Home Livros Os melhores livros lidos em 2020 pela redação do Testosterona

Os melhores livros lidos em 2020 pela redação do Testosterona

2020 não foi fácil, não saímos tanto de nossas casas e nem encontramos nossos amigos e familiares da maneira que gostaríamos, mas não faltou oportunidade para apreciarmos uma boa leitura, por isso separamos uma lista com os melhores livros lidos em 2020.

Com isso em mente, cada redator do site separou um livro que o surpreendeu neste ano, são sugestões que valem a pena você dar uma chance, ainda mais neste fim de ano. Lembrando os livros não foram lançados neste ano, porém nosso intuito é incentivar a leitura.

Melhores Livros lidos pela equipe do Testosterona em 2020

RAFA – Redator

Sapiens – Uma breve história da humanidade (2011)

Autor: Yuval Harari
Melhores Livros de 2020

Engraçado, difícil um livro de sociologia surpreender minha pessoa, mas fui atraído por este de uma maneira que nem imaginava, ainda mais porque o li bem no começo da pandemia, onde estávamos tão restritos, talvez seja por isso que ele indagou a questionamentos tão profundos e se tornou um dos melhores livros de 2020 para mim.

O livro conta de forma surpreendente toda a história do ser humano, de onde viemos e como chegamos aonde estamos, uma abordagem que engloba os primórdios do homo sapiens como espécie e o mais curioso de tudo é compreender como nossa mente evolui e como alguns hábitos continuam os mesmos mesmo após eras de evolução.

O autor ainda faz questão de dar umas cutucadas, pois tecnologicamente estamos avançados, mas nossa mente ainda é atrasada em relação a muitas linhas de pensamentos, algo que apenas nos leva ao nosso atraso de se tornar seres evoluídos.

FRAN – Chefe de Redação

Pequeno Manual Antirracista (2019)

Autor: Djamila Ribeiro

Este ano não deu pra esperar mais – a gente precisou correr pra sermos pessoas melhores é isso é ótimo! A luta antirracista foi intensa e buscar conhecimento em fontes seguras é fundamental. O “Pequeno Manual Antirracista” deve ter sido o livro mais indicado do ano. A filósofa e ativista Djamila Ribeiro montou esse manual curto de 10 capítulos que trazem caminhos para reflexões sobre racismo, violências raciais, cultura etc. O livro levou o Prêmio Jabuti de 2020 na categoria Ciências Humanas e você pode ler as primeiras páginas dele gratuitamente aqui.

CAROL– Redatora

Pós F (2018)

Autora: Fernanda Young
melhores livros de 2020

E os livros, meu deus do céu!! Um deles me fez tão pensativa. “Pós-F” de Fernanda Young, que faleceu aos 49 anos em 2019, é uma maneira muito linda de refletir sobre a persona da autora e desenlaçar sua existência num mundo de preconceitos e crises existenciais.

“Pós-F” está além do masculino e do feminino, flerta com o não-binário e é bem como a autora escreve: “raspei a cabeça durante onze anos… Eu não admitia o feminino… Não queria parecer delicada diante do mundo…”

JULIAN – Redator

Livro: Horror Noire: A Representação Negra No Cinema De Terror

Autores: Robin R. Means Coleman, Jim Anotsu

Em Horror Noire a pesquisadora Dra Robin Coleman nos coloca frente a frente com a representação negra, com foco nos filmes de terror. Ela nos mostra cronologicamente como os negros foram representados. Nos primeiros filmes, ainda mudos, os negros eram representados, por brancos com pintura blackface, como criaturas primitivas, assustadas e sexualmente animalescas. As religiões de origem africana eram reduzidas ao vodoo e sempre eram descritas como demoníacas. O continente africano era descrito como selvagem, onde humanos se relacionam sexualmente com animais, criando híbridos meio-humanos e meio-animais.

O livro exalta A noite dos mortos (1968), sendo o primeiro filme de terror com protagonista negro, e obras que representariam a era do blaxpotation como Blácula: o vampiro negro (1972). Durante a história do cinema os negros passaram por anos de invisibilidade racial, influência da Ku Klux Klan, onde a frase “Os negros sempre morrem primeiro!” era levada ao pé da letra.

Horror Noire chega na era Jordan Peele e podemos ver onde a representação negra chegou, depois de passar por tantos percalços. De papéis totalmente insignificantes e desprezíveis para protagonistas de tramas intensas.

DINO – Redator

Quem soltou o Pum? (2010)

Autora: Blandina Franco
Melhores livros de 2020

Poxa, mais uma coisa relacionada a paternidade? Pois é caro leitor, os pervertidos também podem ser bons pais ter uma vidinha tranquila. Aliás, não tem nada mais saudável que equilibrar os prazeres da carne com os da alma. Mas vamos ao que interessa que é o livro.

Minha pequena está com 4 anos e em fase de desfralde, li muito esse ano, mas nada para mim, tudo para ela e esse foi o que mais me marcou. Além de bem humorado ensina a criança que tudo tem hora, mas que também as vezes não dá para segurar e tudo bem, faz parte.

No livro o “pum” é um cachorrinho, que as vezes até os adultos não conseguem segurar então faz parte a criança ter seus descuidos as vezes. Dei ótimas risadas com a Mika e se você tem filhos pequenos em fase de desfralde ou mesmo já grandinhos, mas quem ainda estão na fase lúdica, recomendo demais. <3

EDU – Editor

Sei que a ideia do post é que cada um da equipe escolha apenas um livro que leu em 2020, mas por conta da pandemia eu acabei lendo tantos livros bons este ano que seria um pecado não montar pelo menos um top 3. Aliás, são livros curtos, que você consegue facilmente ler num fim de semana, ou até mesmo num dia.

O Velho e o mar (1952)

Autor: Ernest Hemingway
Melhores livros de 2020

A primeira coisa que me chamou atenção neste livro é como tanta coisa pode ser dita tendo como ponto de partida uma premissa tão simples. São apenas três personagens e uma história que é ao mesmo tempo simplória e profunda. Temos o velho Santiago que é um pescador e seu ajudante, um menino. Depois de 84 dias sem conseguir pescar nada, nosso protagonista pesca o maior peixe da sua vida e nós acompanhamos toda essa aventura junto com o velho e seus pensamentos e reflexões, enquanto ele trava uma batalha com esse “peixão”.

A impressão que eu tive é que eu estava ali no barco ao lado de Santiago e aprendendo com ele a ter uma visão positiva e respeitosa do mundo em meio a tanto caos. A forma como ele lida com as dificuldades que encontra na sua jornada é de fato inspirador. Certamente a melhor leitura que fiz em 2020, e sem dúvidas uma das melhores da minha vida. Uma história sobre esperança, motivação, luta, contada com extrema maestria e delicadeza.

A Metamorfose (1915)

Autor: Franz Kafka

“Certa manhã, ao despertar de sonhos intranqüilos, Gregor Samsa encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso”. É exatamente dessa forma que A Metamorfose começa, e claro que a minha primeira reação ao ler essas primeiras linhas foi um completo e total estranhamento. Mas não são só as primeiras linhas da novela escrita por Kafka que causam desconforto no leitor. Suas ideias a partir de uma premissa que a princípio nos parece absurda e sem sentido torna todo o desenrolar da trama um exercício de filosofia, um tanto quanto penoso, mas muito necessário.

A narrativa é crua, realista e poderosa. Você consegue extrair dessa situação estranha colocada pelo autor reflexões sobre o egoísmo do ser humano, embarcar em conflitos de família e perceber diversos significados em pequenas coisas que geralmente estão diante dos nossos olhos, mas nunca percebemos.

A morte de Ivan Ilitch (1895)

Autor: Liev Tolstói

A leitura de “A Morte de Ivan Illich” não foi nada fácil pra mim, e a história ficou martelando minha cabeça por muito tempo depois que eu terminei o livro. Precisei ler algo mais leve na sequência pra não entrar em completo desespero. É um enredo sobre a vida e sobre a morte. A obra nos convida a refletir junto com o protagonista sobre nossas escolhas, sobre as pessoas que queremos ao nosso redor, e principalmente sobre o que queremos fazer com nossas vidas. É pesado, é triste e é um soco na boca do estômago.

Tolstoi nos ensina com uma história densa que podemos já estar mortos mesmo em vida, que muitas vezes fazemos escolhas ruins e que damos valor a coisas que no fim são assustadoramente insignificantes.

SUZY – Redatora

O Mundo Assombrado Pelos Demônios (1995)

Autor: Carl Sagan

Como muitos sabem, sou uma grande amante da astronomia e seu amplo conceito. Leio e estudo sobre diversos assuntos relacionado à ciência, principalmente quando se trata de astronomia. Tem um astrônomo eu sou muito fã, passei a ter conhecimento sobre o assunto e me apaixonei, não tem como não gostar, pois tudo faz parte de nossas vidas, de como viemos. Aqui vou escrever sobre o livro do cientista e também físico, biólogo, astrônomo, astrofísico, cosmólogo, escritor, Carl Sagan.

Depois de ler um livro como este, o ceticismo parece uma coisa inevitável, uma forma de pensar sobre os delírios do mundo, pois Sagan aborda de forma cética inúmeros fenômenos considerados fantasiosos, ele explica de forma clara para os leigos, o ponto de vista da ciência.

Ele queria que as pessoas entendessem a substância da ciência, a noção de que afirmações surpreendentes devem ser apoiadas por evidências que podem ser testadas e contestadas.  Aqui ele aborda sobre a ciência para mostrar as origens das teorias pseudocientíficas, também fala sobre aspectos das origens das pseudociências e das relações entre a ciência e a sociedade.

O livro contém muitas desmistificações de uma série de fenômenos inexplicáveis, incluindo previsões astrológicas, visões e raptos por discos voadores e bruxarias, toda essa mentirinha que “gostamos”. Logo de inicio, ele fala sobre visões e raptos por seres extraterrestres, incluindo falsificações propositais, como os círculos perfeitos nas plantações da Inglaterra, teorias conspiracionistas, como os casos Roswell e da Área 51 e disseminações de histórias em que a mídia também apoiava essa ideia, claro, é lucro pra mídia.

Esse livro de fato é para refletir, um livro de simples leitura, nos faz pensar sobre o que aprendemos sobre a ciência, o que é real e o porque as pessoas precisam acreditar tanto em fantasias e superstições. A ciência, principalmente aqui, é mostrada por uma mídia em grande parte acrítica, sua parte mais importante, o seu método crítico, não chega à população em geral. Sagan faz isso de uma forma clara e simples, leva aos leigos o conceito da ciência, mostra a importância da ciência em nossas vidas, na sociedade.

COMENTE JÁ

Mais posts pra você