Home Sex Workers Sabrina Star – O sex work levado muito à sério!

Sabrina Star – O sex work levado muito à sério!

A Sabrina Star é uma “empresa de 1 pessoa só”, diretora de criação, marketeira, empreendedora, modelo, fotografa e tudo mais que precisar. Ela leva o sex work muito a sério, mas também se diverte bastante, já bati um papo rápido com ela aqui no blog em outra oportunidade, mas hoje esse ser jurássico que vos escreve traz para vocês uma conversa especial, pois além de alguém que respeito muito pela trajetória, já a considero uma grande amiga, então é um orgulho apresentar um pouco mais da história dela para vocês, confiram a seguir.

Primeiramente Sabrina Star, conte um pouco pra gente da sua trajetória, há quanto tempo você trabalha com produção de conteúdo adulto e como você entrou neste ramo? 

Bem, eu pessoa física já uso o Twitter há muitos anos e um dia li sobre meninas que usavam a rede para divulgar serviços de acompanhantes e publicar fotos mais provocantes. Nunca tinha visto isso e fiquei encantada! Tinha vontade de expor esse meu lado mais sensual, mas não sabia como. Daí falando com uma amiga que também vendia fotos, ela me explicou o que era, como funcionava. Então surgiu a ideia desse álter-ego, a Sabrina.

Então resolvi postar fotos apenas para me exibir e ganhar o famoso “biscoito”. Conforme fui ganhando seguidores, comecei a receber mensagens de caras querendo mais fotos, vídeos exclusivos, enxerguei uma oportunidade de negócio e resolvi reposicionar meu perfil, tornar ele mais profissional, tirar fotos melhores, trabalhar na divulgação, me inserir mais no meio. Pois tudo isso é recente, a Sabrina é nova tem apenas 1 ano, mas sempre levei muito a sério, apesar das brincadeiras isso é um negócio de verdade, quase uma “empresa de 1 pessoa só”.

O que você mais gosta no seu trabalho como Web Model? E o que você não gosta? Hoje já é sua atividade principal Sabrina Star? 

Esse trabalho me permite usar minha criatividade e ser eu mesma (mesmo não mostrando o rosto e o nome), além de interagir com pessoas do Brasil todo, do mundo, fazer contatos que podem virar negócios, networking. Porque é interessante, às vezes numa brincadeira ganhamos um cliente, ou através de algum cliente conseguimos fazer uma ponte e ajudar alguém. O que eu não gosto sem dúvida são os malandros que tentam tirar vantagem da gente. Aquele pessoal que tenta puxar assunto, bater papo, sabendo que nosso tempo é dinheiro, sabendo que a gente tem muitas outras demandas pra atender, só pelo prazer de dizer que conseguiu tirar alguma vantagem.

Ou aqueles com síndrome de “Salvador”, que chegam oferecendo milhões de dólares, que acham que estamos passando necessidade por isso vão nos ajudar, nos bancar pra sair dessa vida, sendo que uns mal ganham um salário mínimo e não fazem nem ideia do quando a gente gasta. Também não gosto dos fakes, perfil que vende foto roubadas de outras pessoas e que dão golpes. Os aproveitadores no geral, mas, principalmente, não gosto de pessoas, tanto civis, como às vezes do próprio meio, que tentam nos botar pra baixo, nos diminuir, achando que somos burras, só um par de peito e uma bunda. Que criam o seu julgamento antes mesmo de nos conhecer. 

Como é para você, a sensação de ser desejada por tantos homens?  Você se considera exibicionista?

Sabrina Star: Bom, sempre gostei de saber que dou tesão em alguém, isso me deixa muito excitada. E saber que alguém me quer, que pensou em mim, ou que causei essa sensação de prazer, é muito legal. Pensa no poder, às vezes só uma mensagem ou uma insinuação, alguma provocação já causa arrepios neles. Tem cliente que manda: “fiquei olhando aquelas fotos e mal consegui trabalhar…“. Só pelas fotos que eu publico, mesmo sem mostrar nada, já consigo mexer com a imaginação de alguns. Acho que esse retorno é a maior prova que meu trabalho está dando certo, que tô indo bem. Sou bastante exibicionista, gosto de ser observada, fazia muito dogging com um ex-namorado, gosto de pensar que tem alguém me olhando tomar banho, me vestir, que alguém pode estar me observando transar com outro. 

Como é seu dia a dia e sua rotina de trabalho? E quando não está trabalhando, o que você gosta de fazer nas horas vagas?

Sabrina Star: Eu tenho um trabalho CLT das oito às cinco, Treinamento Funcional 3x na semana, que eu tô fazendo em casa e algumas aulas à noite, pois estou terminando a Faculdade de Marketing. Tô fazendo até mais coisas nesse isolamento que fazia antes. Para relaxar eu gosto de ouvir música, ler, às vezes eu gosto de ver um filme, um seriado, passear com meu cachorro, não vejo problema em sair sozinha, em fazer as coisas sozinha, em jantar, ir ao cinema sozinha. Quando dava, eu gostava de passear pela cidade, tomar chimarrão nos parques, encontrar meus amigos. Mesmo antes da Pandemia, eu já estava curtindo ficar mais tranquila, sem muito agito. 

Sabrina Star, você faz um planejamento para criação do seu conteúdo? Diferente de outras modelos, você não trabalha com plataformas, seu trabalho é mais direto, né? Você faz por prazer e deixa o instinto te levar durante as gravações?

No momento eu tô atendendo mais encomendas. Então, o planejamento acontece quando eu recebo o pedido. Sempre converso com a pessoa, perguntando do que ela gosta, qual a preferência dela, pra conhecer um pouco. Pego essas informações e sempre peço uma música que ela goste para eu me inspirar, seja para fazer um vídeo, um JOI, o que for. Vou ouvindo essa música e pensando, junto com algumas inspirações que eles mandam também.

Os últimos pedidos tive liberdade criativa total, até por serem clientes frequentes. É muito bacana essa conexão que a gente cria, que gera essa confiança no nosso trabalho. Também um compromisso de entregar algo legal e bem feito. Geralmente eu deixo a câmera rodar e me solto. Depois faço a edição e ajustes, mas não fico olhando nem pensando que tá filmando. Só paro mesmo se a câmera ou eu cair. 🤣 Tem também vídeo chamadas, mas nesse caso as coisas vão acontecendo na hora, tudo bem espontâneo.

Você trabalha com a produção de materiais personalizados, né? Recebe muitos pedidos inusitados por parte dos seus fãs? Lembra-se de algum curioso que possa nos contar?

Sabrina Star: Bom, eu recebi sim, uma vez, um pedido de vídeo de Feederismo. Aí, fui pesquisar o que era pra saber se faria ou não. Ele disse que gostava de gordinha e queria porque queria um vídeo meu comendo um prato de macarrão de lingerie, me lambuzando, que deixasse cair, e eu “ah Ok!”. E foi a única coisa que eu fiz. Acho fetiches coisa séria, até dá pra brincar com coisas leves, mas sem conhecer ou ter noção de como fazer bem feito, eu prefiro indicar amigas que fazem.

Aliás, tem muito pedido que vem com segundas intenções, e tenho absoluta certeza que é o tipo de pedido que pode ser usado contra a gente. Já recebi mensagem querendo que eu gravasse vídeo de humilhação falando coisas racistas e xenófobas. Nem por todo dinheiro do mundo eu faria isso, não só por ser crime e absurdo, mas porque com certeza voltaria contra mim. Dinheiro nenhum vale a incomodação.

Além disso, você estuda marketing, né? Sabrina Star, como você aplica esse conhecimento técnico em seu trabalho como sex worker?

Aplico muito, testo muitas coisas que aprendo e converso com outras pessoas. Eu sempre falo para as minhas amigas: uma foto, se tu não souberes o que fazer com ela, é só uma foto! Então, até pra parecer uma selfie despretensiosa e ter o retorno que tu esperas, tu tens que entender uns macetes, ter conhecimento de algumas ferramentas. Dá para usar técnicas simples, mas tem que ter interesse em aprender, ir atrás de leitura apropriada, pessoas qualificadas pra ensinar. Eu até escrevi um texto bem amador externando isso para quem quisesse saber como é que eu fazia, umas dicas. Depois que tu aprendes e entendes como funciona as plataformas, qual melhor hora pra publicar uma foto, qual forma de comunicação usar, os ganchos, tu consegues aprimorar teu trabalho e ter um bom retorno. 

O que mudou na sua vida depois que você passou a trabalhar como sex worker? As pessoas próximas a você te apoiaram? A propósito, já sofreu preconceito por isso, como lidar?

Sabrina Star: Em primeiro lugar: foto de graça nunca mais! 🤣 Nem selfies eu tiro de graça. Quando você se dá conta o quanto de foto e material desperdiça, nossa! Mas principalmente fez eu me senti melhor comigo, mais bonita, mais confiante, mais segura, corajosa. Mudou o meu pensamento em relação a muita coisa, me fez perceber que existe lugar para meninas como eu, com meu corpo e estilo, e que tudo bem ser assim. Ampliou a minha visão de mundo.

Me permitiu conhecer pessoas e histórias além das aparências, ajudar e fazer parte de momentos especiais. Eu acho isso muito legal quando a gente pode usar a nossa voz e imagem para um bem maior, mesmo que seja pelada, se isso nos permitir chegar mais longe e contribuir de alguma forma para melhorar a vida de alguém. Para mim é uma terapia, me mudou muito e me fez deixar para trás atitudes que não faziam mais sentido e valorizar outras coisas.

Sabrina Star
“Alma de empresária…”

Tenho dois melhores amigos fora do meio que sabem. Eles acham um máximo, dizem que é a minha cara, bem o tipo da coisa que só eu poderia fazer, me chamam até de empresária do entretenimento adulto. E meu ex-namorado também sabe. Me apoiou muito e achava tudo lindo, adorava as fotos, eu mostrava pra ele, só elogios. Até o momento eu não sofri nada. Eu sou bem discreta, não tenho vergonha do que faço mas prefiro contar apenas para pessoas próximas e de confiança, porque ainda tem muita gente ainda vê com maus olhos e julga muito. Além daqueles que tentam ganhar vantagem. Eu costumava falar mais, mas ainda tem muita gente desinformada e eu acho um saco ter que ficar explicando então prefiro não perder meu tempo. Tanto sendo pessoa física ou jurídica, eu não falo do meu outro lado. 

Você também faz parte de um coletivo de apoio a trabalhadoras sexuais, correto? Sabrina Star, conta um pouco pra gente desse trabalho…

A convite da Duda, que até já deu entrevista pra vocês aqui, comecei a fazer parte da Articulação Nacional de Profissionais do Sexo (ANPS). É uma associação sem fins lucrativos, que visa promover e defender os direitos humanos e respeito pela classe das Trabalhadoras Sexuais, seja por meio de atividades e ações socioeducativas, ações e assistência de saúde, como resguardar os direitos humanos relativos à cidadania e dos direitos sexuais das(os) profissionais do sexo brasileiras(os). Por meio de campanhas e ações de arrecadação, onde inclusive disponibilizei meu material em troca de doações, para tentar minimizar o impacto que a Pandemia causou no trabalho e dia a dia dessas trabalhadoras. Além de também ajudar trocando informações e conhecimento e fazendo ligações com outras pessoas que também podem ajudar. 

Sabrina Star

Além de web model e material personalizado, você pretende expandir seus conteúdos para outras plataformas, como o Xvideos e PornHub? 

Sabrina Star: Bom, no momento estou sem notebook e isso é um limitador, mas eu tenho muita vontade sim de entrar para um site de LiveCam, até recebo bastante pedido de seguidor pra entrar. Queria criar um canal, expandir para outras plataformas de disponibilização de material. Eu acho, que a gente tem que espalhar os ovos por várias cestas e fazer render, aproveitar todas as oportunidades que a gente tem. Se tem material parado, pelo menos que fique parado, rendendo em algum lugar, né?

Apesar de trabalhar com conteúdo erótico, você curte assistir pornô também? Algum tipo preferido? 

Sabrina Star: Muito. Adoro. Sempre gostei. Desde o saudoso e clássico Cine Prive até o famoso Sexy Hot que a gente desbloqueava na Tv a cabo. Eu sempre assisti. Às vezes eu tava de boa e batia um calorão e eu ia lá nos meus favoritos dar aquela aliviada. Eu adoro pornô gay homem com homem. Afff, que delícia. Mas quanto mais amador e simples melhor. 

Da mesma forma, o que te excita na hora do sexo e o que alguém precisa ter para chamar sua atenção? Alguma fantasia ou fetiche que possa compartilhar com nossos leitores?

Sabrina Star: Vou parecer arrogante, mas sou do tipo de pessoa que não se impressiona fácil. Eu não sou interesseira, não dou bola pra posses, conta bancária, isso que me chama atenção. Eu gosto de estilo, bom gosto, pessoa com conhecimento, que gera boa conversa sabe? Primeiro que eu não gosto do clichê “ah vou te pegar, vou fazer isso, vou fazer aquilo”, me broxa na hora. Tudo começa pelo olhar, acho que o olhar já entrega a intenção. E eu gosto muito de observar a linguagem corporal das pessoas, então, também já dá para ter uma base sem a pessoa falar nada.

Ah, e que dê as cartas, não precisa falar que vai fazer, vai e faz. Também aquela pegada, te bota na parede, aquela respiração, aquele beijo, aquela coisa toda já dá um um calorão… eu adoro flertar, e não costumo me enganar, eu bato o olho e já sei como vai ser. Ah, fetiche que eu amo é inversão. Eu sei que é um tabu, eu sei que é uma coisa que o homem não fala muito, e quem curte é bem discreto em falar. Inclusive, vem logo vacina pois tenho umas propostas aí que eu recebi pelo Brasil e preciso atender, eu preciso resolver essa demanda. 

Aliás, falando em sexo, que músicas não podem faltar na playlist da Sabrina Star para transar?

Adoro ouvir blues, jazz e soul. Aquele tipo de música de striptease, pole dance. Que dê aquele movimento, ritmo leve, relaxante. Só de pensar nas músicas já chega a dar uma coceirinha, lembrei de uns lances aí, ai socorro!

Tem algum sonho que você ainda deseja realizar? Você tem alguma sex worker que te inspire? 

Sabrina Star: Não seria bem sonho, mas um desejo é ter minha casa própria e ter uma vida confortável, seja ela fruto do SW ou outra coisa. Bom, a top das tops pra mim que inclusive foi vendo os vídeos dela que aprendi a fazer JOI, é a Gween Black. Também gosto muito da Angela White. Dizem até que sou muito parecida com ela, apesar de não verem meu rosto, acham outros atributos semelhantes. com ela. Essa duas tem um carisma, uma afinidade com a câmera que me inspira muito. Assim como tantas outras que fazem trabalhos lindos.

Que dicas a Sabrina Star daria pra uma garota que está pensando em se tornar uma Sex Worker ou mesmo só para mulheres, homens ou casais que desejem explorar mais seu lado exibicionista?

Bom, a dica principal é: você não vai ficar rica vendendo foto. Eu sei que cada um tem seus motivos para estar aqui e fazer o que faz, mas ainda tem gente que vem pelos motivos errados, que não cabem a mim julgar, mas tem meninas que infelizmente, entra nesse meio de forma muito precoce, não pela idade, mas pela falta de conhecimento do mundo, e acaba se prejudicando pela falsa ilusão do dinheiro fácil. E não é só porque exige trabalho, mas porque querendo ou não vai ter um esperto, vai ter um malandro, que vai saber seduzir, e tem meninas que acabam se dando mal por causa dessa gente escrota.

Então, primeiro de tudo, sendo bem honesta, pense bem, converse com outras meninas mais experientes, tem muita menina acessível que pode ajudar. Tenha em mente que não é fácil, inevitavelmente você vai ter que abrir mão de algumas coisas, fazer escolhas. Preserve sua saúde, sua paz, procure se cercar de pessoas boas e de confiança, um grupo de apoio que poderá te ajudar e te amparar. Não renuncie a seu estilo e princípios, nem por todo dinheiro do mundo.

“Mantenha sua paz…”

Perca a venda, mas não perca sua paz. Você vai ficar tentava com propostas milionárias, mas pensa bem, nessa economia, uma pessoa querendo pagar tanto assim por fotos? Mas se mesmo assim você se der conta que não se adaptou, pode sair, sem problema. Tem muita gente que não dá certo aqui e não admite, acaba culpando o meio pela própria incompetência. Acontece, não é pra qualquer um. Isso é um meio para um fim, você não é refém. Mas acima de tudo, faça seu trabalho sem se preocupar com os outros e outras, sem dar bola pra ostentação e glamour. Tem muita gente que age igual estrela pra si, pra auto aceitação, então não dê bola. Ah, ser bonita e gostosa um dia acaba, então invista em conhecimento e educação. 

Pra quem quer entrar no exibicionismo, faça por vontade própria, não por obrigação. Isso não salva casamento, não segura ninguém. É legal, divertido, mas não pode ser forçado. E para os casais, seguinte: Casal são duas pessoas, tá? O que mais vejo é “casal exibicionista” que só aparece a mulher e mal aparece a mão do cara. Nunca vi casal exibicionista que o cara tem vergonha. Vamos se ligar. Primeiro de tudo, tem que ser consensual e vocês tem que ter cumplicidade. Não tem que expor a mulher para o prazer dos outros, sem ela autorizar. Se o cara tá com vergonha, então vaza e deixa a mulher fazer sozinha, beleza? Estamos de olho.

Por fim, muito obrigado pela atenção e carinho de nos receber. O espaço é todo seu Sabrina Star, deixe um recado final para nossos leitores. Onde as pessoas podem encontrar seus conteúdos?

Obrigada você Dino! E obrigada também ao Edu, pelo espaço e por nos ouvir. Beijos todos do SAC, adoro vocês. Quem quiser saber mais sobre mim, quiser mais dicas e saber mais sobre a ANPS e outros projetos que eu apoio, só me procurar no twitter, que é minha rede principal. Lá eu recebo os pedidos e faço o direcionamento das demandas.

E é isso senhoras e senhores! Assim sendo, nos falem suas impressões sobre essa entrevista da Sabrina Star, e deixem suas sugestões de pauta, é muito importante saber o que nossos leitores pensam…

Então, gostou do post com a Sabrina Star? Então deixe sua opinião nos comentários!

COMENTE JÁ

Mais posts pra você