O sexo pode ser afetado nessa fase de quarentena dos brasileiros. O isolamento social pode impedir que muitos pratiquem o ato. Entretanto, alguns procuram o lado criativo para compensar seus desejos.

Em nossa pesquisa realizada pelo Instagram no dia 24 de março, constatamos entre que 1297 pessoas, apenas 24% dos brasileiros tem feito sexo na quarentena, enquanto 56% procuram a pornografia.

Percebemos que para evitar o contato humano, ainda mais que estamos com aquele medo do vírus, muitos encontraram na masturbação o alívio de suas vontades. Além do mais, foi comprovado que o ato faz um bem para saúde, claro, sem excesso. Mas, e quanto ao sexo? Estamos liberados?

A recomendação do Ministério da Saúde ressalta que devemos manter, pelo menos, dois metros de distância das pessoas. Logo, braços, beijos e carências, e o sexo temporamente precisam ser evitados. Para os brasileiro isto é algo tão pesado, pois somos um povo tão receptivo e caloroso.

O urologista e sexólogo Danilo Galante ressalta que ainda não existe nenhum estudo que comprove que podemos se contaminar por relações sexuais, mas o risco ainda poderia ocorrer com a troca de carências pelas gotículas da saliva.

E os profissionais da saúde?

sexo na quarentena

Os profissionais da saúde estão diretamente ligados com pessoas infectadas. O sexo para eles poderiam ocasionar uma propagação maior, mas além disso eles devem ficar separados de outras pessoas, e nem mesmo dividir objetos pessoais. Totalmente reclusos nesse período.

Como falamos em nosso artigo sobre a diminuição de compartilhamento de nudes nesse período, as pessoas estão evitando criar lações que não poderão ser vividos pessoalmente com a restrição de distância.

Quarentena e o sexo com seu parceiro (a)

sexo na quarentena

Entretanto, nem tudo está perdido sexualmente. Se o casal está isolado sozinho e ficam na mesma casa, o médico integra que se não houver sintomas, os dois podem fazer sexo.

Se as duas pessoas estão na quarentena e se não apresentam qualquer tipo de sintoma, a OMS entende que não há riscos na prática sexual. Na verdade, este talvez seja um bom momento para se aproximar e ter mais contato com o par ou até se reinventar e aproveitar o tempo juntos para se redescobrir. Se saudável, o casal pode ir fundo nas fantasias, nos brinquedos e nos jogos sexuais”, afirma Galante.

Namoro digital

Parece que nesse período, o namoro digital atingiu outras proporções, as pessoas estão baixando os aplicativos de encontro. O sexólogo recomenda que priorizemos o contato nas redes sociais, enquanto aos solteiros, a melhor alternativa é encontrar em descobertas desses aplicativos oportunidades de realçar descobertas.