Home Séries As melhores séries de 2020

As melhores séries de 2020

O ano de 2020 foi atípico, não saímos tanto de nossas casas e nem encontramos nossos amigos e familiares da maneira que gostaríamos, mas não faltou oportunidade para maratonar alguma série, por isso separamos uma lista com as melhores séries em 2020.

Com isso em mente, cada redator do Testosterona separou uma série que o surpreendeu neste ano, são sugestões que valem a pena você dar uma chance, ainda mais neste fim de ano.

Melhores séries de 2020

Edu – Editor

Bojack Horseman

Criador: Raphael Bob-Waksberg
Melhores séries de 2020

Fiquei em dúvida sobre qual foi minha série preferida em 2020. Primeiro pensei na temporada de encerramento de “Dark” que encerrou uma série que me agradou bastante e entregou um final que não me decepcionou. Cogitei escolher “Tales From The Loop” pela beleza e sensibilidade da história e que mistura existencialismo e ficção científica com primor. Pensei até em falar da saborosa jornada que foi acompanhar Midnight Gospel. Mas aí lembrei de Bojack Horseman.

impressionante o caminho que Bojack percorre ao longo de suas seis temporadas, abordando temas complicadíssimos como depressão, drogas, questões familiares e tantas outras pequenas pedras que a vida coloca dentro do nosso sapato.

A transformação dos personagens ao longo da série e o desfecho da história nessa última temporada é digno de aplausos. Ao longo da série Bojack me entregou sensações que eu não sei nem transpor em palavras, alguns episódios são como um trem desgovernado passando por cima de você.

Pra quem nunca viu um episódio e tem receio de assistir uma animação protagonizada por um cavalo, assim como eu tinha antes de ver a primeira temporada, o que eu tenho a dizer é que Bojack me fez mergulhar dentro de mim mesmo.

É um mix de tristeza, melancolia, esperança e superação. Uma das melhores histórias que já tive o prazer de acompanhar, e que só uma animação tem a liberdade criativa para conceber uma trama tão complexa e poderosa.

Rafa – Redator

Alta Fidelidade

Criadores: Sarah Kucserka, Veronica West
Melhores séries de 2020

Já recomendei essa série por aqui, mas não acreditava que ela fosse fazer parte das melhores séries de 2020 para mim. Acredito que deve ter sido por como a música tem importância em cada episódio e misturado aos dilemas dos relacionamentos atuais.

Conhecer uma pessoa, ainda mais quando pensamos no quesito amoroso da coisa não é algo fácil, a coisa piora quando a relação acaba e se gostamos sentimos um vazio, como lidar e se manter equilibrado nesse caótico mundo.

A série é baseada no filme do mesmo nome estrelado por John Cusack em 2000. Entretanto, a protagonista é uma mulher vivida pela excelente Zoe Kravitz que incorpora perfeitamente o ar da coisa.

Depois de um término conturbado, Rob (Zoe Kravitz) tenta seguir em frente, conhecendo outras pessoas e revisitando antigos rostos para perceber se tudo realmente foi sua culpa, o mais interessante de tudo isso é analogia com a música para que cada acontecimento signifique uma boa lista.

Carol – Redatora

Self Made: A Vida E A História De Madam C. J. Walker

Criadores: Nicole Jefferson Asher, A’Lelia Bundles
melhores séries de 2020

Na categ’s Série, eu amo “Self Made: A Vida e a História de Madam C. J. Walker” que retrata uma fodona empreendedora de um tônico capilar, direcionado pras mulheres afro-americanas.

A trama fala de tanta coisa importante, como o racismo estrutural, o embranquecimento glamourizado, o real significado da parceria, tanto nos negócios, como no amor e na amizade. É emocionante e inspirador. E (Ah!!!) Octavia Spencer é talentosa somente respirando. Sem dúvidas, uma das melhores séries de 2020.

Fran – Chefe de Redação

Queer Eye

Criadores: David Collins David Metzler

Em 2020 eu evitei qualquer filmes e séries com violência, guerra ou vingança – o que a gente teve de vida real já era o suficiente. E na busca por conteúdos que me gerassem bons sentimentos, cheguei em Queer Eye, na Netflix.

Não é uma série nova, é um reboot da primeira versão que foi ao ar entre 2003 e 2007, em que homens gays dão uma “repaginada” na vida de homens héteros com dicas de moda, gastronomia, beleza e cuidados pessoais, decoração e cultura. É uma verdadeira mudança pra ajudar homens que estão em algum processo de luto, ou pós separação, ou outros momentos e que precisam de ajuda para se sentirem mais confiantes, organizados, bonitos e diversos outros aspectos.

Os episódios vão fundo no que cada um precisa trabalhar internamente, cheio de dicas que você pode absorver e se identificar, e te dão uma colher de ânimo para mudar as coisas na sua vida, casa, guarda-roupa. Ver as pessoas mudando, melhorando, se valorizando e reconhecendo o melhor delas mesmas através do empurrãozinho dos “5 Fabulosos” é um sentimento incrível ao final de cada episódio que você vai querer que dure pra sempre.

E podemos esperar a versão brasileira da série porque a Netflix anunciou e divulgou o elenco nacional em 2020. Recomendo demais!

Dino – Redator

Mandaloriano

Criador: Jon Favreu
melhores séries de 2020

2020 foi o ano que tive a oportunidade de passar mais tempo com a minha filha, então basicamente tudo que me marcou sempre acaba tendo relação com paternidade. Muito embora a série não tenha sido lançada em 2020 eu só comecei a ver agora quando assinei o Disney+.

A premissa de “O Mandaloriano” ocorre após a queda do Império, conforme retratado em O Retorno de Jedi, e antes do surgimento da Primeira Ordem, retratada em O Despertar da Força, fatos que para um fã fanático como eu já a tornariam mais do que interessantes.

Mas a série que conta a história de um caçador de recompensas mandaloriano independente “nos confins da galáxia, longe da autoridade da Nova República, sempre buscando formas de fazer melhorias em sua armadura, até que em uma missão ele acaba encontrando um ser misterioso que precisa de sua ajuda, chamado Grogu, também conhecido como “A Criança”, e opta por correr para proteger o bebê. Enquanto em sua busca para aprender mais sobre as origens de Grogu, eles são perseguidos por Moff Gideon, um ex-comandante Imperial.

A real (tudo que eu contei até aqui são basicamente sinopses, se você não quer tomar alguns spoilers sugiro parar a leitura aqui) é que o Mando, por fim, se torna pai do “Baby Ioda”, ou seja, um lobo solitário que nunca pensou em dividir sua vida com ninguém acaba responsável por outra vida além da sua, e para sua própria surpresa ele gosta disso. Sua vida muda tanto que ele não entender mais como viveu até lá sem isso. Tal qual esse ser jurássico que vos se sentiu quando se tornou um pai.

SUZY – Redatora

O Gambito da Rainha

Criadores: Scott Frank e Allan Scott

“O Gambito da Rainha”, é a nova minissérie da Netflix, ela retrata com drama e senilidade, como uma garota prodígio se tornou o topo do mundo jogando xadrez. Beth Harmon (Anya Taylor-Joy), que chega órfã ao lar para Meninas Methuen após a trágica morte de sua mãe. Beth é implacável no tabuleiro de xadrez, ela ataca com uma precisão mortal.  Nascida de uma inteligência intuitiva, vamos assim dizer, um gênio. Aprendeu a jogar com o zelador residente do instituto em que era órfã, com a sua insistência, ele a ensinou a jogar.

Beth continuou a jogar e assim, participando de pequenos campeonatos, escola, da cidade, e até do estado. E a sua ambição a fez ter uma visão mais ampla, foi quando a mãe adotiva, a Sra. Alma descobre quanto dinheiro Beth pode ganhar com o xadrez, dai começaram a  percorrer o país participando de vários torneios.

A minissérie é baseada no romance homônimo de 1983, de Walter Tevis. Walter Tevis é disputado a tapa para que suas obras sejam adaptadas. Seus dois trabalhos mais famosos adaptados para o cinema são Desafio à Corrupção “The Hustler” e “The Color of Money”, ambos estrelados por Paul Newman. Significado do titulo: O Gambito da Rainha, em inglês,  “The Queen’s Gambit”.

A expressão se trata de uma jogada tradicional de xadrez que ocorre logo no início da partida. A abertura funciona da seguinte maneira: o jogador que detém as peças brancas ( e que faz o primeiro lance) sacrifica um peão para dar espaço aos seus próximos movimentos. Ainda que arriscado, o truque garante a quem começa o jogo uma vantagem crucial sobre o oponente. A própria palavra “gambito” já indica uma ação ou artimanha destinada a enganar uma pessoa, com o intuito de derrubá-la.

Julian – Redator

Homens?

Criador: Fábio Porchat

A série idealizada e roteirizada por Fábio Porchat conta a história de Alexandre, vivido pelo próprio Fábio, e seus amigos Gustavo, Pedro e Pedrinho, vividos respectivamente por Gabriel Godoy, Gabriel Louchard e Raphael Logam. A série começa com Alexandre descobrindo está impotente sexualmente, e mostra ele tentando lidar e resolver essa situação, e logo vemos um diálogo entre Alexandre e seu Pênis, vivido por Rafael Portugal.

A história vai te mostrar uma desconstrução da imagem do homem como um ser sempre forte, cheio de certezas e razões, e nos apresenta uma imagem mais realista como alguém cheio de defeitos e inúmeras incertezas e preocupações.

Com 2 temporadas até o momento a série mostra como os personagens se desenvolvem e evoluem com cada acontecimento e descoberta que fazem de si mesmo e de suas relações que os cercam e tudo isso sem perder nem uma pitada de humor.

Mais posts pra você

COMENTE JÁ