Os fetiches são desejos particulares, existem alguns descarados e sujos e outros bem peculiares. Apesar de ser algo bem particular, as fantasias sexuais são surpreendente como declara uma pesquisa feita nos Estados Unidos.

Existem fantasias bem peculiares, ainda mais que muito deles são difíceis de identificar, afinal não são todos que gostam de conversar sobre seus fetiches.

Uma estudo feito em 2017 feito pelo Journal of Sexual Medicine descobriu que quase 50% da população afirmou ter experimentado alguma prática de BDSM em suas vidas. (Como bondage, dominação e submissão, sadomasoquismo estão entre os mais comuns praticados).

Entretanto, não existe consenso geral sobre a frequência que as pessoas praticam seus fetiches, mas existe uma frequência da maneira que fantasiam. A pesquisa foi feita por Justin Lehmiller, PhD, pesquisador do Kinsey Institute. Em seu livro,Tell Me What You Want, ele pesquisou 4.175 americanos entre 18 e 87 anos sobre suas fantasias sexuais e descobriu exatamente quais mais chamam atenção.

Não é porque você gosta de uma fantasia sexual que necessariamente deseja torná-la real. “Se uma fantasia não é consensual ou apresenta um risco inaceitável de dano, ela nunca deve ser posta em prática“, explica ele  Lehmiller. “Lembre-se de que fantasia e realidade são duas coisas diferentes, e é melhor deixar algumas fantasias serem apenas fantasias.

Quais são nossos maiores fetiches?

O BDSM é a fantasia sexual mais comum, de acordo com a pesquisa de Lehmiller. De fato, quase todas as pessoas fantasiaram sobre BDSM pelo menos uma vez, com 93% dos homens e 96% das mulheres relatando que têm alguns fetiches. 

Domínio, submissão e bondage foram os elementos mais populares dessas fantasias, com fantasias de submissão e bondage sendo mais comuns entre as mulheres e fantasias de domínio sendo mais comuns entre os homens“, diz Lehmiller.

Dirty Talk (Conversa Suja) foi a segunda fantasia mais popular. 98% dos homens e 93% das mulheres disseram que haviam fantasiado sobre seu parceiro falando safadeza sobre si. 

O terceiro item da lista foi a incorporação de personagens, com homens e mulheres com fantasias de médico, professor, policial. (82% dos homens e 83% das mulheres pensam direto sobre essa fantasia).

  • 73% dos homens e 48% das mulheres já haviam fantasiado sobre voyeurismo (espionar outras pessoas fazendo sexo) 
  • 58% dos homens e 36% das mulheres fantasiam sobre seu parceiro fazendo sexo com outra pessoa.  47% dos homens e 36% das mulheres disseram ter fantasias em se expor público. 
  • 43% dos homens e 36% das mulheres disseram que já haviam fantasiado sobre pelo menos um objeto de algum fetiche, como couro, sapatos e / ou meia-calça.
  • 37% dos homens e 41% das mulheres disseram ter fantasia com sexo e comida misturados. 
  • 31% dos homens e 22% das mulheres disseram ter fantasia sobre fisting (vaginal e / ou anal).

Muitas das fantasias sexuais que as pessoas pensam que são raras ou incomuns são realmente muito comuns”, explica Lehmiller. “É importante expandirmos nossa compreensão do que é uma fantasia ‘normal’, porque quando as pessoas pensam que suas fantasias são raras, elas tendem a sentir mais vergonha, culpa, vergonha e ansiedade, o que pode levar as pessoas a evitar falar sobre sexo normalmente