter tido média de 900 mil espectadores por partida na última temporada.

Evê, como é carinhosamente chamado, começou a carreira como produtor e apresentador na Rádio Jovem Pan AM, em 1996. “Juntei uns trabalhos e falei que eu ia sair batendo de porta em porta por aí até conseguir ser narrador. Foi quando passei a narrar futebol na TV Cultura, em 2005”, conta.

Em seguida, foi convidado para fazer parte da equipe de narradores e apresentadores da ESPN: “Quando soube que ia narrar NFL, tive que estudar muito! Eu já acompanhava desde criança, mas precisei estudar para me aprofundar mesmo. Aconteceu com outros esportes de eu não saber nada, como o beisebol, e começar do zero. Faz parte e é preciso estudar muito sempre”, aconselha Everaldo.

A conversa que rolou entre a gente, depois do debate, você confere abaixo:

Fran – Sobre a possibilidade de vermos NFL nas grandes emissoras da TV aberta, você vê alguma chance ou palpitava alguma previsão para que isso aconteça por aqui, pelo menos o Super Bowl?

Everaldo – Eu acho difícil porque o futebol americano é um jogo de três horas e meia, e o fuso horário da maioria dos jogos é incompatível com  amaioria das televisões. Por exemplo, será que a Band vai tirar o Pânico do ar no domingo à noite para passar futebol americano, ou tirar o CQC do ar na segunda-feira? A Globo vai mexer no Fantástico? Não vai. Então acho complicado, tem muito comercial, acho difícil que a NFL vá para a TV aberta, acho que é um esporte de TV fechada mesmo.

Fran – Acha que o esporte está se tornando cada vez mais um evento comercial? Digo, para popularizar, tivemos as duas últimas finais com shows de Beyoncé, Bruno Mars. Não são bem o público da NFL, não é? E essa semana veio a notícia de que será Katy Perry para o show para o ano que vem…

Everaldo – Não tenho muita noção de quem seja [Katy Perry]… Sei quem é, mas não conheço muitas músicas. Entendo que eles estejam em uma pegada mas pop agora porque há um tempo era mais ‘dinossauros do rock’. Eu acho que a NFL está preparando alguma coisa grande para o Super Bowl L, tem muita especulação de que seja o Metallica. Ainda não sei, é só especulação, mas o fato é que nesses últimos anos está tudo bem ‘popzinho’, mas não é nenhum absurdo.

Fran – Quem ainda não entende muito a NFL ou quer começar do zero, dá tempo de pegar o bonde andando até o final do campeonato? Qual a dica que você dá para quem quer aprender?

Everaldo – Dá tempo, sim! Não vai aprender do dia para a noite. Não é em um jogo que você vai aprender tudo, mas se assistir domingo, segunda, quinta, vai assistindo aos jogos e vai pegando.