Home Sex Workers Alex – Eleita a modelo tatuada mais linda de 2020!

Alex – Eleita a modelo tatuada mais linda de 2020!

Hoje tenho a honra de fazer minha primeira entrevista internacional, este ser jurássico que vos escreve conversa hoje com a GoAskAlex, ou simplesmente Alex. Ela que foi eleita pela revista XBIX “Best Inked Model 2020”, ou a modelo tatuada mais linda do ano! Feito esse que já seria memorável por si só, mas também representa uma vitória para os portadores de necessidades especiais, pois Alex é ostomizada, falei um pouco sobre isso em outro post. Hoje, batemos um papo sobre a carreira dela e o trabalho de militância que ela vem fazendo para inclusão maior visibilidade para pessoas com deficiência na pornografia. Confira como foi a seguir.

Alex

Antes de mais nada Alex, conte-nos um pouco sobre sua carreira, há quanto tempo você trabalha com produção de conteúdo adulto e como você entrou nesse negócio?

Sou sex worker há mais de sete anos, com a maior parte da minha carreira passada em streaming ao vivo pela webcam. Comecei a trabalhar por necessidade, mas logo percebi que era a carreira dos meus sonhos, gosto de me expressar criativa e sexualmente… Alguns podem dizer que sou exibicionista. Nos últimos anos, fiz a transição para mais sites de criação de conteúdo e assinatura. Meu foco agora é criar muitos vídeos e fotos sensuais para meus fãs.

Alex
Photo by JABLXX

O que você mais gosta em seu trabalho como performer adulta e camgirl? E o que você não gosta? É sua atividade principal hoje?

Alex: O que mais amo no meu trabalho é a liberdade que tenho para criar tudo o que me inspira. Sempre fui uma pessoa altamente criativa, mas sou puxada em tantas direções que pode ser difícil me concentrar. Ser autônomo significa que posso seguir minhas inspirações e intuições em qualquer direção que eu escolher. Como sou meu próprio patrão, posso tirar uma folga sempre que precisar descansar. Isso também pode ser um desafio, uma vez que o trabalho autônomo exige uma quantidade substancial de autodisciplina. A parte mais difícil de trabalhar para mim mesma é equilibrar minhas tendências para procrastinar e também trabalhar demais.

Alex

Como é o seu dia a dia e rotina de trabalho Alex? E quando não está trabalhando, o que gosta de fazer nas horas vagas?

Admito que tendo a trabalhar muito! Eu sou minha própria fotógrafa, cinegrafista, técnica de áudio, editora, equipe de mídia social, contadora e muito mais! Quando tenho um tempo longe do meu telefone, tento visitar a praia o máximo possível. Gosto de ser voluntário quando posso e encontrar maneiras de contribuir com minha comunidade. Nos meus dias de “folga”, você geralmente me encontrará rodeada pela natureza.

Você planeja criar seu conteúdo para OnlyFans ou você gosta e deixa o instinto te levar durante a gravação?

Alex: Gosto de planejar vídeos elaborados com antecedência, mas às vezes fico animada com uma ideia e me empolgo. Meus vídeos favoritos são aqueles que começaram espontaneamente e terminaram com orgasmos genuínos de sacudir o corpo. Sei que estou fazendo um bom vídeo quando tenho que parar no meio da filmagem para gozar algumas vezes.

Alex

Li no seu site que você tem lutado pelos direitos das pessoas com deficiência na sua carreira, Alex, o que a levou para esse caminho?

Em 2019, fiz uma cirurgia que mudou minha vida, para remover todo o meu cólon e agora vivo com uma ileostomia permanente. Isso significa que meu intestino delgado foi redirecionado para fora do meu abdômen e um dispositivo médico está colocado em cima dele. Por causa do estigma em torno da saúde intestinal, não tinha certeza se deveria continuar com o Sex Work após a cirurgia. Embora tenha havido vários casos de feedback negativo quando compartilhei meu primeiro nu pós-operatório no Twitter, fui recebida com amor e compaixão pela comunidade online.

Artistas e consumidores com deficiência de todo o mundo começaram a me enviar mensagens de agradecimento por minha bravura, e foi então que percebi a grande necessidade de diversidade na mídia adulta. A pornografia, como a conhecemos tradicionalmente, foi criada com um campo de visão estreito, muitas vezes apresentando o ideal eurocêntrico para tipos de corpo e expressões de gênero.

Alex

Pessoas com deficiência, pessoas de cor, artistas plus-size e indivíduos não binários ou transgêneros são frequentemente sub-representados pela mídia principal e pela mídia adulta. Quando aparecem, costumam ser uma versão fetichizada ou caricaturada de si mesmos. Sou totalmente a favor da autonomia do corpo e, se os indivíduos optarem por se fetichizar para obter ganhos financeiros ou sexuais, irei alegremente torcer por eles; mas não deve ser sua única opção. Anseio por um mundo onde todas as pessoas possam ter poder sexual e ser representadas de forma justa na mídia. Dessa forma, tornar-se deficiente reescreveu o roteiro sobre como me relaciono com o mundo ao meu redor e, como resultado, reformulou completamente minha carreira.

O que mudou na sua vida depois que você começou a trabalhar como artista adulta?

Alex: Trabalhar na indústria adulta mudou minha vida em todos os sentidos. Quando comecei a transmissão ao vivo, estava morando em um quarto compartilhado com um amigo. Durante meus shows na webcam, eu tinha apenas uma parede de lençóis para nos separar e ter privacidade. Ao longo de vários anos, troquei minha tecnologia por equipamentos mais novos e, aos poucos, melhorei minha qualidade de vida. Em 2018 comprei um carro híbrido com o dinheiro que economizei no Sex Work.

Seguindo em frente, tenho o sonho de comprar uma casa de frente para o mar onde possa passar todas as noites vendo o pôr do sol cercado por uma varanda cheia de cães. Um aspecto desafiador da minha vida como profissional do sexo é como me relaciono com as outras pessoas. Há tanto estigma em torno do meu trabalho que frequentemente me encontro mentindo para novos amigos sobre meu emprego. Proprietários, bancos e entes queridos são abordados com cautela para proteger minha privacidade e segurança.

Alex

Alex, você pode nos contar um pouco sobre seu projeto para o calendário de Sex Workers com deficiência?

Em 2019, após minha cirurgia, percebi uma grande necessidade de representação e, com a ajuda de meus fãs, fiz um brainstorm desse projeto criativo. Eu queria encontrar uma maneira de mostrar algumas das profissionais do sexo deficientes que eu conhecia, ao mesmo tempo em que enfatizava que “sexy” vem em muitas formas diferentes. Olhando para as raízes da pornografia, esse tipo de mídia era consumido principalmente no papel, na forma de revistas para adultos e, eventualmente, de calendários. Qual a melhor maneira de transmitir a mensagem? Eventualmente, espero fazer um livro cheio de imagens e citações de sex workers com deficiência.

Apesar de trabalhar com conteúdo erótico e adulto, você também gosta de assistir pornografia? Você tem um tipo favorito?

Alex: Depois de tantos anos fazendo pornografia, acho que vejo agora mais como inspiração do que qualquer outra coisa. É difícil desligar meu cérebro e apenas “curtir” quando assisto uma cena. De tal forma que ocasionalmente procuro pornografia para meu prazer pessoal, e quase sempre exclusivamente mulheres femininas com vulvas. Mas sempre que consumo pornografia, asseguro-me de que estou comprando diretamente do artista. Assim, posso garantir que o conteúdo seja feito de forma ética e que o intérprete seja remunerado pelo seu trabalho.

Alex

Da mesma forma, o que te excita durante o sexo e o que alguém precisa para chamar a atenção de Alex?

Eu faço muitas cenas excêntricas para meus fãs, então minha vida sexual pessoal é geralmente mais “baunilha”. Assim sendo, posso realmente me envolver em dramatizações ou encher calcinhas com meus parceiros sexuais pessoais, pois sou uma camaleoa sexual e sempre acho que me sinto mais excitada quando meu parceiro também está. Meu objetivo é agradar e, enquanto me sentir segura e confiante, terei a mente extremamente aberta.

Você tem um sonho que ainda deseja realizar? Você tem alguma trabalhadora do sexo que te inspira?

Alex: Meu sonho é trabalhar com produtoras de larga escala para estrelar a pornografia popular. Se isso acontecesse, sei que o alcance do meu corpo deficiente certamente seria global. Quero que todos saibam que ter uma ostomia não significa que você não possa realizar seus sonhos, e certamente não significa que você não seja sexy. Minha inspiração vem de ícones como Nina Hartley, Jizz Lee e Stoya.

Alex

Que dicas você, Alex, daria para uma garota que está pensando em se tornar uma Sex Worker ou mesmo apenas para pessoas típicas ou com algum tipo de deficiência, mas que querem explorar mais seu lado exibicionista e sua sexualidade?

De fato, o conselho mais importante que posso dar a qualquer pessoa sobre sexo ou trabalho sexual é entender seus limites. Anote o que você gosta e o que não gosta e comunique isso claramente a seus parceiros pessoais ou profissionais. Aliás, em um ambiente de trabalho, isso pode ser estabelecido em um contrato. Ouça sua intuição, sua segurança e conforto estão em primeiro lugar!

Por fim, muito obrigado pela atenção e carinho em nos receber. Alex, o espaço é todo seu, deixe uma mensagem final para nossos leitores. Onde as pessoas podem encontrar seu conteúdo?

No Twitter e no Instagram, sou @goaskalexonline. Visitem também meu site pessoal para saber de todas as informações e novidades sobre o Calendário de Sex Workers com Deficiência de 2021, inclusive informações de onde comprar podem ser encontradas lá! Para quem deseja acessar meu trabalho XXX, o melhor lugar para encontrá-lo é em meu OnlyFans.

Com vocês a linda GoAskAlex, ou para nós que já somos de casa, Alex:

COMENTE JÁ

Mais posts pra você