Home Sex Workers Paula Dias: “Toda mulher deveria ser atriz porno por um dia”

Paula Dias: “Toda mulher deveria ser atriz porno por um dia”

Nome: Paula Dias
Idade: 29 anos
Cidade: São Paulo
Instagram: @paulinhaold
Twitter: @paulinhaold

Paula Dias

Paula Dias é uma das sex workers que viu a oportunidade de explorar seu desejo sem pudores. Batemos um papo sobre sua nova carreira que pretende levá-la longe.

Paula Dias

Para começar, conte um pouco pra gente da sua trajetória, há quanto tempo você trabalha com produção de conteúdo adulto e como você entrou neste ramo?

Eu trabalho com produção de conteúdo há mais ou menos seis meses, entrei após ser demitida de uma grande empresa de seguros, sempre foi uma área que me atraiu por lidar com criatividade e exibicionismo e é claro, bom retorno financeiro.

O que você mais gosta no seu trabalho como sexworker? E o que você não gosta?

O que eu mais gosto é a idealização do conteúdo, pensar em um tema e depois criar todo um roteiro para as fotos e vídeos, além da atenção dos seguidores.

Acredito que seja mais incômodo é o desrespeito das pessoas que são mais preconceituosas, sempre vejo relatos de hate gratuito e desnecessário, como todo o resto, o conteúdo adulto é apenas mais uma ramificação do ramo de entretenimento e merece respeito.

Paula Dias, hoje já é sua atividade principal?

Sim, nesse momento é a minha atividade principal.

Como é para você, a sensação de ser desejada por tantas pessoas? Você se considera exibicionista?

Essa questão de ser desejada por muitas pessoas é muito boa para a autoestima, pro ego e é uma das recompensas de trabalhar como sex worker. Sim, eu me considero exibicionista, eu me sinto muito bem quando alguém diz que o conteúdo deu tesão, toda mulher deveria ser atriz porno por um dia rs.

Conte para nós como é sua rotina de trabalho?

Na semana eu fico produzo conteúdos de fotos e vídeos para as redes sociais durante o dia, faço as postagens nas redes e interações em geral e fico online na câmera como camgirl a partir das 18h até bater a minha meta diária no chat.

Você segue um cronograma de postagens e de onde tira as ideias para seu conteúdo?

Sim, eu faço um cronograma mensal e me organizo sobre o que depende só de mim e o que tem participação do meu namorado, além do cronograma de edição de fotos e vídeos, prévias. Eu tiro ideias de tudo, o meu foco principal é a estética amadora, mas eu tiro muitas ideias de filmes, revista, outros perfis que sigo, quando você virá criador de conteúdo tudo vira fonte de post.

Quais as sensações que influenciam em sua produção de conteúdo?

As sensações são de pensar que estou criando um conteúdo que é com pessoas normais, com tatuagem, piercings, sem corpos padronizados, que realmente tem uma relação, acredito que a identificação de quem está assistindo possa proporcionar um tesão de um casal, ou algo que seja mais real, o meu tesão em gravar esse conteúdo é levar algo o mais verdadeiro e simples possível para oferecer proximidade e vontade em quem assiste.

O que mudou na sua vida depois que você passou a trabalhar como sex worker? As pessoas te apoiaram?

Acho que o que mais mudou para mim é essa sensação que o meu faturamento depende de mim e em segundo essa necessidade de reconhecimento que temos sobre o nosso trabalho, que para o conteúdo adulto, ainda está longe de acontecer, apesar de já ter melhorado muito. As pessoas que eu amo que são próximas me apoiaram muito, houve críticas, mas quem importa entendeu e respeitou.

Você sofreu algum preconceito pelo seu trabalho? Como você lida com isso?

Sofri preconceito de alguns membros da família, mas nada muito claro na minha cara, foi mais comentários soltos. Eu me importo com poucas pessoas na minha vida, essas me apoiaram, o resto eu respeito a opinião, mas mantenho distância, porque acredito muito no que estou fazendo e não quero nenhuma negatividade por perto.

Como é sua relação com seus seguidores?

É bem legal, são pessoas muito respeitosas, apesar do que pensam, elogiam, mandam mensagens, interagem bem, até o momento está sendo bem bacana essa troca.

Qual é o sonho que deseja realizar?

Crescer nesse ramo e poder levar essa mensagem de diversidade no conteúdo adulto independente cada vez mais longe.

Quem são as sexworkers que te inspiram?

Me inspiro muito na Dread Hot e no Alemão, por que assim como eu e meu namorado, eles começaram com a câmera e se tornaram grandes produtores de conteúdo adulto, quebrando a bolha no ramo e estando em vários espaços nunca antes imaginados na mídia.

O espaço é seu. Deixe um recado para os leitores.

Olá leitores do Testosterona, gostaria de convidá-los para me seguir nas redes sociais, conhecer meu conteúdo e saber mais sobre o meu trabalho, vem me conhecer melhor que eu tenho certeza que você vai virar fã!

COMENTE JÁ

Mais posts pra você