Um momento tão prazeroso quanto uma relação sexual, para algumas pessoas é sinônimo de sofrimento. Infelizmente muitas mulheres sentem dor no sexo, síndrome chamada de dispareunia pelos profissionais da saúde. Mas saiba que isso tem cura e vamos te mostrar tudo o que precisa saber sobre o assunto.

Dor no sexo

Uma pesquisa britânica constatou que uma em cada dez mulheres sente dor durante a relação sexual. Triste, né? O principal problema disso é que muitas pensam que é normal e não comentam nada com o parceiro ou com um médico.

A dispareunia pode ter muitas causas, desde fisiológicas até psicológicas. O problema pode ocorrer no sexo masculino e feminino, mas é muito mais comum entre as mulheres.

 

Veja também:

Câncer de próstata: sintomas, diagnóstico, tratamento e cura

Causas

Muitas podem ser as causas que levem uma mulher a sentir dor no sexo. As causas físicas são várias, listamos algumas abaixo:

  • Pouca lubrificação vaginal (não só pela questão do ato não a excitar, mas por questões físicas mesmo)
  • Doenças de pele que causam machucados na região da  genitália
  • Infecções
  • Lesão ou trauma causado por parto, acidente, histerectomia ou cirurgia pélvica
  • Dor na área vulva
  • Inflamação da vagina (vaginite)
  • Contração espontânea dos músculos da parede vaginal (vaginismo)
  • Endometriose
  • Cistite
  • Doença inflamatória pélvica
  • Miomas uterinos
  • Síndrome do intestino irritável
  • Radio e quimioterapia

 

Mas muitos dos casos acontecem por questões psicológicas. Existem diversos fatores que reduzem o desejo sexual ou afetam a capacidade de uma pessoa ficar excitada. Exemplos:

  • estresse;
  • depressão;
  • sentimentos de vergonha, culpa ou medo relacionado ao sexo;
  • problemas entre os parceiros, impedindo que os dois se sintam a vontade durante a relação;
  • traumas, como abuso sexual e estupro.

 

Tratamento

Cada caso demanda um certo tipo de tratamento, mas se sentir dor durante o sexo não pense duas vezes e procure um médico. Independente da causa, o médico poderá dizer qual as medidas corretas para que o problema seja curado e não volte. E se a dor não é com você, mas com sua parceira, dê todo o suporte que ela precise. Uma conversa às vezes já ajuda.

Leia também