Home Suicide Girls Julha – Sensualmente agressiva!

Julha – Sensualmente agressiva!

Nome: Julha (Julia Reis)
Idade: 24
Cidade: São Paulo
Profissão: Estudante de audiovisual
Instagram: @julh4.sg
Twitter: @_julh4

Esta é a primeira vez (de muitas, eu espero) da maravilhosa Julha aqui no Testosterona. E surpreendentemente ela contou que já é leitora do blog há muitos anos. A paulista de 24 anos é estudante e já tem 9 sets publicados no Suicide Girls. Eu bati um papo com essa morena que é um verdadeiro show de simpatia e que usou a fotografia sensual pra se descobrir, produzir e evoluir. Vem comigo!

As fotos deste post são dos sets: Sun Shower, Little Birds Shoud Stay Away From Big Bad Kitty Cats, Trailer Love e Find The Dragon Balls.

Julha

Julha
Foto: Pisces

Julha, seja muito bem vinda ao Testosterona. Primeiramente, conta pra gente um pouco mais sobre você?

Eu comecei trabalhando como modelo pra construir minha auto-imagem como mulher, e nesse processo criei literalmente um tesão pela persona que eu conseguia trazer a tona na frente de uma câmera. Desde então, a evolução do meu trabalho se tornou cada vez mais dedicado à sensualidade de uma mulher não necessariamente feminina, procuro mostrar sempre uma agressividade no olhar, sensualizar e performar.

Não posso discordar, pra mim seus olhares transmitem uma doce agressividade. Há quanto tempo você tem perfil no Suicide Girls e o que te chamou atenção no site?

Estou no site desde 2017, e de primeira o que me chamou a atenção foi a diversidade; Para alguém que tinha acabado de sair de uma internação psiquiátrica chegar para fotografar para uma empresa e encontrar mulheres gordas, magras, negras, de cabelo raspado; Isso foi revolucionário pra visão silenciadora que eu tinha da nudez feminina.

Julha

Porque você decidiu se tornar uma Suicide Girl?

Não decidi né, a administração do site que decidiu HAHAHAH brincadeira, mas eu tinha muita vontade de representar a energia feminina que eu trago no meu trabalho: impositiva, agressiva e expansiva. Mostrar a sensualidade de uma mulher que não necessariamente procura se tornar atrativa através de uma noção de feminilidade delicada, sabe? Essa era minha vontade.

O Suicide Girls surgiu pra quebrar padrões. Hoje em dia grande parte das modelos do site tem cabelo colorido e tatuagens, você acha que o site na verdade ajudou a estabelecer um novo padrão de “modelo alternativa”?

Sinceramente, não. Eu acho que o site se adapta conforme o momento em que estamos vivendo, e agora por exemplo a modelo alternativa tá muito em alta, mas o alternativo que está em alta hoje é um tipo diferente de alternativo que estava em alta quando eles começaram. Hoje em dia é muito incomum você ver Suicide Girls oficiais com grills (dente de metal), corpo fechadão, implantes, essa imagem mais hardcore do alternativo é difícil de ver lá, por exemplo. O padrão de alternatividade varia muito conforme as propensões sociais de aceitação.

Você se considera uma modelo alternativa? Ou essa classificação não é necessária e modelo é modelo…

Eu me considero modelo alternativa porque pra mim o alternativo é algo que vem necessariamente para fazer contraste com modelos que têm que trabalhar seguindo um padrão estético, como de passarela e etc. Então, sim, eu consideraria meu trabalho como alternativo.

Me conta uma coisa, o que é ser sensual na visão da Julha?

Ser sensual é algo muito particular, o que eu acho sensual outra pessoa pode não achar, então pra mim eu diria que a sensualidade está na capacidade trazer tesão para expressões faciais e corporais, seja de forma visceral e óbvia ou mais sutil e delicada.

Julha
Foto: Thimeow

Você já sofreu algum tipo de preconceito por fazer ensaios sensuais? Como lidar com pessoas que não entendem este tio de trabalho?

Ah, muitas vezes. Quase todo dia tem alguém nas redes sociais dizendo que não é um trabalho digno, mas eu vejo como inevitável. Feliz ou infelizmente o que fazemos ainda é chocante pra uma parcela grande da sociedade que tem dificuldade de ver uma mulher ganhar dinheiro com seu próprio corpo, e ainda mais sem ter que encostar em ninguém. Nós estamos criando um novo tipo de trabalho corporal, aonde não precisamos correr o risco físico que o trabalho corporal sempre trouxe as mulheres. Então eu vejo esse incômodo como um baque que a sociedade está vivendo pelas mudanças que a imagem feminina está passando com o empoderamento.

Julha, e como você se sentiu quando fez seu primeiro ensaio sensual?

Foi incrível! As fotos do meu primeiro ensaio são um tesouro precioso pra mim, eu lembro de olhar pra elas na primeira semana que recebi os arquivos e ficar completamente embasbacada com o que eu conseguia passar numa fotografia. Eu olhava e pensava “Sou eu! Sou eu mesmo! Eu posso ser bonita!”.

Julha

Você é linda e eu amo as suas fotos. Você se considera uma pessoa exibicionista?

Com certeza. Me tornei, porque quando fiz o primeiro ensaio e me abri pra uma imagem mais sensual de mim mesma, eu vejo que era muito retraída. Depois que dei vasão as possibilidades e ao meu tesão como mulher, eu vi o quanto gostava de ser olhada, desejada. Hoje sou muito grata que descobri isso, porque tornou meu trabalho extremamente mais leve e prazeroso. Jamais me julguei, sempre me sinto poderosíssima pensando que consigo ganhar dinheiro mostrando o que tenho com muito orgulho.

Entre os seus sets, tem algum favorito por algum motivo especial?

No Suicide Girls meu set preferido é o Sun Shower por muitos motivos. Eu e a Joyce, a fotógrafa, fizemos o set em questão de 40 minutos numa fluidez que eu jamais consegui trabalhar com mais ninguém. E é uma obra prima. A fotografia desse set é sublime, a paleta de cores, tudo! Como obra artística é minha preferida porque passou tudo o que eu queria e um pouco mais. Sou muito grata por esse set.

Fala pra gente sobre suas tatuagens? Quantas você tem?

Nossa, eu não faço ideia do numero. Entre 35 e40 tattoos, mas a preferida tem que ser minhas costas depois de tudo que eu passei hahahah. Já se foram mais de 20 sessões, + 130 horas tatuando e ainda não acabamos! A pandemia deu uma desacelerada, mas é um fechamento baseado na origem do Dragon Ball, a lenda do Son Goku.

Julha – Foto: Kalincamaki

Você se inspira ou busca referência no trabalho de outras modelos?

Quando comecei eu não diria que me inspirava, porque acho que cada uma desenvolve um trabalho único justamente por ele trazer tanto de si mesma, mas eu tirava forças olhando e admirando outros trabalhos que me faziam vibrar. Por exemplo, da Nayru, Milloux, Catarina, Jacqueline, Lagoona, Cleodora.

Como que é a relação com os seus fãs e admiradores nas redes sociais?

Eu adoro conversar com todo mundo, principalmente os fãs de cultura japonesa que nem eu. Sempre to trocando muita ideia sobre jogos, animes, filmes. O contato com pessoas que consomem meu trabalho me ajuda muito a entender o que estou passando também, muitos dos meus clientes do OnlyFans por exemplo me mandam mensagens pra dizerem o que gostam e o que acham que eu poderia melhorar no conteúdo e eu agradeço muito por isso.

Já que você falou em anime, quais os seus favoritos?

Meus animes favoritos são Dragon Ball, a Saga de Pilaf é que mais amo, InuYasha e Attack On Titan. Mas eu assisto muito anime, já vi mais de 300.

Os fãs brasileiros são diferentes dos seguidores de fora?

Sim! Infelizmente eu sinto que os fãs brasileiros são mais invasivos. É o tipo de cliente por exemplo que fica mandando mensagem falando pra gente marcar de sair e etc.

Julha

Quais as suas SG brasileiras favoritas?

Dawud, Thaecos, Ravenna, Thaiz e Amanda Welp

Essa é uma pergunta que os leitores sempre me cobram. Além do OnlyFans, você já pensou em produzir conteúdo pra sites tipo Pornhub e Xvideos?

Nunca pensei não, o grande lance do OnlyFans é ter que apoiar nosso trabalho monetariamente pra ter acesso ao conteúdo, e isso me atrai muito e funciona como um filtro de clientes: quem está disposto a pagar pelo seu conteúdo e quem não está. Acho que sites como Pornhub e Xvideos são muito bons pra divulgação em massa, mas isso só me seria benéfico se eu tivesse intuito de entrar de fato no mercado do pornô brasileiro, mas não tenho esse interesse. Eu sou exibicionista, mas gosto que as pessoas possam ver o meu tesão de forma fluida e 100% real. Acho que dentro da produção profissional eu com certeza acabaria me encontrando em situações que eu teria que fingir um gozo ou algo assim, e não me sinto bem com isso.

Falando em pornografia, que é um assunto recorrente aqui no blog, você é consumidora de pornô?

Eu sempre gostei muito de assistir pornô, mas conforme o tempo foi passando eu fui me tornando muito mais da imaginação. Sou bissexual, mas tenho muita dificuldade com o pornô hétero, sempre assisti só pornô lésbico e porno amador. Hoje em dia eu bato tanta siririca me gravando que nem assisto mais! Risos!

O que você gosta de fazer nas horas vagas?

Assistir anime, RuPaul e fumar maconha

Você é uma pessoa musical? Que tipo de música a Julha gosta de ouvir?

Eu adoro ouvir música! Ouço de tudo, com exceção de funk, sertanejo e forró. Com frequência ouço muito Bring Me The Horizon e eletrônico. Mas preciso conhecer músicas novas, na pandemia de tanto ficar de fone estou meio cansada dos meus sons hahaha

Que dica você daria pra uma garota que sonha em entrar pro Suicide Girls?

Não se pressione e não se compare. Cada mulher como modelo é única porque cada uma tem algo intrínseco para trazer, então aprenda a se amar e use sempre outros trabalhos de mulheres pra te darem força, mas nunca para guiarem sua história.

Julha, obrigado pela entrevista, foi um enorme prazer conversar com você. Pra encerrar, o que você mais gosta no Testosterona??

Adoro que o blog instiga. Eu acessei muito o Testosterona antes de entrar pro meio da fotografia, porque as matérias me deixavam muito curiosa, eu ficava horas só lendo os blogs, seja na área das modelos ou na área de notícias masculinas. É um portal que consegue instigar não só o público alvo, e eu acho isso inestimável!

Mais Suicide Girls no Testosterona

Então, que tal o post com a maravilhosa Julha, gostou? Pois deixe sua opinião nos comentários e conta pra gente qual suicide girl você quer ver no Testosterona?

Mais posts pra você

COMENTE JÁ