A tradução brasileira escolhida para o título se encaixou bem para deixá-lo autoexplicativo. Tirando o Atraso (Dirty Granpa, 2016), comédia estrelada por Robert De Niro e Zac Efron, é divertida do começo ao fim, mostra a versatilidade dos dois atores e ainda traz uma reflexão leve sobre a relação entre pai, filho e avô. O filme estreia no Brasil em 4 de fevereiro, mas já arrancou risadas em sessão para a imprensa.

Zac Efron, aquele de High School Musical, mais recentemente tem aparecido em filmes exibindo seu corpo atlético, como em Vizinhos (2014, e Vizinhos 2 chega em breve), Namoro ou Liberdade (2014) e Música, Amigos e Festa (2015). Desta vez não foi diferente – tem muito Zac Efron sem camisa mesmo – mas o contexto é outro. Desta vez, não é ele quem faz parte da zoeira e de festas universitárias, nem é o garanhão da história.

tirando-o-atraso-cenaNa trama, o personagem Jason (Efron), é neto de um senhor desbocado (De Niro) que acabou de ficar viúvo e precisa de alguém para levá-lo a uma comunidade de aposentados em Boca Raton, na Flórida. Incumbido da missão, dias antes de seu casamento com a filha controladora (Julianne Hough) do seu patrão, o certinho Jason pega a estrada com o avô, Dick.

No caminho, ele fica surpreso ao descobrir que o velho não está nem um pouco de luto pelo falecimento da avó, pelo contrário, quer curtir a vida e tirar o atraso pelos anos em que se manteve fiel ao lado da mulher doente. Entre Atlanta e Boca, Dick coloca os dois em todos os tipos de aventuras e ciladas numa spring break, incluindo festas em fraternidades universitárias, envolvimento com mulheres, bebidas, drogas e brigas de bar.

tirando-o-atraso-cena-2
A pipa do vovô não sobe mais?

Bom, não é o que aparenta. De Niro aparece em ótima forma (se você levar em conta que ele já tem 72 anos) e em cenas ousadas, sem camisa, “se masturbando”, fazendo flexão com um braço só, segurando Efron com só um dos braços, “nudes” (sim, teve isso, pênis de perto) e até cenas na cama com a atriz Aubrey Plaza.

tirando-o-atraso-cena-3O diretor, Dan Mazer, é o mesmo que fez os escandalosos Borat, Brüno e Ali G. Em alguns momentos, você pode achar que exageraram nas cenas de nudez masculina. E talvez não seja um filme para você ver com o seu avô ou com seu pai, por exemplo. Alguns críticos realmente acharam que o diretor errou na dose.

Mas se você estiver a fim de um filme que garanta risadas e cumpra a proposta, sem grande profundidade psicológica de personagens (porque ninguém prometeu que seria o melhor filme com De Niro, certo?), “Tirando o Atraso” é uma boa opção para ver num fim de semana e vale o ingresso.