poker
Em algum momento da sua vida no poker você deve ter enfrentado algum jogador que deu um call com alguma mão absurda e acabou eliminando você do torneio. Pode não parecer, mas a jogada dele faz muito sentido e hoje você vai entender porque também deve fazer coisas assim. A importância da quantidade de fichas que você tem em seu stack é o que vai ditar quando e como fazer isso.

Vamos supor que as blinds estejam 500/1000 e você tem 7000 fichas. Ninguém realiza uma ação e você no botão manda all in. O small blind foge e o big bling paga com 93o. O detalhe é que ele tem 72000 fichas em seu stack. E você vê seu A8 perder depois que um simples 3 bate no flop. Você deve ter alguma história parecida com isso. Mas você consegue entender como tudo isso aconteceu?

Com 72 mil fichas, ele tem 72 big blinds neste exemplo. Você tem apenas 7 big blinds. 1500 fichas já estão no pote e ele precisa colocar 6000 fichas na mesa para tentar ganhar 13500 fichas, o que aparentemente não faz muito sentido. Mas se ele perder, vai sobrar com 66 big blinds ainda e vai ter muita saúde no torneio. E, claro, se ele ganhar ele elimina diretamente um jogador e fica um passo mais próximo da vitória. É isso que chamamos de “o poder das fichas”, em resumo. E pode ter certeza de uma coisa em torneios de poker: se você tiver a chance de eliminar um jogador, tente. Quanto menos jogadores na disputa melhor para você e para quem ficou.

Sei que o exemplo que mencionei pode ser considerado até exagerado mas com menos de 7 big blinds é difícil que um jogador consiga uma mão premium para poder jogar, o que o levará a dar all in com uma range muito maior de mãos. Considerando que ele jogue com apenas 30% do range (A5+, 55+ e 98+) sua mão joga com quase 30/70 contra ele. Em cada 10 vezes, 3 você elimina um jogador e nas outras 7 você não perde um valor significativo das suas fichas tentando fazer isso. Não pode ser considerado ruim, sob o aspecto das fichas. E com 14 big blinds ele estará respirando mas ainda por aparelhos, em alguns casos.

Nem sempre a mão é o fator mais importante para decidir se vale ou não a pena disputar uma mão. As vezes a quantidade de fichas, a posição e a condição do torneio (como, por exemplo, estar próximo da bolha na premiação) podem influenciar decisões e fazer você não entender como é possível que um jogador tenha dado aquele call. Quando acontecer novamente, lembre-se desse artigo. A mão não faz sentido mas os fatores externos sim.

Dúvidas? Grite no Twitter. E nos vemos semana que vem!