O fim da monogamia está chegando? Atualmente, os indivíduos buscam quebrar estereótipos e costumes antigos em busca de uma satisfação pessoal. Com o avanço da tecnologia, as redes sociais ajudam a se conectarem e aproximam a fantasia da realidade, transformando a forma de se relacionar. Veja tudo sobre tecnologia e relacionamento.

Dados da Second Love apontam quatro questões que permitem entender como funciona a tendência não-monogâmica e alguns dados de comportamento das pessoas praticantes do poliamor.

Tecnologia e relacionamento

1. A tecnologia abre portas para os relacionamentos:

As conexões digitais provocam maneiras mais emocionantes de conhecer novas pessoas que não pertencem a nossa bolha íntima, mas também servem para conectar com amigos do passado e antigos amantes. Na pesquisa, a maior porcentagem dos indivíduos revelaram terem sido infiéis com uma pessoa desconhecida e 59,25% acreditam que, no caso de infidelidade, escolheriam alguma pessoa que conhecesse por meio do aplicativo Second Love, o primeiro aplicativo de infiéis, ou de alguma rede social semelhante.

2. Em busca de uma aventura:

Os motivos pelos quais muitas pessoas casadas procuram casados para serem infiéis são os mesmos dos anos anteriores: para 53,58%, foi devido à monotonia e a fadiga na rotina; 52,36% foi pela falta de sexo em seu relacionamento atual; 49,39% pela falta de atenção por parte do parceiro e 35,19% procuraram momentos de adrenalina e de excitação. Dessa forma, ter uma aventura extramatrimonial acaba sendo para as mulheres casadas uma forma de fuga que permite quebrar os costumes impostos pela sociedade.

3. Empoderamento feminino:

A infidelidade ainda é considerada como uma característica masculina, mas as mulheres casadas atualmente estão preenchendo essa lacuna. Segundo Wednesday Martin, autora do livro Untrue, as mulheres casadas traem 50% mais nos tempos atuais em relação à década de 90. Os métodos contraceptivos, o aumento da influência nos negócios e uma maior independência financeira permitem com que as mulheres realizem a sua satisfação de suas próprias necessidades.

4. As relações atuais estão mudando:

A tendência atual mostra um crescimento no número de pessoas que preferem ter relações abertas, múltiplos ou de poliamor, já que a monogamia é um costume cultural do passado. Na maioria dos países ocidentais, a crença na importância da monogamia é forte, entretanto poucas pessoas realmente discutem com seu parceiro quais as implicações dessa relação. Caso consigamos admitir que uma atração passageira – ou uma conexão mais significativa com outro parceiro – pode não danificar nosso relacionamento principal e de fato podem complementá-lo, os relacionamentos poderiam sobreviver por mais tempo e de uma maneira melhor.