• Homem é atacado pela esposa após quebrar promessa de não assistir mais pornô

    Por: Edu | Em: Notícias | 21 de julho de 2015

    Delia-Priem-main
    Uma mulher foi presa por supostamente ter golpeado seu namorado, no momento em que ele quebrava a promessa de parar de assistir pornô online. Ela colocou uma câmera escondida e flagrou o namorado assistindo aos vídeos. O relatório policial informa que ela se sentiu irritada ao saber que ele ainda continuava assistindo a vídeos pornô, mesmo depois de ter prometido parar. Ele tinha jurado que não iria mais ver os filmes, mas a polícia de Pinellas County, Flórida, disse que a atração a mulheres nuas é demais para ele resistir.

    De acordo com os policiais, Priem acordou Anthony com um tapa no rosto em torno de 02:40 e o empurrou, em seguida, começou a atirar coisas ao redor do quarto, Howard não foi atingido por nenhum objeto. Priem foi presa sob a acusação de agressão doméstica contravenção e passou 12 horas em custódia para prestar depoimento.

    Fonte: The Mirror

  • A importância da quantidade de fichas no poker ou “Como você deu esse call”

    Por: Rafael Justplay | Em: Poker | 21 de julho de 2015

    poker
    Em algum momento da sua vida no poker você deve ter enfrentado algum jogador que deu um call com alguma mão absurda e acabou eliminando você do torneio. Pode não parecer, mas a jogada dele faz muito sentido e hoje você vai entender porque também deve fazer coisas assim. A importância da quantidade de fichas que você tem em seu stack é o que vai ditar quando e como fazer isso.

    Vamos supor que as blinds estejam 500/1000 e você tem 7000 fichas. Ninguém realiza uma ação e você no botão manda all in. O small blind foge e o big bling paga com 93o. O detalhe é que ele tem 72000 fichas em seu stack. E você vê seu A8 perder depois que um simples 3 bate no flop. Você deve ter alguma história parecida com isso. Mas você consegue entender como tudo isso aconteceu?

    Com 72 mil fichas, ele tem 72 big blinds neste exemplo. Você tem apenas 7 big blinds. 1500 fichas já estão no pote e ele precisa colocar 6000 fichas na mesa para tentar ganhar 13500 fichas, o que aparentemente não faz muito sentido. Mas se ele perder, vai sobrar com 66 big blinds ainda e vai ter muita saúde no torneio. E, claro, se ele ganhar ele elimina diretamente um jogador e fica um passo mais próximo da vitória. É isso que chamamos de “o poder das fichas”, em resumo. E pode ter certeza de uma coisa em torneios de poker: se você tiver a chance de eliminar um jogador, tente. Quanto menos jogadores na disputa melhor para você e para quem ficou.

    Sei que o exemplo que mencionei pode ser considerado até exagerado mas com menos de 7 big blinds é difícil que um jogador consiga uma mão premium para poder jogar, o que o levará a dar all in com uma range muito maior de mãos. Considerando que ele jogue com apenas 30% do range (A5+, 55+ e 98+) sua mão joga com quase 30/70 contra ele. Em cada 10 vezes, 3 você elimina um jogador e nas outras 7 você não perde um valor significativo das suas fichas tentando fazer isso. Não pode ser considerado ruim, sob o aspecto das fichas. E com 14 big blinds ele estará respirando mas ainda por aparelhos, em alguns casos.

    Nem sempre a mão é o fator mais importante para decidir se vale ou não a pena disputar uma mão. As vezes a quantidade de fichas, a posição e a condição do torneio (como, por exemplo, estar próximo da bolha na premiação) podem influenciar decisões e fazer você não entender como é possível que um jogador tenha dado aquele call. Quando acontecer novamente, lembre-se desse artigo. A mão não faz sentido mas os fatores externos sim.

    Dúvidas? Grite no Twitter. E nos vemos semana que vem!

  • Bunda artificial do Pornhub nos deixa um passo mais perto do pornô em realidade virtual

    Por: Gustavo Gusmão | Em: Gadgets & Tecnologia | 20 de julho de 2015

    pornhubtwerkingbutt
    Apesar da fama, o Pornhub vai bem além da simples hospedagem de vídeos pornô. A empresa por trás do site também faz análise de dados, divulga relatórios de uso quase semanalmente e ainda tem algumas ideias de gadgets. Não muito tempo atrás, por exemplo, vimos uma pulseira que gera energia através da movimentação do braço (fazendo você sabe o quê) e que pode ser usada para recarregar o celular. Agora – na verdade mais para o começo desse mês de julho –, a marca colocou à venda uma bunda. Não, não uma bunda de verdade, calma lá. O TwerkingButt é feito de um material que lembra a pele humana – provavelmente um tipo de borracha – e vibra, simulando o movimento do twerking que a Nicki Minaj já fez.

    O traseiro artificial vem acompanhado de um dispositivo de realidade virtual, daqueles que você coloca na cabeça para se sentir “dentro” de um jogo – ou, no caso, de um vídeo 3D ou um clipe cheio de gente rebolando. A ideia é que você segure a bunda física enquanto controla os movimentos dela usando um app (que tem versões para Android e iOS), colocando os óculos na cara para aumentar a imersão. Não entendeu? O vídeo de divulgação dos caras (que é uma bela fanfarronice) explica isso em imagens ali pelo um minuto e dez.

    Essa surreal bunda do Pornhub não é a primeira iniciativa que visa “aumentar a imersão” e colocar você cada vez mais dentro de uma produção pornô ou erótica. Projetos do tipo têm se tornado bem comuns, para falar a verdade. Em fevereiro deste ano, por exemplo, um conjunto de câmeras usado pela Huccio para gravar filmes do gênero em 360 graus virou notícia. Parecida com aquela usada nos carros do Google Maps, a estrutura custa 250 mil dólares, e gera um vídeo que pode ser visto de diversos ângulos, igual ao Street View. A ideia é que você rode filmes desse tipo em um Oculus Rift ou em algum aparelho do tipo, como o Gear VR da Samsung, e assim assista a um POV em que seus olhos são realmente a câmera.

    Parece inovador, mas o estúdio aí nem é o único que faz coisas assim.  Os espanhóis da VirtualRealPorn também trabalham no ramo dos pornôs mais imersivos, adaptando produções com atrizes de verdade para o maravilhoso mundo da realidade virtual. Os vídeos, porém, não são em 360 graus, limitando a visão aos 180°. Ainda assim, eles aproveitam os recursos de áudio de aparelhos do tipo para que o espectador ouça até a voz das personagens mais de perto, conforme elas se aproximam em um POV. Perturbador? Muito provavelmente sim.

    Em outro ramo tecnológico, o do streaming (o mesmo da Netflix), temos a SugarDVD, que em maio desse ano anunciou que pretende lançar um app para o Oculus Rift. Mediante o pagamento de mensalidade, o aplicativo permitirá que o dono de um aparelho do tipo assista aos filmes que quiser no dispositivo, que será lançado ano que vem pelo Facebook.

    Por fim, mas não menos importante, não posso me esquecer do cara das RealDolls, que trabalha no projeto das robôs sexuais inteligentes. A ideia dele não inclui apenas bonecas falantes, mas também simular sexo em realidade virtual, para que o espectador também “sinta” as atrizes dos filmes que ele está assistindo. Comparando com a bunda do Pornhub, é uma “evolução”, mas que só deve ficar pronta em alguns anos. O traseiro artificial TwerkingButt, por sua vez, já está em pré-venda, custando de 500 a 700 dólares em uma promoção temporária. O preço ainda vai pular para 700 e 1000 dólares pelas versões Classic e Deluxe, respectivamente (a diferença entre elas não ficou clara). O produto chega em agosto.

    gustavo-gusmão

  • 27 Leitoras do Testosterona no twitter pra começar bem a semana

    Por: Edu | Em: Amadoras, Leitoras | 20 de julho de 2015

    continue lendo…

  • Mulheres inteligentes bebem mais, aponta estudo

    Por: Edu | Em: Notícias | 20 de julho de 2015

    cerveja-mulher
    Universitárias consomem mais bebidas alcoólicas do que mulheres com menor grau de instrução, sugere uma nova pesquisa da London School of Economics, realizada na Grã-Bretanha. De acordo com o estudo, as mulheres cultas também são mais propensas a admitirem problemas envolvendo o abuso do álcool.

    Uma relação semelhante entre o grau de escolaridade e o consumo de bebidas alcoólicas também foi identificada entre os homens, entretanto ela é bem menos influente do que o que ocorre com o público feminino. Os pesquisadores acompanharam milhares de pessoas, de ambos os sexos, nascidos em uma mesma semana de 1970, na Grã-Bretanha. O relatório concluiu que quanto mais culta for uma mulher, maior as chances dela beber semanalmente.

    Os estudos afirmaram, ainda, que quanto maior o grau de instrução escolar, maior a tendência de um profissional do sexo feminino admitir problemas de dependência com relação ao álcool. Os testes foram feitos anos antes dos voluntários chegarem à vida adulta, enquanto ainda estavam na fase escolar. As adolescentes que registraram notas mais altas no colégio, de acordo com a pesquisa, mostraram ter até 2,1 mais chances de beber no dia a dia do que alunas de desempenho inferior.

    mulher-cerveja
    Francesca Borgonovi e Maria Huerta, responsáveis pelo estudo, disseram que há uma série de explicações para a relação entre os estudos e a bebida. Elas afirmaram que as mulheres de maior grau de escolaridade tendem a ter filhos mais tarde, o que posterga a responsabilidade da maternidade. Essas profissionais geralmente cresceram em uma família classe média e testemunharam seus pais beberem ao longo da infância, completaram Borgonovi e Huerta.

    Segundo a pesquisa, mulheres com qualificações educacionais mais elevadas são 71% mais propensas a beber durante a semana do que o público feminino que não tem acesso ao ensino superior ou a carreira acadêmica. O estudo mostra que mulheres cultas têm um estilo de vida diferente, que as expõem ao consumo de álcool. As conclusões da pesquisa realizada pela London School of Economics foi publicada na revista especializada Social Science and Medicine.

    Via: Telegraph

  • 20 tributos a Breaking Bad que você precisa assistir

    Por: Edu | Em: Mundo Macho | 18 de julho de 2015

    – Como seria se Breaking Bad fosse um seriado de humor?

    – Mas e se Breaking Bad fosse uma comédia romântica?

    – Aqui temos a evolução do personagem Walter White, de um professor de química falido, a motherfucker traficante internacional

    – A Evolução do complicado Jesse Pinkman

    Veja como seria a abertura da série se ela se passasse em 1985

    continue lendo…