Cada canalha teve o seu tempo para levar alguém a sério, ou sentir algo que ele considere suficiente para ter um relacionamento válido dentro das questões que ele mesmo acredita. As coisas para esse indivíduo se resumem em quatro letras S E X O. A diferença é como ele conduz cada situação (cada caso é um caso, e merece atenção diferenciada), definitivamente ele não trata todas de formas iguais, as “boazinhas” que querem compromisso e “as outras” que só querem curtir. E sim, os canalhas gostam da mulher que vai atrás, isso alimenta o ego (é lógico). Se sentem importantes.

Mas eu acredito que toda mulher deva conhecer um canalha pelo menos uma vez na vida. Ao menos que ele traga risco de morte ou saúde, nesse caso não seria legal. Mas o homem canalha tem seu valor na sociedade, ele dignifica a mulher com quem se relaciona a faz perceber que a vida não é um conto de fadas, que muitas vezes para sermos felizes (ou estar feliz) precisamos antes de alguma dificuldade.

O homem canalha, não faz de propósito, não quer fazer ninguém sofrer. Se ela for boa de cama, charmosa, engraçada e com assuntos relativamente interessantes (dentro do que esse homem da espécie canalha aceita como interessante) as chances podem aumentar, talvez ele possa sentir algo além do orgasmo. Não cobre, não tente ser igual a ele, mantenha-se com a postura de uma rainha, trate-o como um plebeu, porém, dê tudo que ele quiser. Agora você está jogando roleta russa, e a munição pode estar na agulha. Não fuja não se amedronte, não mude. Mas transforme-o, envolva-o, a melhor espécie de homem é a evolução do “homem canalha”.

Ele é um diamante bruto que precisa ser lapidado, talvez já tenha se relacionado e magoado outras mulheres, talvez não consiga evoluir porque todas elas fugiram com medo. Que interessante é essa espécie de homem, mas interessante ainda será sua evolução de “homem canalha”. Mas pensaremos juntos, se ele pode ser tão bom como canalha, imagine sua evolução, como seria? Mas infelizmente, para isto, ainda não tem nome. Portanto, cuide de seu canalha.

Texto do leitor Emerson Vieira



Compartilhe
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter