O câncer de próstata realmente não é uma brincadeira. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) a doença é o segundo mais comum tipo de câncer entre os homens brasileiros, ficando atrás só do câncer de pele não-melanoma. O INCA ainda afirma que, com relação aos números de mortes causados por câncer, o de próstata está na segunda posição a primeira é ocupada pelo câncer de pulmão. Ou seja, por mais que ir no urologista não seja a coisa mais legal do mundo, todo homem deve ir.

A doença acontece na próstata, uma glândula pertencente ao aparelho reprodutor masculino e que fica abaixo da bexiga, na frente do reto e da uretra. A maioria dos casos de câncer de próstata começa através das glândulas que produzem o sêmen, que protege e nutre os espermatozoides.

 

Sintomas

Na fase inicial, a maioria dos pacientes não apresenta sintomas relevantes, mas pode sentir fatores relacionados a qualquer outra doença comum que acompanha o envelhecimento do homem. Como:

  • dificuldade em iniciar e manter um fluxo constante de urina
  • fluxo urinário fraco
  • micção excessiva durante a noite
  • micção frequente
  • retenção urinária
  • vontade de urinar
  • incontinência hiperplasia benigna da próstata

 

Diagnóstico do câncer de próstata

Não é novidade para ninguém que ao fazer 50 anos, é necessário fazer o exame de toque retal. Esse é um dos métodos para descobrir alguns sinais de que o paciente possa ter o câncer de próstata. Outro é por meio do exame de sangue, onde se vê a dosagem de uma proteína do sangue (PSA). Lembrando que esses dois exames não dizem se o homem está ou não com câncer, são apenas exames que mostram sinais de alerta.

Tanto é que cerca de 20% dos homens com câncer de próstata sintomático, uma variação da doença, apresentam um PSA normal. Dependendo da região da próstata, o câncer também pode não ser palpável pelo toque retal. Ou seja, o melhor a se fazer é realizar os dois exames.

Importante: pacientes considerados de alto risco, os que tenham parentes com câncer de próstata, são aconselhados a realizar o primeiro exame de toque aos 40 anos.

 

Tratamento

Cada caso de câncer de próstata será tratado de forma individual, já que cada pessoa tem um organismos diferente da outra. Para começar, é necessário saber qual é a classificação do câncer dentro do Escore de Gleason, pontuação dada a um câncer de próstata de acordo com a sua aparência microscópica. Quanto mais baixo é o escore, melhor para ser tratado:

  • Entre 2 e 4: significa que há cerca de 25% de chance do câncer se disseminar para fora da próstata em um período de 10 anos.
  • Entre 5 e 7: significa que há cerca de 50% de chance do câncer se disseminar para fora da próstata em um período de 10 anos.
  • Entre 8 e 10: significa que há cerca de 75% de chance do câncer se disseminar para fora da próstata em um período de 10 anos.

Como a maioria dos casos de câncer, muitas vezes o tratamento é feito através de quimioterapia e radioterapia. O câncer de próstata pode ainda necessitar cirurgia. Procure sempre um médico. 

Leia também