Pedir divórcio porque sua mulher se recusou a fazer chá para você e seus amigos, pode? Na Índia, o cara pode dizer que foi “humilhado” e pedir o divórcio, sim!

Mas esse é o mais “de boa” dos motivos. O problema é que, apesar de a Índia ter uma das menores taxas de divórcio do mundo, os divórcios têm acontecido cada vez mais e por motivos curiosíssimos. Especialistas dizem que a maioria dos casos ocorrem por razões citadas legalmente como “abuso” ou “crueldade”. Mas o que constitui tal abuso é objeto de debate, especialmente na hora de avaliar os danos psicológicos causados a alguma das partes durante o casamento.

A Corte Suprema indiana estabelece que não existem parâmetros fixos para determinar a chamada “crueldade mental”. E, por causa das amplas definições legais para isso, tribunais indianos acabaram tendo de analisar uma série de interpretações bizarras sobre o que constitui o abuso psicológico.

E os exemplos são curiosos:

FESTEIRA

Recentemente, a Alta Corte de Mumbai reverteu a decisão de uma vara de família no caso de um marinheiro que, em 2011, obteve divórcio alegando que sua mulher ia a muitas festas e que isso era uma forma de abuso. A corte decidiu que o homem também gostava de sair e que, por isso, não teria sido submetido a alguma forma de crueldade. O juiz, M.L. Tahaliyani, disse ainda que “o ato de socializar é permitido na sociedade moderna”.

indianos-sexo-divórcio
MÁQUINA SEXUAL

Um casamento sem sexo é um motivo global para divórcios. Mas, no ano passado, um homem em Mumbai pediu a separação com base no argumento de que sua mulher queria “transar demais”. Na petição, o homem disse que sua mulher tinha um apetite sexual incontrolável desde que tinham se casado, em 2012. E alegou ter sido forçado a manter relações sexuais mesmo quando estava doente – segundo ele, a mulher ameaçava transar com outros homens quando ele se recusava a atender seus desejos. O homem disse que o “comportamento cruel e autocrático” da esposa tornou difícil a convivência. O tribunal decidiu em seu favor e concedeu o divórcio, depois de a mulher não comparecer à audiência para rebater as acusações.

CALÇA JEANS E SAIAS

Outro caso bizarro em Mumbai, mas dessa vez o argumento apresentado por um marido em busca de divórcio foi que o vestuário de sua mulher era uma forma de crueldade. O homem, casado desde 2009, ficou angustiado pela decisão de sua mulher de não usar trajes tradicionais indianos, e sim saias e calças jeans para ir trabalhar. Um vara de família concedeu o divórcio, mas a Alta Corte derrubou o veredito no ano passado.

indianos-sexo-acne
ACNE

Casamentos arranjados são comuns na Índia, e em 2002 um homem conseguiu a anulação do seu com o argumento de ter ficado traumatizado com a acne de sua mulher. Em sua petição, o homem disse que as espinhas e cravos no rosto da mulher até o tinham impedido de “consumar” o matrimônio, em 1998. Um tribunal de Mumbai deu ganho de causa ao homem, observando que, embora a condição da mulher fosse um problema para ela, era também traumática para o marido. A corte considerou ainda que a “mulher enganou o homem ao não revelar que tinha uma doença de pele”. Isso mesmo depois de um parecer do médico da mulher, estabelecendo que a condição era tratável e não afetaria a vida sexual do casal.

HOSPITALIDADE HOSTIL

Em 1985, um tribunal na cidade de Allahabad manteve a decisão de uma vara de família local de conceder divórcio a um homem que disse ter sido vítima de abuso psicológico pela mulher. Ele teria se sentido humilhado quando sua mulher se recusou a fazer chá para ele e seus amigos.

Fonte: BBC (As charges são de autoria de Kirtish Bhatt, da BBC Hindi)