Tipos de vagina – Estes são os 5 mais comuns tipos de ppk

Você conhece os tipos de vagina que existem? Clique aqui e veja as imagens e a lista completa dos tipos mais comuns de vagina.

Eis um assunto que de fato interessa tanto as mulheres como os homens, sexo e tipos de vagina. Ou tipos de buceta, na linguagem popular. Sim, aquelas que você encontra em qualquer site porno. Selecionamos também os tipos de corrimento mais comuns nas mulheres e falamos sobre coceira na vagina. Vem com a gente!

SEXO

Tipos de vagina

BUCETA

Tipos de ppk

Tentando entender melhor os diferentes tipos, o site Elite Daily conversou com alguém que trabalha diretamente com vaginas.

Na verdade não é um ginecologista, mas sim uma depiladora, a Mel. Todos os dias ela tem contato com modelos de vagina de diferentes mulheres, e disse que de uma forma geral pode-se classificar 5 tipos de genitálias feminina. O que chamamos vulgarmente de tipos de buceta.

VAGINA

5 tipos de vaginas

Mel disse que não existe um algorítimo que defina os diferentes tipos de vagina, que essa categorização não engloba todos os formatos existentes, apenas os mais comuns, e que a ideia é apenas ajudar a mulheres a compreender melhor a aparência de suas bucetas, e que não há nada de errado em elas serem diferentes umas das outras.

Dessa maneira, vamos aos 5 tipos mais comuns, os nomes foram dados pela própria Mel.

NOMES DA VAGINA

Vagina Barbie | Tipos de ppk

TIPOS DE VULVA

Segundo a depiladora, pouquíssimas mulheres possuem este tipo de vagina, onde os grandes lábios cobrem completamente os pequenos lábios.

Vagina Cortina

tipos de buceta

Em síntese, a vagina estilo “cortina” é mais comum do que a vagina estilo Barbie.

Nela os pequenos lábios ficam “pendurados”, saindo dos grandes lábios.

Tipos de vagina

Vagina Cheinha | Tipos de ppk

A vagina estilo “cheinha” é bastante similar à estilo “Barbie”

Entretanto, a diferença é que os lábios ficam um pouco mais ressaltados no osso do púbis.

Vagina Tulipa

tipos de buceta

A vagina estilo “tulipa” leva esse nome por parecer com uma flor desabrochando. Um dos tipos de buceta mais comuns.

Os pequenos lábios ficam expostos, ao longo de toda a extensão dos grandes lábios.

Tipos de vagina

Vagina Ferradura

tipos de buceta

A vagina estilo “ferradura” tem uma abertura na parte superior, que deixa visível os pequenos lábios, que na parte inferior são cobertos pelos grandes lábios, lembrando o formato de uma ferradura.

Você conhece outros modelos de vagina e tipos de buceta?  Conta pra gente! quais tipos de buceta você prefere.

TIPOS DE CORRIMENTO

Muitas vezes, achamos que toda secreção que sai da vagina é corrimento. No entanto, existe uma diferença entre a secreção fisiológica — que é saudável — e o corrimento vaginal — que indica que algo na nossa saúde não vai bem. Saiba como diferenciá-los e entenda os sinais de alerta em caso de corrimento.

Antes de mais nada, saiba que muitas mulheres confundem secreção fisiológica com corrimento vaginal. Basta se sentir mais molhada para pensar: “Xii, será que tem algo errado comigo?”. Não à toa, muitíssimas mulheres fazem uso de absorventes descartáveis para evitar lidar com a umidade. O que não nos damos conta — e muitas vezes nem fomos ensinadas sobre — é que sentir-se úmida é normal

O que provoca corrimento vaginal?

Tipos de vaginas e corrimento

O corrimento vaginal — que não é saudável e indica uma infecção — é causado por fungos, bactérias ou protozoários. Ou, em alguns casos, uma combinação entre eles.

As causas para essa infecção são variadas. Entretanto, sabe-se que o desequilíbrio do PH vaginal deixa o corpo suscetível a esses agentes. Nesse sentido, uma boa higiene é fundamental. Lavar a virilha, a vulva e parte externa da vagina com água e sabão já é o suficiente para eliminar odores, suor e a gordura característica da região.

excesso de higiene também deve ser evitado. Como, por exemplo, usar sabonetes íntimos, fazer ducha vaginal ou lavar a parte interna da vagina. Tudo isso prejudica a flora vaginal e faz com que a região fique mais sensível a fungos e bactérias. Lembre-se também de cuidar da saúde como um todo, pois a baixa imunidade faz com que seja mais fácil ter essas infecções.

Quais são os tipos de corrimento?

Tipos de Vaginas

Branco, cinza, amarelo. A coloração das secreções é o primeiro sinal de alerta de que a secreção natural tornou-se corrimento. Por isso, a importância de sempre dar aquela olhada na calcinha ou no papel higiênico após fazer xixi. 

Ao notar uma coloração diferente, é necessário observar a presença de sintomas e ficar mais atenta na saúde como um todo. Então veja a seguir os tipos de corrimento e o que cada um pode indicar: 

Tipos de corrimento: Corrimento branco

Essa é a secreção branca e espessa, tipo leite coalhado. Geralmente é acompanhada de sintomas como coceira. Assim, acaba causando vermelhidão e sensação de queimação na região da vulva. Costuma ser causada pela candidíase vaginal, uma infecção na vagina causada pelo fungo Candida albicans.

Tipos de corrimento: Corrimento cinza

A secreção na cor acinzentada, acompanhada de coceira intensa e cheiro fétido quase sempre é um indicativo de vaginose bacteriana. Dessa forma, quem sofre com esse corrimento também tem desconforto ao urinar e uma sensação de queimação. Essa é uma infecção vaginal causada pelo excesso da bactéria Gardnerella vaginalis e Gardnerella mobiluncus no canal vaginal.

Tipos de corrimento: Corrimento amarelo ou verde

A secreção amarelo/esverdeado, com cheiro forte semelhante a peixe, pode estar associada a dores e sensação de queimação. Como resultado, é comum ter dor ao urinar ou a fazer sexo. Na maioria das vezes é causada pela Tricomoníase, uma infecção vaginal que é sexualmente transmissível.

Tipos de corrimento: Corrimento rosa

Já a secreção rosada, pode indicar o início da gravidez, em razão da fecundação do óvulo. É frequente ocorrer até alguns dias depois do contato íntimo. Juntamente com ela, é comum surgir leves cólicas abdominais, que acabam passando sem a necessidade de tratamento específico.

COCEIRA NA VAGINA

Você já deve ter sofrido de coceira na vagina ao menos uma vez na vida, não é verdade? Saiba que além de ser bem chatinha e incomodativa, ela também pode ser sinal de imunidade baixa, alergia ou até mesmo alguma coisa mais grave, como uma DST.

Quando esse problema ocorre, o ideal é saber identificar os seus motivos e as suas origens, para poder encontrar o melhor tratamento e prevenir as próximas crises de coceira na vagina.

Por isso, neste post apresentaremos as causas mais comuns para que você possa se livrar desse incômodo de uma vez por todas. Continue a leitura e confira!

Candidíase

Tipos de vagina

Um dos principais motivos para a coceira na vagina é a candidíase, uma infecção causada pelo fungo Cândida albicans — habitante natural da flora vaginal, que normalmente não provoca nenhum sintoma ou irritação. 

Porém, em períodos de baixa imunidade ou estresse, ele se descontrola e causa intensa coceira e irritação dentro e fora da buceta, além de ardência, corrimento branco, grumoso e sem cheiro, e dor na relação sexual.

Apesar do grande incômodo que provoca, seu tratamento é bem simples e pode ser feito por meio de medicamentos antifúngicos orais, em dose única, ou em cremes vaginais, por até 10 dias de uso.

Vaginose bacteriana | coceira na vagina

É causada por um desequilíbrio nas bactérias naturais da vagina ou por mudanças no pH decorrentes de duchas vaginais, e é bem parecida com a candidíase: a diferença é que o corrimento é mais aquoso e tem cheiro ruim.

É tratada por antibióticos, que podem ser aplicados diretamente no local por meio de pomadas ou óvulos, ou em comprimidos, para ingestão oral. O tratamento deve ser feito durante 7 dias e não poderá ser interrompido com a melhora dos sintomas. Durante esse período, é recomendado evitar o consumo de bebidas alcoólicas.

Alergias

Quando a coceira na vagina afeta somente a parte externa e não possui corrimento, pode estar sendo causada por alergias a diversos fatores, como:

  • camisinhas;
  • absorventes;
  • lubrificantes;
  • cloro (em banhos de piscina);
  • depilação;
  • sabonetes íntimos;
  • tecidos sintéticos;
  • amaciantes de roupas;
  • alguns papéis higiênicos.

Nesses casos, o ideal é descobrir o que está ocasionando a alergia na buceta para, então, evitar o contato, e utilizar pomadas ou medicamentos antialérgicos. Além disso, também é recomendado lavar externamente a região íntima com um sabonete de pH neutro, e sempre utilizar calcinhas de algodão.

coceira na vagina

DSTs

Algumas coceiras também podem ser sinais de DSTs, como clamídia, tricomoníase e gonorreia. Uma maneira de identificá-las é por meio de outros sintomas, como ardência ao urinar, feridas, dores durante a relação sexual e corrimento amarelado ou esverdeado e com odores. Geralmente, o tratamento é feito à base de antibióticos, de acordo com a doença e os sintomas provocados.

Hormônios

Os níveis hormonais podem sofrer algumas alterações durante a menstruação, a gravidez, a menopausa ou o uso da pílula anticoncepcional, o que acaba provocando a coceira vaginal. Embora seja difícil identificar se realmente a razão para a irritação são os hormônios, os tratamentos mais recomendados para todos tipos de vagina, para esses casos são a reposição deles por meio de medicamentos ou cremes vaginais, ou a interrupção do uso da pílula.

Evitar o uso de roupas sintéticas e justas, utilizar preservativo em todas as relações, tomar suplementos vitamínicos e diminuir o consumo de doces, são hábitos que você pode adotar para prevenir e até mesmo ajudar a aliviar a coceira na vagina. No entanto, é importante lembrar que somente um ginecologista pode diagnosticar as causas exatas desse incômodo e indicar o tratamento mais adequado. Nunca deixe de consultá-lo e evite a automedicação!

 

POSTS EM DESTAQUE NO TESTOSTERONA

PORNO

ATRIZ PORNO

Acompanhe o Testosterona

  • Telegram – Receba os novos posts direto no seu smartphone
  • Twitter – Siga o Testosterona na melhor rede social

Gostou do post sobre tipos de vagina e Tipos de ppk? Deixe sua opinião nos comentários. Também aproveite pra dizer quem você quer ver aqui no Testosterona. Nos siga em nossas redes e fique de olho nos posts diários do blog.