miss-prostituta
Aconteceu no último sábado a segunda edição do Miss prostituta em Belo Horizonte. No mesmo momento na cidade acontecia a escolha do Miss Brasil.

Marcelina Gomes Teixeira, 18 anos e seis meses de profissão, levou o título deste ano e os prêmios deste ano: R$ 1.200 em dinheiro, além de R$ 350 em vales-compras, e presentes de uma loja do centro da cidade. Ela venceu outras nove candidatas.

“Não anuncio em jornal. Tenho os meus contatos”, diz a miss, e revela um pouco mais sobre si mesma: mora com a avó, não gosta de música, não vê cinema, nem costuma navegar na internet –“Não ligo muito para essas coisas, não”, afirmou em entrevista.

Apresentado por Elke Maravilha, a disputa tem como lema “Por dignidade, autonomia e cidadania. Um mundo sem violência e preconceito para as prostitutas é a nossa luta!” O concurso é organizado pela Associação das Prostitutas de Minas Gerais e segundo a presidente, Maria Aparecida Vieira, ele tem um caráter político, “para chamar a atenção para a regulamentação da profissão”. “O Miss Prostituta é para denunciar a violência. Na hora de trabalhar, a prostituta não é mulher. A lei Maria da Penha não protege a prostituta na hora do trabalho. Isso não existe. A lei só existe quando somos mulheres”.

Fonte: Folha