Aí vai uma notícia que pode parecer assustadora: todos os homens correm o risco de desenvolver o câncer de próstata, principalmente com o avanço da idade.

O diagnóstico da doença, claro, vai variar e, enquanto muitos pacientes não a desenvolvem, outros terão que enfrentá-la.

No Brasil, este é o segundo câncer mais comum entre o público masculino, perdendo apenas para o câncer de pele.

Cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

Mas vale lembrar que ainda há um número significativo de casos de câncer de próstata em pacientes com menos idade e o principal: a doença pode ter cura se diagnosticada precocemente.

Por isso é sempre importante ficar de olhos bem abertos e fazer exames com frequência.

Já deu para entender que a melhor solução é a prevenção, né?

Os homens precisam se conscientizar da importância das visitas regulares ao urologista, além da realização de exames periódicos indicados pelo especialista.

Além disso, exames de sangue podem indicar alterações na próstata e os resultados devem ser combinados com os do exame de toque, que também revelam ao médico possíveis irregularidades ou nódulos.

Veja também:

É possível reverter a vasectomia?

Câncer de testículo: diagnóstico, tratamento e cura

Homens vivem, em média, 7,1 anos menos que as mulheres, segundo IBGE

 

“Uma vez detectada alguma alteração na próstata, o médico urologista procederá com uma biópsia, que é o exame definitivo para a confirmação ou não do câncer”, explica o Dr. Paulo Egydio, médico PhD em Urologia, especialista e pioneiro na cirurgia de Reconstrução do Pênis, a Técnica Egydio.

O profissional ainda explica que o preconceito pode ser o grande vilão da saúde do homem: “A partir dos 40 anos, o paciente já deve ficar alerta à periodicidade dos exames, incluindo o de toque, que nada mais é do que uma avaliação feita por um especialista e que não deve ser vergonha para ninguém.

Pelo contrário, a prevenção pode ser a diferença entre a possibilidade de cura e a morte”.

Vai deixar mesmo que uma bobagem dessas prejudique a sua saúde?