we-can-do-it

*Texto enviado pela leitora Cristine Scattolin, por email

Não, eu não sou lésbica, mas também não faço a mínima questão de esconder (bem pelo contrário, aliás) que se eu tivesse tido a chance de escolher qual o bendito cromossomo que iria fazer par ao “x” da mamãe, eu teria escolhido um másculo e poderoso “y”.

Claro que vagina e peitos tem lá suas vantagens, não nego, mas eu, francamente, daria o cu pra poder voltar atras e nascer com um tico, e nem precisava ser um tico grande. Aí vai vir um cretino metido a espertinho e mandar eu fazer uma operação de mudança de sexo. Tirando o fato de que eu seria gay (de tanto que eu detesto buceta), talvez se essa idéia tivesse sido dada pra minha mãe, algo tipo 22 anos antes, eu não me oporia. O problema é que agora eu já fui criada pra ser mulherzinha, e a grande verdade é que o que me incomoda MESMO em ter ovários, não é exatamente o ovário, mas essa cacetada toda de hormônios que ele produz somado aos inconcebíveis pensamentos intrinsicamente femininos.

Pensem comigo, só o fato de não mesntruar, poder ser pai sem sofrer, não ter relevância a ação da gravidade sobre os peitos e poder fazer xixi não importa o quão imundo esteja o banheiro já são vantagens que superam (quase) todas as ditas vantagens femininas. Quando começo a pensar nas vantagens sociais, então, tenho vontade de espancar o filho da puta que inventou a tal diferença entre os sexos, e só tenho mais certeza de que ‘justiça’ é a maior piada da nossa existência patética.

Acham que eu to exagerando? Pois aposto que alguém aí ja pensou “que feio, menina falando tanto palavrão”. Piça pra vocês. Falo palavrão mesmo, nem tô. Mas se eu fosse homem isso seria normal e, mais que isso, esperado, viado seria eu se NÃO falasse. Tomar no cu mesmo. Sem contar que sempre tem mulher pra gostar de um feinho simpático pra ser só dela, homem só come se for gostosa, e só pensa em algo mais se o sexo for bom, quando pensa.

Outra coisa, homem solteiro aos 35 é opção, mulher solteira ao 35 é encalhada. Homem que pega geral é garanhão, mulher é puta. Bunda de homem não interfere na vida profissional. Cabelos grisalhos pro homem é charme. A velhice torna os homens experientes e as mulheres fofoqueiras. Homem engorda e fica simpático, mulher engorda e fica gorda. Homem pode pensar em sexo o tempo todo, além de que querer comer todo mundo é normal. Homem quando leva um fora pra partir pra outra só precisa de uma bunda (ou peitos) dando sopa no local. E, é claro, comprar camisinhas é honrado, jamais constrangedor.

Falando da sociedade feminina em particular, homens não precisam se preocupar em estar mais bonitos e arrumados que outros homens, ninguém vai reparar neles. Homem não precisa ficar maquinando sobre quem pode estar falando mal dele nesse exato momento. Amigo sempre respeita namorada de amigo. Cinismo é opcional, mas um soco sempre resolve de um modo muito mais adequado a situação. Ah, o que eu não daria pra poder distribuir uns socos por aí.

Eu ficaria até amanhã listando vantagens, mas infelizmente não posso, tenho que ir lá trocar o absorvente, retocar a maquiagem e discretamente fugir de uma cara chato que não larga do meu pé, enquanto o carinha que eu queria pegar ta lá, bem faceiro, tentado pegar aquela insossa. Aí eu volto pra casa sozinha, com aquela sensação de vazio, querendo dar o cu em troca de um mísero abraço.

Não apenas o cu, mas o que eu não daria para poder vestir as calças e ser feliz sem preocupação com detalhes. Se é que me fiz entender.”